Mário Moreno/ Abril 6, 2018/ Artigos

Doença e a presença divina

D-us apareceu-lhe nas planícies de Manre, e ele estava sentado na entrada da barraca quando o dia estava quente. (Bereishis 18:1)

Visitar os doentes não é ver o melhor de onde a vida está. Mesmo estar em torno de alguém com algo tão menor como um resfriado comum pode ser deprimente. Sentem-se para baixo assim que fazem outros em torno deles sentirem-se para baixo, e nervosos sobre a travagem de um frio demasiado. Visitar e cuidar do mal é uma obrigação e coisa simplesmente agradável de fazer, mas poucos optam por fazê-lo por escolha.

Além do aspecto Mitzvah dele, há outro lado positivo. Uma pessoa feliz é um apreciativo, e a saúde é algo que muitos povos buscam para terem consigo. Pelo menos visitar o doente permite que uma pessoa possa melhor apreciar a sua saúde sem ter que ficar doente em si mesma.

No entanto, Bikur cholim — visitar os enfermos — não é uma dessas atividades na vida que as pessoas anseiam. Mas talvez elas deveriam. Pode não ser onde o melhor da vida está, mas é onde a Shechinah está:

D-us apareceu para ele: visitar os enfermos. Rebi Chama bar Chanina disse: “foi o terceiro dia de sua circuncisão, e o Santo, bendito é ele, veio e perguntou sobre o seu bem-estar.” (Rashi)

Você não pode ter muito mais vida do que isso.

O Talmude explica:

Aquele que entra [uma casa] para visitar o doente não pode sentar-se nem em cima da cama nem em um assento, mas deve embrulhar-se e sentar-se na frente dele, pois a presença divina está acima de um travesseiro do doente… (Shabat 12B)

Isto é interessante por um número de razões, e instrutivo também. A doença é geralmente considerada uma punição, uma forma de rejeição divina. Verdade, o Talmud diz que um resfriado é algo que uma pessoa pode causar a ele – ou a si mesma, mas certamente mais doenças graves vem diretamente de D-us. Se D-us afligir uma pessoa, por que ele então apoiá-as?

Em segundo lugar, não é fácil ganhar o direito de ter a presença divina habitar numa pessoa. As pessoas costumavam viajar por milhas para ir para ao Bais HaMikdosh apenas para experimentar a Shechinah, e que foi apenas durante o primeiro período do templo. A presença divina não residiu no segundo templo da mesma maneira.

Claro que estamos falando de dois tipos diferentes de experiência. O templo era um lugar espiritualmente excitante para se estar. Milagres ocorreram lá regularmente. Atividades interessantes ocorreram a cada hora. A santidade sentida ali era incomparável. Os povos olharam para a frente a tinham uma visita do Bais HaMikdosh. No mínimo, era fascinante.

Este não é o caso quando visitar os doentes. No mínimo, visitar os doentes é estar sóbrio. Faz-nos lembrar a nossa vulnerabilidade física inata da nossa mortalidade. Não é fascinante, pelo menos não de uma forma otimista. Faz-nos recordar que a vida não é todo o divertimento e jogos, ou mesmo perto disso.

Um médico, quando perguntado por seu paciente, “por que eu estou doente?”, respondeu: “não me pergunte por que você está doente! Pergunte-me porque você não está doente mais frequentemente, ou mesmo todo o tempo! Há um milhão de coisas que podem dar errado com um corpo em qualquer momento, e o fato de que mesmo alguns deles não adoecem, é nada menos do que um dom surpreendente e milagre!

Talvez este seja o aspecto mais importante de visitar os doentes, além de ajudar a pessoa que não está bem. Recorda-nos que a vida é um milagre enorme, que nós confundimos para ser “natural” por causa da consistência da boa saúde.

Se uma pessoa passa a precisar de um espaço de estacionamento assim como alguém tira para fora seu carro, é Hashgochah Pratis – providência divina. Verdade, as pessoas saem de lugares de estacionamento todo o tempo em todo o mundo. O fato de que alguém fez apenas a tempo para alguém para entrar, especialmente em um estacionamento cheio, é providência divina. Certamente não é coincidência.

Um ataque cardíaco acontece porque algo “natural” não ocorreu, como é suposto “naturalmente” fazer. Uma dor de cabeça acontece porque algo no corpo não está fazendo seu trabalho bem o suficiente. Quantas pessoas saltam para fora da cama no meio da noite com dor extrema, por causa de uma cãibra que só aconteceu para entrar na sua perna? Mesmo um coração não bate da mesma maneira cada minuto.

O fato de que nossos corpos funcionam tão harmoniosamente como eles fazem é um tremendo Neis – Milagre. O fato de que eles fazem tão consistentemente como eles fazem por tantos anos é um Neis ainda maior. O fato de que eles podem assim com outros corpos fazendo o mesmo só amplifica o milagre, especialmente tendo em conta o quanto nossos corpos têm de se adaptar às condições circundantes que poderiam facilmente matar uma pessoa.

O sistema imunológico em si deve ser suficiente para fazer uma pessoa acreditar em D-us. Ele está em guerra com todos os elementos perigosos do mundo exterior 24/7. Na maior parte do tempo, ele luta tão “silenciosamente” que nós esquecemos que ainda temos um sistema imunológico. É só uma vez que uma pessoa fica doente e se sente “atropelado” que eles percebem que eles devem cuidar melhor de si mesmos e fortalecer o seu sistema imunológico.

Se alguém se torna doente terminal, D-us não permita, então torna-se claro como a boa saúde milagrosa realmente é. É incrível que D-us fez o sistema imunológico flexível o suficiente que o homem pode trabalhar com ele, cuidar dele, e até mesmo compensar para ele o que está faltando. Mas os limites permanecem para nos lembrar de quem realmente controla a nossa saúde, e apenas o quanto de um milagre que realmente é.

É por isso que visitar os doentes é um abridor de olhos. Podemos estar visitando alguém doente, mas também estamos “visitando” nossa própria existência milagrosa. Ao tirar um tempo da vida “saudável” para entrar no mundo da vida “insalubre”, uma pessoa coloca D-us de volta em sua imagem de saúde, de volta à sua vida. Eles são re-sensibilizados para a realidade de D-us, e isso resulta na realidade da Shechinah em sua vida. Ele estava sempre lá. Na presença de doenças, eles vêm para vê-lo.

Assim, embora D-us foi visitar Avraham Avinu como um gesto de amor e apreço, especialmente por ter realizado Bris Milah, foi realmente mais do que isso. Em certo sentido, D-us não tinha que vir e “visitar” Avraham Avinu tornou-se ele estava sempre lá com ele. Mas, fisicamente incapacitado, Avraham apreciou ainda mais o dom da vida e boa saúde. Serviu para intensificar a sua visão de D-us, e para aproximá-lo de seu criador.

tradução: Mário Moreno.