Category Archives: Teste

Parasha Matot

Parasha Matot

Matot Ramos Nm 30.2–32.42 / Jr 1:1 – 2:3 / At 9:1-22         Na Parashá desta semana estaremos bordando o tema do voto que é feito por alguém.Também falaremos sobre a divisão dos despojos de guerra e do pedido de duas tribos para estabelecerem-se onde eles estavam, aquém do Jordão. O nosso texto tem início com estas palavras: “E falou Moshe aos cabeças das tribos dos filhos de Israel, dizendo: Esta é a palavra que o IHVH tem ordenado. Quando um homem fizer voto ao IHVH, ou fizer juramento, ligando a sua alma com obrigação, não violará a sua palavra: segundo tudo o que saiu da sua boca, fará” (Nm 30:1-2). Moshe dá início ao seu discurso falando sobre o voto que era feito por um homem. A palavra “voto” vem do termo hebraico neder e significa “voto, oferta votiva”. A raiz tem a conotação do ato de consagrar verbalmente (dedicar ao serviço) a D-us. Este voto era feito “ao Senhor”, sendo que aqui a palavra que define o Eterno é IHVH (Eu me torno aquilo que me torno). Mas. O que significa isso? Isso significa que o Eterno se tornaria aquilo que aquele homem lhe houvesse pedido através desta “consagração”; caso ele não cumprisse, então receberia certamente algo que ele mesmo não estava esperando! Mas, porque isso aconteceria? Por que o Eterno permitiria que essa pessoa fosse

Read More

O Agir do Eterno

O Agir do Eterno

O Agir do Eterno Eliyahu HaNavi (Elias, o profeta) estava angustiado. Tudo à sua volta havia se quebrado. O seu povo, seus próprios familiares, haviam abandonado o caminho do Eterno. E pior: Haviam perseguido até a morte aqueles que ainda se professavam como seguidores das Escrituras. A terra onde ele nascera, e crescera, já não era mais a mesma. Ele praticamente não conseguia reconhecer mais nada, talvez nem mesmo aqueles a quem ele amava, e que o retribuíam com ódio, e buscavam ceifar sua vida. Pode-se dizer que o mundo em volta de Eliyahu ruiu. Ele perdeu completamente o referencial, e se sentia totalmente desorientado, deprimido, sem nenhuma esperança. Ao ponto de dizer ao Eterno: “Agora basta, IHVH! Retira-me a vida, porque não sou melhor que meus pais.” (Melachim Alef/1 Reis 19:4) Imagine a frustração que vivia Eliyahu. Sua angústia, sua decepção, e sua vontade de não fazer mais nada, a não ser esperar a morte chegar. Esse era o cenário em que Eliyahu se encontrava. No mais profundo dos abismos. Mas, quando isso aconteceu? Foi justamente após uma grande vitória que ele teve contra os 850 falsos profetas que ameaçavam Israel que eram pagos por Jezabel para incitarem a nação a abandonarem ao IHVH. Sua vitória não foi somente “física”; no reino do espírito houve uma grande derrota das hostes malignas que nada puderam fazer quando o

Read More

Ieshua era fariseu?

Ieshua era fariseu?

Ieshua era fariseu? P’rushim: vem do hebraico (פרושים), transliterado para o grego é pharisaioi e quer dizer “Separados”, e de forma definitiva em português Fariseus. Farisaismo: seita religiosa originária dos Chassidim (Piedosos), responsável por manter vivo o zelo pelas Escrituras, e a sua fiel observância como também a das tradições orais; este grupo não permitiu que o estudo e esperança nas profecias messiânicas se perdessem com o tempo, principalmente no período entre a morte do último profeta Zacarias e o Levante Macabeu (167 A.e.c). Ao contrário do que se pensa nem todos os Fariseus eram hipócritas e legalistas cegos, muitos aceitaram os ensinos de Ieshua e o reconheceram como Messias. Chassidicos: vem do termo hebraico Chassidim (חסידים) que é o plural de Chassid (חסיד) que em português é piedoso. O Movimento Moderno Chassídico tem características pontuais que remetem à origem de tal designação que a partir da volta do exílio Babilônico na época dos Macabeus era dada aos responsáveis pela reestruturação do culto à D-us, e da observância da Lei de D-us dada a Moshé como também das Leis Rabínicas ou as chamadas “Leis de cercas”, instituídas no exílio para preservar a cultura e Tradições Judaicas, o termo Chassídico significa então “justo e piedoso”. O termo Fariseu significa “separado”, mas não em sentido de ascetismo de se isolar das pessoas, pois os Fariseus eram muito ligados a questão de humanidade, justiça

