Mário Moreno/ Abril 23, 2018/ Artigos

A pergunta

A pergunta é: você é religioso, ou você é D-us? Bem, claro que sua na verdade não pode ser D-us, mas você age como se você fosse? Antes que a resposta seja não, sei que esta é a pergunta… você vai ser convidado no Rosh Hashanah, não pelo seu cônjuge, não pelo seu Rav e não por seu vizinho. O Celestial Bais Din solicitará esta questão, e eles vão responder a isso por como você viveu sua vida no ano anterior e com base em sua atitude durante os dez dias de arrependimento.

O que significa ser religioso? A Torah responde essa pergunta através da 613 Mitzvos. O que significa para ser D-us? Isso vai para a base da discussão que se segue.

Dovid HaMelech escreveu:

Quando eu vejo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e estrelas que você estabeleceu, o que é o homem que você deve se lembrar dele e o filho do homem que você deve estar atento a ele?” (Tehilim 8:4-5).

O Dovid HaMelech quis dizer com isso? Vamos responder a esta pergunta com uma analogia.

Um dia, um pai levou seu filho para ver o seu local de trabalho. O filho nunca tinha estado lá antes, e ele estava animado para ver onde seu pai trabalhava e ganhava seu sustento. Quando eles passou pelo portão da frente, o filho teve temor de um lugar tão grande. “Você tem tudo isso?” ele perguntou a seu pai em assombro, ao qual seu pai simplesmente respondeu, “Tudo.”

Enquanto caminhavam no Hall de entrada do edifício, o filho estava surpreso com quantas pessoas iam em todas as direções, cada um, parecendo ter um propósito, cada um dizendo “Bom dia” para o chefe deles. “Todas essas pessoas trabalham para você?” ele perguntou a seu pai em perplexidade. Seu pai lhe respondeu, “Todos eles.”

Ele então levou seu filho em uma excursão por toda a empresa. Como mudaram-se de um departamento para outro, o filho tornou-se oprimido pelo que seu pai tinha construído e estava executando. Ele não podia entender como seu pai poderia possuir todas as coisas e supervisionar tantos trabalhadores. Os trabalhadores tinham os gerentes, os gerentes tinham gerentes e todos eles respondiam ao pai. “Todas essas pessoas respondem a você?” ele perguntou a seu pai em descrença. “Cada um deles,” ele disse a seu filho.

Toda a turnê levou duas horas. Quando eles terminaram, eles foram ao escritório do pai, que também impressionou o filho. “Tudo isso é seu?” ele perguntou a seu pai, o quarto inteiro de digitalização. “O escritório inteiro,” o pai dele disse a ele.

O filho se sentou em uma cadeira, oprimido.

“Qual é o problema?” o pai perguntou a seu filho. “Sente-se bem?”

“Sim, claro, tudo bem,” respondeu o filho, de forma convincente. “É só que eu não tinha ideia de quão grande era a empresa aqui. Já ouvi você falar com Imma sobre isso e o telefone para os outros. Mas, nunca imaginei que era tudo isso! Nunca farei a mesma coisa”.

O pai sorriu. “Ah, mas você vai… um dia,” ele disse a seu filho, “porque tudo o que você vê eu fiz por você! Comecei do zero e a construiu para o que é hoje para você, na hora certa. Um dia, este será o seu negócio, e você vai executá-lo.”

Tudo o que o filho poderia fazer era afundar em sua cadeira e tomar um gole. Ele nunca se sentiu tão pequeno, tão insignificante, comparado ao que ele estava sendo dado.

A analogia é clara. O mundo pertence a D-us, mas ele construiu isso tudo para o homem. Ele certamente não construiu-o para si mesmo. Ele executa-o, mas ele quer que nós, assumamos a responsabilidade por ele, então ele prefere que nós façamos. É só assim que soubermos que percebemos que é um ótimo lugar que este mundo é, e nós apropriadamente tornamo-nos humilhados por ele.

Temor requer duas partes. Primeiro requer que uma pessoa realize algo ótimo, e então precisa a pessoa a perceber que eles são pequenos ao lado dele. Isto é necessário porque com temor vem o respeito e o respeito é a base para qualquer relacionamento sólido. Amor, ajuda, mas sem respeito, o vínculo é frágil, na melhor das hipóteses.

Isto é especialmente verdadeiro quando se trata de relacionamento da pessoa com D-us. Os seres humanos anseiam e precisam o respeito dos outros para se sentirem seguros em suas relações. Eles precisam dar aos outros se querem a volta boa em troca.

