Mário Moreno/ Abril 9, 2018/ Artigos

Esperança

Estas são as contas do Mishkan, o Mishkan do testemunho… (Shemos 38:21)

Rebi Akiva e seus colegas já estavam andando dentro de eyeshot do templo, quando viram uma raposa emergir do lugar do Kodesh Kodashim, o Santo dos Santos. Os colegas choraram. Rebi Akiva riu, então eles perguntaram-lhe:

“Por que você ri?”

Ele perguntou: “Por que você chora?”

Eles responderam-lhe: “um lugar sobre o qual ele diz,” e o estranho que se aproxima deve ser posto à morte” (Bamidbar 1:51), tornou-se agora o lugar das raposas e não devemos chorar?”

Ele respondeu-lhes: “é por isso que eu rio! Está escrito, ‘e eu vou chamar para testemunhar para mim mesmo testemunhas confiáveis, Uriah o sacerdote e Zacarias o filho de Yeverechyahu” (Yeshayahu 8:2). Que relevância tem o sacerdote Uriah para Zacarias? Uriah viveu durante o primeiro templo, enquanto Zacarias viveu durante o segundo templo! Em vez disso, o versículo faz a profecia de Zacarias dependente da profecia de Uriah. A profecia de Uriah diz, ‘portanto Tzion, por sua causa será lavrada como um campo, etc.’ (Michah 3:12), mas Zacarias diz, ‘assim disse o IHVH dos anfitriões: os homens velhos e as mulheres devem ainda sentar-se nas ruas de Jerusalém, cada homem com sua bengala na mão por causa da velhice’ (Zc 8:4). Enquanto a profecia de Uriah ainda não tivesse sido cumprida, eu temia que a profecia de Zacarias não pudesse ser cumprida. Mas agora que a profecia de Uriah foi cumprida, estou certo de que a profecia de Zacarias também será cumprida” (Makkos 24B).

O que Rebi Akiva disse aos seus colegas foi que o sinal “mau” que os perturbou – uma raposa deixando o Kodesh Kodashim – era realmente um “bom” sinal – que o templo será um dia ser reconstruído – que levantou seus espíritos. Eles aceitaram sua interpretação, e mudou sua perspectiva:

Disseram-lhe: “Akiva, você nos consolou! Akiva, você nos confortou!

A questão é, como? A profecia de Uriah sobre a raposa que deixou o Kodesh Kodashim previu o rescaldo da destruição do primeiro templo. A profecia de Zacarias falou de sua reconstrução, isto é, do segundo templo. O único problema é que enquanto Rebi Akiva consolava seus amigos, eles ficaram perto das ruínas do próprio templo da profecia de Zacarias! Sim, a profecia de Zacarias tinha sido cumprida, mas também tinha sido desfeita pelos romanos, que destruíram o segundo templo em 70 d.c.! Que conforto havia nisso?

A resposta não é óbvia, mas definitivamente perspicaz. Para entendê-la, é preciso voltar no tempo, logo após a destruição do primeiro templo.

As destruições do primeiro e segundo templos não nos impedem porque, vivendo muito tempo depois e desde o testemunho da sobrevivência e reconstrução do povo judeu, temos esperança para um terceiro e último templo. Nós testemunhamos mesmo um holocausto, e como o povo Judeu poderia sobreviver a destruição tão devastadora e ir sobre retornar a sua terra natal e reconstruir uma presença. A destruição e a recuperação tornaram-se parte da consciência nacional.

Este não tinha sido o caso após a destruição do primeiro templo. Até então, o povo judeu ainda não tinha experimentado a recuperação da destruição catastrófica. Eles não tinham vindo a saber como D-us poderia virar as costas para eles tão totalmente, e ainda assim eles poderiam continuar a ser seu povo:

Assim diz D-us: “onde está a conta de divórcio de sua mãe, com a qual eu a guardei? Ou a qual dos meus credores eu te vendi? (Yeshayahu 50:1)

O profeta disse isso porque o povo judeu havia se confundido. Eles tinham pensado que a destruição da casa de D-us, que deveria ter sido impossível, e seu subsequente exílio à Babilônia significava que D-us tinha se divorciado de seu povo. Se a aliança tivesse terminado e a situação fosse desesperada, eles pensaram que não eram mais obrigados em mitzvos. Eles tinham empurrado D-us muito longe, além do ponto sem retorno.

