Mário Moreno/ Fevereiro 8, 2018/ Artigos

Cinco revelações da luz

As cinco revelações de luz que Moshe recebeu em sua visão correspondem a cinco revelações divinas que tornaram-se potentes e manifestas no segredo da sarça ardente. Meditando sobre as cinco interpretações do símbolo sarça ardente revelam como Moses incorporada cinco almas de uma alma para redimir o povo judeu da escravidão no Egito.

Uma correspondência iluminante

Depois de matar um oficial egípcio, Moshe fugiu do Egito para escapar da ira do faraó. Com a idade de oitenta anos de idade, trabalhando como um pastor para seu sogro, Jetro, ele levou seu rebanho através do deserto e viu um arbusto em chamas brilhando ― o incrível é que não foi consumido. Quando Moshe se desviou de seu caminho para tomar um olhar mais atento, D-us falou com ele diretamente para fora de sua primeira visão profética.

A palavra “arbusto” (הַסְּנֶה) aparece cinco vezes em três versos consecutivos nesta conta da profecia de Moshe, no início do livro do êxodo. Esta aparência cinco vezes de uma palavra-chave em três versos consecutivos sugere um paralelo entre o conceito da sarça ardente e a palavra “luz” (אוֹר), que também aparece cinco vezes em três versos consecutivos no relato da criação que começa o livro de Gênesis (Gênesis 1:3-5; Ver Tikunei Zohar, Tikun 19). A luz foi a primeira entidade que criou o criador… e aqui, a primeira visão profética de Moshe também é uma revelação de luz sob a forma de um fogo inextinguível inexplicavelmente.

Além disso, a Torah, é uma unidade que contém cinco livros e é conhecida como “luz” (Megilá 16b).

Uma maneira de interpretar essa correspondência é em alusão dos sábios ensinamentos que D-us escondera a luz original da criação e msotrou-a para os indivíduos justos em cada geração. Assim, Moshe, como um indivíduo justo em sua geração, teve o privilégio de experimentar as cinco luzes da criação que correspondem as cinco vezes que a palavra “arbusto” (הַסְּנֶה) aparece em sua visão profética.

Além de sua aparência cinco vezes em uma seção de Torah, um atributo exclusivo do tipo de arbusto com espinho que Moshe viu em sua visão é que tinha cinco folhas emergentes de uma fonte comum.

Cinco almas, cinco Sefirot

Os sábios ensinam-nos que três folhas do arbusto myrtle representam as almas dos três patriarcas, Abraão, Isaque e Jacó, as almas arquetípicas cujo mérito que tinham ficou para o povo judeu até Moshe receber sua visão. As cinco folhas do arbusto espinho que Moshe viu revelado preparou-o para o fato de que o povo judeu se redimiria em mérito e almas de dois adicionais do seu irmão Aarão.

É claro que os sábios aqui aludem ao fato de que o número cinco está intimamente relacionado ao segredo do êxodo do Egito.

Na Cabala, os três patriarcas juntamente com Moshe e Arão correspondem às cinco emoções primárias do coração como aparecem no nosso serviço do divino: o amor de D-us; de pé no temor de D-us; compaixão pelos outros; além da confiança no poder de D-us para nos ajudar a ter sucesso. O quinto atributo do coração é a sinceridade, que se aplica a perseverar em nosso serviço com devotada dedicação e simplicidade, sempre reconhecendo a presença de D-us em todas as vias de nossas vidas.

O símbolo de cinco folhas emanam de uma única fonte, ensinada a Moshe que ele precisaria para incorporar os atributos de cada uma das cinco almas na sua um alma para redimir o povo judeu do Egito.

Cinco interpretações

Assim como a palavra “arbusto” (הַסְּנֶה) aparece cinco vezes, para que haja um espectro completo das cinco principais interpretações que o Midrash (ibid.) oferece para explicar a visão de Moshe da sarça ardente.

  • A primeira interpretação é que o arbusto representa toda a realidade, e o fogo representa a revelação divina que tudo abrange. O Midrash explica que a razão por que D-us revelara a Moshe em um arbusto tão humilde era enfatizar o fato de que mesmo a menor das criações é uma revelação do divino. A terminologia paralela do Zohar é, “não há nenhum lugar que está vago dele” (Tikunei Zohar, Tikun 70).

Este ensino corresponde a bondade, o atributo associado com Abraão, a primeira alma que Moshe teve de incorporar em sua própria alma. Abraão foi a primeira pessoa que ensinou o verdadeiro monoteísmo ao mundo pelo ensino de que D-us é onipresente. Este ensino fundamental da onipresença desperta uma atração inerente a alma e o desejo de aproximar-se a D-us. Isso corresponde ao amor de D-us, a primeira das cinco potências emotivas da alma acima mencionados.

  • Na segunda interpretação, o arbusto representa o povo judeu sofrendo no exílio, enquanto o fogo representa a presença divina que sente a dor do exílio juntamente com eles. O conceito de dor e sofrimento deriva a segunda emanação do coração que é o temor. Nesse sentido, os sábios interpretam o símbolo da sarça ardente ser uma revelação do fato de que D-us participa em nossa dor e experiências conosco, como o versículo afirma, “Em todo o seu sofrimento, ele sofre” (Is 63:9), o conhecimento de que D-us está conosco no nosso sofrimento é a chave para nossa fé que ele eventualmente irá redimir-nos.