D-us não. Insegurança não é relevante para D-us. Se em alguma coisa precisamos respeitá-lo para ser capaz de se conectar a ele num alto nível, finalmente, o faremos. A Parshat desta semana diz que a Torah não está nos céus. Uma das explicações presentes no Talmude é que Torah não flui para pessoas arrogantes. Comparada às águas, que devem fluir de uma fonte alta para um recipiente inferior.

Costumavam me perguntar o que isso significava na prática. Tenho visto muitos estudiosos da Torah com a melhor atitude. Eles claramente sabem muito, mas eles claramente têm arrogância também. Provavelmente diriam a mesma coisa sobre mim, mas estou eu a escrever este artigo, e sua arrogância que eu vejo, não é minha.

Meu erro foi pensar que “tendo a Torah” significava apenas saber muita coisa. Fiquei impressionado pela maneira que uma pessoa poderia recordar detalhes importantes de Torah da memória, enquanto eu lutava apenas para lembrar alguns princípios gerais. Ele revelou algumas das profundidades do seu conhecimento e a falta de profundidade dos meus.

Mas notei também que quando veio a outros aspectos da Torah, como os elementos mais espirituais como oração, ou eles não atraíram muita atenção do mesmo, ou ficaram aquém, muito aquém. Muitas vezes, em sua personalidade é derramado em público de uma maneira que poderia facilmente ter sido considerado, do ponto de vista mais espiritual, desagradável.

O Talmud diz que a Torah de Doegue e Achitophel eram superficiais (Sanhedrin 106). Doegue, além de ser o chefe do Sinédrio em seu tempo, também comandou a polícia especial de Shaul HaMelech. Achitophel, o principal estudioso da Torah e conselheiro de seu tempo, foi na verdade o avô da esposa de Dovid, Bas Sheva.

Cada um era um gênio de Torah aos seus próprios olhos. Cada um provavelmente ordenava o respeito de professores e alunos iguais. Cada um poderia impressionar os outros com sua erudição, e ainda, nos faltavam a parte mais importante da Torah, a parte de “dentro”. Eles sabiam Torah, mas não tinham a Torah. Faltava-lhes a humildade para isso, e apesar de pessoas negligenciadas nisto, D-us não o fez. Ele nunca faz.

Há uma razão por que são chamados dos dez dias de arrependimento “Dias de temor.” Nós pecamos por falta disso. Podemos desonrar nosso relacionamento com D-us, porque perdemos nosso sentimento de temor, de criação e o nosso lugar dentro dele. Tratamos neste mundo incrível, como se fosse nada e nossa responsabilidade, da mesma forma.

E, enquanto nós estamos pensando sobre o tema, deve ser salientado que todo este desastre natural está a invocar uma resposta semelhante: temor. Todos o nosso gênio e proezas técnicas não é páreo para a ira da natureza, que aparece em todo o mundo neste momento. Se é um furacão, monção, incêndio florestal ou calor incrível, tudo se qualifica como catástrofes naturais, e todas as pessoas podem fazer é orar e ter esperança para sobreviver.

É humilhante, para dizer o mínimo, mesmo para pessoas não diretamente afetados por ela. Ele inspira um sentimento de temor no coração dos homens e nos empurra para baixo de alguns detalhes onde pertencemos. Ótimo, é para ser assim. Arrogante, nunca. Quando somos, podemos brincar de D-us.

Uma das maneiras que D-us proveu para o homem manter um sentimento de temor para autoridade superior, foi a mitzvah de honrar a pais e professores. É uma Mitzvá tão importante que até temos um especial viduy no Iom Kippur para aquém destas áreas.

Outro importante significa para a manutenção do temor em preparação para ter temor de D-us é a liderança. Temos reis de carne e osso para ajudar-nos a melhor nos relacionarmos com nosso rei divino. Apesar de hoje existirem alguns reis, temos muitos líderes mundiais. Seu escritório ainda requer o tipo de admiração e respeito de um rei, mesmo se eles são muito menos do que real. É o escritório que conta, não é ele.

Não pretendo conhecer a mente de D-us. Como o profeta disse em nome de D-us, “seus pensamentos não são meus pensamentos“. Eu certamente não estou tentando explicar por que morte e dano tem que vir com alguns e não para outros. É o tipo de arrogância que estou criticando acima. Eu estou apenas olhando para o que está acontecendo e pensando em voz alta sobre o temor que está resultando, especialmente tão tarde na história. Rosh Hashaná chegou. Tempo para se tornar divinos e parar de agir como D-us.

Obrigado pela leitura, mais um ano. E, deve ser o ano da salvação e não um de destruição, um ano da redenção e não um de exílio, nacional ou pessoal.

Tradução: Mário Moreno.