Read More

Parasha Metzora

Parasha Metzora

Metzora O sarnento         Lv 14:1 – 15:33 / II Rs 7:3-20 / Mt 23:16-24:2,30-31         Na Parashá desta semana estaremos tratando sobre as pessoas que possuem lepra e como era feito o ato de sua purificação. Nossa análise começa com o texto: “Depois falou o IHVH a Moshe, dizendo: esta será a lei do leproso no dia da sua purificação: será levado ao sacerdote, e o sacerdote sairá fora do arraial, e o examinará, e eis que, se a praga da lepra do leproso for sarada, então o sacerdote ordenará que por aquele que se houver de purificar se tomem duas aves vivas e limpas, e pau de cedro, e carmesim, e hissopo” (Lv 14:1-4). A primeira coisa que este texto nos mostra é que há uma lei do leproso! A palavra “lei” em hebraico é torah e significa “ensino, lei”. Um outro detalhe é que a palavra “leproso” em hebraico é tsara que significa “sofrer doença de pele, ficar leproso”. Ela provém da raiz tsrk de onde provém também os termos tsorek, que significa necessidade e também tsara´at que significa “doença de maligna da pele, lepra”. Estes termos nos mostram que há um ensino dado pelo Eterno sobre aqueles que foram atingidos pelas doenças malignas na pele (aqui chamadas de “lepra”). Novamente queremos ressaltas que a lepra era sinal de imundície na alma que também precisa

Read More

Os vasos do templo estão prontos para o terceiro Templo de Jerusalém

Os vasos do templo estão prontos para o terceiro Templo de Jerusalém

Os vasos do templo estão prontos para o terceiro Templo de Jerusalém “Então veio a festa da dedicação em Jerusalém.  Era inverno, e Ieshua estava na área do templo andando na colunata de Salomão” (Jo 10:22–23) Alguns anos atrás, um grupo de visitantes judeus para o Monte templo informou ver vigas antigas datadas do primeiro e segundo período do templo sendo usado como lenha pela comunidade árabe. Os feixes foram utilizados na construção do Mesquita de Al-Aqsa e tornou-se visível ao público na década de 1930, enquanto o edifício estava sendo remodelado.  Estes feixes podem ter sido originalmente parte do Estrutura do telhado do templo santo. Desenhos da era bizantina também foram encontrados gravados em alguns destes feixes. “Parece que isso faz parte das tentativas sistemáticas de árabes para destruir todas as conexões entre o povo judeu e o monte do templo”, disse um porta-voz de um dos grupos que tentam proteger os direitos judaicos na montagem do templo (Arutz Sheva). Os árabes ainda negam que quaisquer templos judaicos já existiram no monte e continuam escavações não autorizadas que destroem provas de tal presença judaica no monte. Até proíbem os judeus de orar lá. No entanto, muitos judeus e cristãos estão planejando construir um terceiro templo judaico neste local mais sagrado do mundo. Na verdade, os instrumentos, mobiliário e embarcações para a adoração do templo já foram criadas e estão em exposição nos

Read More

Os portões da justiça

Os portões da justiça

Os portões da justiça A Parasha Shoftim começa com o comando de nomear juízes em todas as cidades de Israel. Os Estados de Torah: juízes e oficiais devem nomear em todas as suas cidades — que Hashem, o seu D-us, lhe dá — para suas tribos; e eles devem julgar as pessoas com julgamento justo (Dt 17:18). A questão é que na verdade a Torah não diz para nomear juízes e oficiais em todas as cidades mas ele usa um termo hebraico diferente de todas as suas portas. É uma expressão estranha. Afinal, a Torah não está se referindo a designação dos oficiais para servir como guardas de fronteira. Portanto, o versículo é traduzido como os portões das cidades, que significa, é claro, todas as suas cidades. Mas por que dizer os “portões” em vez das “cidades”? Na verdade, o uso da palavra portões é analisado por muitos comentários, alguns que interpretam a palavra “portões” como uma referência às portas pessoais dos orifícios do corpo humano os sete que são um conduíte para quatro dos cinco os sentidos, ou seja, duas orelhas, dois olhos, duas narinas e uma boca. Os nossos sábios (Shnei Luchos HaBris) explica que aqueles portões corporais de entrada precisam tanto de oficiais e juízes que estão constantemente em guarda para garantir que apenas a questão certa é absorvida. No entanto, eu gostaria de apresentar

Read More