Essa ideia refere-se em particular ao nossa patriarca, Isaac, por cujo mérito nós eventualmente seremos resgatados do exílio (Shabat 89b).

  • A terceira revelação da sarça é o paradoxo de opostos coexistentes. O arbusto representa a natureza, enquanto o fato de que ele não é consumido pelo fogo representa os fenômenos sobrenaturais que milagrosamente coexistem dentro da natureza. Quando Moshe tornou-se ciente desse paradoxo, ele foi atraído para inspecioná-lo. Na verdade, o Midrash declara explicitamente que Moshe deu cinco passos para o arbusto, um fato que sustenta a conexão com o número cinco, acima referido.

Para algo ser considerado bonito, ele deve incluir dois ou mais atributos que se misturam harmoniosamente. Assim, para perceber que existe simultaneamente dois opostos é experimentar a beleza. Na alma, o atributo de beleza manifesta-se quando uma alma leva compaixão ativa na outra, fundindo-se com o outro indivíduo em harmonia empática.

Aqui, a curiosidade de Moses reflete, em particular, o atributo de Jacó, que de todos os três patriarcas havia um “cientista”. Jacó meditou sobre rebanho de Laban e experimentou com eles até que ele descobriu os segredos divinos que regiam a sua capacidade de se reproduzir. Este tipo de curiosidade divina para examinar e entender as maravilhas da natureza é uma forma de abordagem D-us que reflete a Sefirá de beleza.

  • O quarto dos cinco atributos é aquela que corresponde, em particular, a Moshe que está associado com a Sefirá de vitória, ou a eternidade (נֶצַח). A ideia de algo sendo consumido refere-se à lei da entropia, que reflecte a temporalidade. Neste caso, no entanto, Moshe viu que embora o arbusto estava em estado de combustão ativa, no entanto, ele não foi consumido.

Aqui, o fogo já não simboliza a divindade, mas é um símbolo do fogo profano de servidão do povo judeu no Egito, que naturalmente deve consumi-los, D-us me livre. De acordo com esta interpretação, foi a mensagem que a sarça ardente realizada para Moshe, “eu, D-us, não mudo, e vocês, os filhos de Jacó não tem sido consumidos” (Ml 3:6). A leitura literal deste versículo refere-se ao fato de que a tentativa de consumir o espírito judeu desta forma nunca teria êxito porque o povo judeu é eterno.

  • A interpretação quinta nos ensina que o tipo de arbusto que Moshe viu em sua visão era farpado com espinhos afiados. Ainda, como uma roseira, que também produz lindas flores com um aroma perfumado. A roseira simboliza o povo judeu, que têm grande tzadikim (pessoas justas), mas também tem o maior mau indivíduo, mais assim do que qualquer outra nação. Expondo o versículo, “E ele viu e eis que, estava o arbusto em chamas com fogo, mas o arbusto não foi consumido,” (Êx 3:2) o Zohar (Zohar 5, 274b.) revela que D-us mostrou a Moshe como os espinhos, que representam os poderes do mal, alimentou o fogo, mas o Ramos, as frutas e as folhas do arbusto não foram queimadas.

Rabino Shneur Zalman de Liadi, fundador do movimento Chabad, ensina que esta interpretação oferece uma introspecção mais profunda ao versículo acima referido, “eu, D-us, não mudo, e vocês, os filhos de Jacó não tem sido consumidos.” Ele afirmou (Likutei Torah, Shlach 45:3.) que o arbusto representa a alma judia, e o fogo representa a meditação sobre transcendência essencial de D-us, que está acima da realidade física que está constantemente mudando. Quando meditar sobre este pensamento e integrá-lo, esperamos que a alma seja ultrapassada pela experiência da imutabilidade de D-us, tanto assim que sai do corpo por completo. No entanto, isso resultaria na morte do corpo na terra, que é algo que D-us não quer que aconteça. Com efeito, a sarça ardente alude ao fato de que a alma nunca é consumida.

A alma judaica “corre” em sua aspiração de se tornar uma parte de D-us, mesmo ao ponto de sair do corpo, mas concomitantemente compromete-se a permanecer no Reino físico e tornar esta terra em um lugar de habitação para D-us. Este compromisso é o pré-requisito para a alma retornar à sua morada física. Ainda, elevando-se na sua meditação para o divino, a alma é realmente refinada pelo fogo, que consome cada espinho maligno que é anexado a ele.

Esta ideia reflete o serviço de Aharon, o sumo sacerdote no templo. Aharon foi a alma que se aproximou de D-us mais intimamente nos serviços do templo. Da mesma forma, é o serviço do kohanim (sacerdotes) no templo que, em última análise, facilita a habitação da presença divina em nosso mundo mundano, físico (as almas dos dois filhos de Arão, Nadav e Avihu, foram consumidas por este fogo quando eles voluntariamente entraram no templo para oferecer o incenso, contra a ordem de D-us.).

Desta forma, integrando os atributos de cinco almas que se manifestam nestes cinco interpretações da visão de Moshe, ele mereceu para redimir a nação judaica da escravidão egípcia.

Adaptação: Mário Moreno.