Mário Moreno/ Abril 2, 2018/ Pessach

Contagem do Omer

Sete semanas [shavuot] contarás; desde que a foice começar na seara começarás a contar as sete” (Dt 16:9).

Estamos atualmente em uma época muito especial que conduz à Shavuot (festa das semanas, também chamada de “Pentecostes”).

Após as festas nomeadas Pessach (Pessach) e Bikurim (primeiros frutos), que ocorreram no segundo dia da Pessach, entramos em um período chamado Sefirat HaOmer, ou contagem do Omer (feixe).

O que é o Omer e porque é contado?

“Depois para vós contareis desde o dia seguinte ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida: sete semanas inteiras serão [sábados]” (Lv 23:15).

Um Omer é uma unidade de medida que refere-se a feixes de cevada colhidos.

Nos tempos antigos, o povo judeu trouxe Ômer de cevada ao templo como oferenda no segundo dia da Pessach.

A Torah ordena ao povo judeu para contar sete semanas (49 dias) desde o tempo desta onda oferecendo até a noite do festival de Shavuot. Shavuot ocorre no quinquagésimo dia.

O número 50 é associado com o Ano do Jubileu e, portanto, representa a liberdade e a libertação (Levítico 25.10)— quando ia soar o shofar (trombeta) e todos os escravos seriam libertados e todas as dívidas seriam canceladas.

Desde que o número sete representa a totalidade, plenitude e conclusão, as sete semanas também são significativas.

Por exemplo, em seis dias D-us criou o universo, mas no sétimo dia, seu trabalho foi concluído e descansou.

A contagem do Omer, portanto — sete semanas de sete dias (49) —representa a expectativa da conclusão final, ou a idade de um universal “resto” — a vinda do Messias e a era messiânica.

Esta contagem liga Pessach, que comemora o êxodo, com Shavuot, que comemora a dádiva da Torah.

De acordo com a tradição judaica, os israelitas disseram quando deixaram Egito que iriam receber a Torah em sete semanas.

Cada dia era contado com expectativa.

A Contagem do Omer hoje lembra o povo judeu que sua redenção da escravidão no Egito não estava completa, até que eles receberam a Torah.

Da mesma forma, nós devemos estar contando os dias em antecipação à benção até que Ieshua retorne e estabeleça seu Reino de Justiça, paz e justiça na terra.

Hoje, estes 49 dias são contados em voz alta todas as noites após o anoitecer. Antes de contar uma bênção especial é recitada:

“Bem-aventurados, Senhor nosso D-us, governante do universo, que nos santificou com seus mandamentos e mandou-nos sobre a contagem do Omer.”

Exemplo: “Hoje é o 33° dia, que é de quatro semanas e cinco dias do Omer”.

Embora os judeus já não tragam sua oferta de Omer para o templo, a contagem do Omer ainda é observada como um tempo para refletir sobre a personagem de Shavuot, que, na tradição judaica, é considerado como o tempo da dadiva da Torah no Monte Sinai.

Contando as tradições de Omer

O Tom da contagem do Ômer habitualmente não é alegre, mas um de introspecção sombria.

Tradicionalmente, cada semana de contagem é dedicada a uma qualidade espiritual que desejamos atingir em maior medida da excelência:

Chesed ― Bondade, benevolência

Geburah ― Justiça, disciplina, força, contenção, temor

Tiphereth ― Harmonia, compaixão, equilíbrio, beleza

Netzach ― Resistência, coragem, ambição

Hod ― Humildade, esplendor

Yesod ― Fundação, proximidade (de D-us)

Malchut ― Nobreza, soberania, liderança

Lag BaÔmer

Sefirat Ha’Omer (contagem do Omer) é um período de semi luto e durante esse tempo observantes judeus não celebraam casamentos ou cortar o cabelo.

Estudiosos não estão na verdade certo as razões históricas para o luto.

O Talmude (lei oral) menciona uma praga durante o ciclo de vida de um grande sábio judeu, Rabi Akiva (50-135 D.C.), que pode ter matado 24.000 de seus alunos.

A praga da palavra, no entanto, pode também ter sido uma palavra-código para o desastre da rebelião fracassada de Simon bar Kokhba contra os romanos — uma tentativa que Rabi Akiva “apoiou”.

No entanto, durante este período de luto, um dia é isento de luto.

Então, no 33º dia da contagem, um feriado judeu menor é observado, o chamado Lag BaOmer.