Yeshayahu foi enviado para os esclarecer. Sim, a casa de D-us tinha sido destruída. Sim, eles tinham sido exilados para uma terra estrangeira para viver sob um governante severo. Sim, seria algum tempo antes que eles veriam sua terra amada mais uma vez. Mas, não foi o divórcio, apenas a separação. A Aliança não tinha terminado, e a situação não era desesperada.

Seria preciso se acostumar no início, mas em 52 anos, uma vez que Koresh se tornou o rei da Pérsia, eles testemunhariam as agitações da redenção. Em 370 d.c., eles seriam autorizados a retornar a Eretz Yisroel e começar a reconstruir o primeiro templo destruído. Não seria terminado até o tempo de Herodes, centenas de anos mais tarde, mas era um gosto da redenção não obstante. Há vida para o povo judeu após a destruição devastadora e exílio longo e difícil.

Este foi o conforto que Rebi Akiva deu aos seus colegas de luto. Ele disse-lhes que, assim como a profecia de Zacarias sobre o segundo templo se realizou após a destruição do primeiro, do mesmo modo, o segundo templo seria reconstruído como o terceiro e último templo.

A situação desesperada do judaísmo babilônico, Rebi Akiva lembrou-lhes, foi entregue, começando com Koresh e terminando com Mordechai e Esther. Nossa situação também passará de desespero a esperança. Esse é o padrão. Nós só temos que manter nossa emunah e esperar, e ter conforto nesse fato da história judaica.

Na verdade, o Talmud nos diz que é um fato histórico porque D-us sempre cria o “remédio” antes da “doença”. A destruição de qualquer coisa judaica não pode ocorrer até que a recuperação seja desencadeada. Pode não ser claro no momento, e geralmente não é, mas é uma regra imutável na história judaica.

Este, finalmente, foi o conforto de Rebi Akiva para aqueles que testemunham qualquer destruição judaica, pessoal ou nacional. Ele estava nos ensinando como olhar para a destruição e ver as sementes da redenção, assim como D-us disse a Moshe Rabbeinu para fazer quando ele se queixou sobre o aumento da escravidão do povo judeu no Egito. É o que as pessoas significam quando dizem que o estado de Israel foi fundado nas cinzas do Holocausto.

Na verdade, o Gr”a diz, quando o povo judeu é indigno de uma redenção milagrosa, ela sempre vem através do sofrimento no início. E, o sofrimento será o pior pouco antes da redenção, assim como a noite é a mais escura antes do amanhecer. Foi assim no Egito em 1312 a.c., bem como na época do Holocausto em 1942.

Portanto, quando a Torah diz:

Estas são as contas do Mishkan, o Mishkan do testemunho… (Shemos 38:21)

e Rashi explica:

A palavra “Mishkan” é mencionada aqui duas vezes em alusão ao templo que foi tomada como uma promessa – mashkon – sendo destruído duas vezes por causa dos pecados do povo judeu (Midrash Tanchuma, Pekuday 5).

Um judeu tem que saber e perceber que, mesmo quando os templos ainda não foram construídos, e sua destruição está sendo profetizada, há esperança, esperança de redenção.

Na verdade, a destruição prevista é a esperança, criado muito antes da “doença” tem mesmo a chance de fazer o seu dano. A Torah está nos dizendo que, tendo a oportunidade de construir um templo, nós mesmos teremos ajudado a criar nossa futura “cura” para a nossa futura “doença”. Algo existirá no mundo que irá contrabalançar o povo judeu, e será destruído em vez disso por causa de seus pecados. Desta forma, a nação judaica será capaz de continuar, mesmo que seus templos não.

“Akiva, você nos consolou! Akiva, você nos confortou!

Tradução: Mário Moreno.