A palavra Lag é composto por duas letras hebraicas – lamed (ל) e gimel (ג) – que correspondem aos números 30 e 3; Portanto, Lag BaOmer literalmente significa o 33º dia do Ômer.

Esta celebração especial entre os festivais de peregrino de Pessach e Shavuot (semanas/Pentecostes) não é uma festa bíblica. Foi instituído pelos sábios rabinos.

E porque o luto é tirado neste dia, em todo o mundo, casamentos, piqueniques, passeios festas e família estão ocorrendo.

Alguns hoje Israel visitam o túmulo do autor do livro místico do Zohar, Rabi Shimon bar Yochai, que está localizado no norte da cidade israelense de Meron, para comemorar a sua morte.

Bar Kokhba: Falso Messias

Não está claro por que celebramos este dia 33.

Alguns dizem que rabino bar Yochai revelou os segredos mais profundos da Torah para seus alunos antes de sua morte no dia 33° do Omer.

Outros sugerem que foi um dia, quando a peste cessou por um dia.

Ainda outros afirmam que foi um dia de vitória militar para Shimon bar Kokhba. Crianças, portanto, tradicionalmente vão aos parques para atirar arcos e flechas.

Uma das práticas mais conhecidas de Lag BaOmer é a iluminação através de fogueiras.

Crianças judias e adultos constroem-nas para comemorar as fogueiras iluminadas por soldados do Bar Kokhba após sua vitória sobre as tropas Romanas em 132 AD.

Por causa de suas vitórias em batalha, muitos pensaram que Bar Kokhba era o Messias prometido que iria livrar os judeus da opressão dos romanos.

Com a derrota final de Bar Kokhba, no entanto, as expectativas messiânicas dos judeus foram frustradas e muitas ficaram amargamente desapontados.

Ainda hoje, muitos judeus continuam à espera o Messias prometido, não sabendo que Ieshua Ha Mashiach é o que eles estão esperando, e que ele já veio para nos salvar — não inicialmente de opressão política, mas da opressão espiritual do inimigo de nossas almas.

O Omer e o Ruach Ha Codesh (Espírito o Santo)

À medida que continuamos a contar o Omer, nos aproximamos para o fim deste período de 49 dias que culmina no 50º dia, Chag HaShavuot (Festa das semanas). (Êxodo 34)

Porque este feriado ocorreu no 50º dia após a Pessach, os judeus helenistas chamaram de “Pentecostes”, de “pente”, ou seja, 50 em grego.

No 50º dia, uma nova oferta de grão está para ser apresentado ao Senhor e uma Assembleia sagrada realizada para celebrar a festa de Shavuot (semanas/Pentecostes).

“Depois para vós contareis desde o dia seguinte ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida: sete semanas inteiras serão. Até ao dia seguinte ao sétimo sábado, contareis cinquenta dias: então oferecereis nova oferta de manjares ao IHVH” (Lv 23:15-16).

Esses 50 dias nos lembram que 50 dias depois de D-us, fisicamente, libertou os israelitas da escravidão no Egito, Ele espiritualmente as libertou da idolatria e imoralidade, dando-lhes a Torah no Monte Sinai.

O significado da festa, no entanto, não terminou no Monte Sinai.

Contagem do Omer aponta os 50 dias desde o dia em que Ieshua nos libertou do pecado com seu sangue para o dia em que ele mandou o prometido Ruach Ha Codesh (Espírito o Santo) para preencher os apóstolos e outros que esperavam em Jerusalém (At 2:1–31).

“E cumprindo-se o dia de Shavuot, estavam todos reunidos no mesmo lugar; e, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, que se pôs sobre cada um deles. E todos foram cheios do espírito santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o espírito santo lhes concedia que falassem” (At 2:1–4).

Receber o Ruach Ha Codesh (Espírito o Santo) é o nosso selo de liberdade para sempre:

“Ieshua respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do espírito não pode entrar no poder soberano de Elohim” (Jo 3:5).

Durante este período da contagem do Ômer, somos lembrados que nós devemos esperar ansiosamente o dia em que Ieshua retornará.

Também devemos agradecer que ele veio para libertar os cativos do pecado, para cancelar todas as nossas dívidas, e que ele enviou seu Espírito para selar-nos com sua promessa de vida eterna.

A grande maioria do povo judeu, no entanto, não reconheceu que Ieshua é o Messias que tem proporcionado um caminho para a liberdade espiritual, ou que seu retorno está cada vez mais perto.

“Porque eis que o IHVH sai do seu lugar, e descerá, e andará sobre as alturas da terra” (Mq 1:3).

Tradução: Mário Moreno.