Mário Moreno/ Fevereiro 9, 2018/ Artigos

Feriado de PURIM

No dia 13 de Adar vamos comemorar um dos feriados mais alegres e divertidas sobre o calendário judaico— Purim.

Este dia festivo comemora a vitória de D-us e a libertação do povo judeu de seus inimigos na Pérsia antiga.

“Este [vitória] aconteceu no décimo terceiro dia do mês de Adar, e no século XIV descansaram e fez um dia de festa e alegria.” (Et 9:17).

Antes da festa de Purim, jejuamos.

Taanit Esther (o jejum de Ester) é realizado em honra dos três dias da rainha Esther jejuou antes suplicando ao rei para poupar a vida do seu povo. Ela disse que a primo que a adotou como pai, Mordecai:

Vá, reunir todos os judeus que estão em Shushan e rápido para mim. Não comer ou beber por três dias, de dia ou de noite. Eu e meus atendentes vou rápido como você faz. Quando isso for feito, irei ao rei, mesmo que seja contra a lei. E se eu morro, eu morro(Et 4:16).

Tradicionalmente este jejum cai sobre o 13 de Adar, o dia antes de Purim, que foi o dia que Haman reservou para a destruição do povo judeu.

O jejum de hoje começa uma hora antes do nascer do sol e termina ao anoitecer. Porque este jejum está dentre os quatro jejuns públicos chamados pelos profetas, sua observância é mais branda. As mulheres que estão grávidas ou amamentando, bem como os fracos, não são necessários observá-lo plenamente.

O jejum de alegria

Enquanto a maioria dos jejuns têm um elemento de luto, este jejum (tzom) é uma alegria. Ele afirma que a força de Israel não se encontra em seu poderio militar, mas no Senhor. Nossa vitória vem de mantermos nossos olhos no Senhor através da oração e pela misericórdia divina de D-us.

‘Não por força nem por poder, mas pelo meu espírito’, diz o IHVH Todo-Poderoso(Zc 4:6).

Embora o povo judeu pege em armas e lute contra seus inimigos, a vitória foi apenas possível porque as pessoas corajosas oraram antes de agir.

Rabino Shraga Simmons que escreve Ta’anit Esther não é um jejum envolvendo tristeza (como é a comemoração da destruição do templo em Tishá B’Av ou no Iom Kippur, quando nós nos arrependemos de nossos pecados do ano anterior) mas uma das “elevação e inspiração”.

Ele compara com a liminar da Torah que os soldados devem jejuar no dia antes da batalha, assim, reconhecendo que a vitória não vem através de nossa própria força, mas de D-us (Aish).

Purim: Um dia de folia

Celebrai anualmente… observai os dias como dias de festa e alegria e dê presentes de comida e presentes aos pobres(Et 9:21-22).

O livro de Ester descreve como um tempo de “Purim”: “luz, alegria, alegria e honra para o povo judeu(Et 8:16).

Uma forma indispensável de espalhar alegria de Purim é a doação de cestas de Purim cheia de guloseimas deliciosas para família e amigos, bem como presentes aos pobres.

Purim é tal uma celebração festiva que está marcada por vestir trajes, deleitando-se em elaboradas refeições e a leitura do Manuscrito de Esther (Meguilat Ester).

Quando ouvimos a história de Purim lida na sinagoga, vamos bater palmas ou gritar ao ouvir o odiado nome de Haman, sempre que é mencionado durante a leitura. Com igual entusiasmo, vibramos quando é falado o nome Mordecai.

Este é um lembrete de que, ao longo da história, tem havido Hamans que tentaram acabar com a nação judaica como um povo, mas em cada geração, D-us tem nos protegido da destruição completa.

Outro costume praticado por alguns para apagar o nome de Haman é beber até que não somos capazes de discernir entre “amaldiçoado é Haman” e “abençoado é Mordechai”.

Este é um momento do ano em que ficar bêbado pode ser aceitável no judaísmo.

Talvez os rabinos encorajaram tal comportamento, porque se trata de ser uma festa, em que recordamos como D-us protegeu seu povo da aniquilação total nas mãos de um adversário mal.

Uma razão mais convincente, porém, que pode ser D-us instalou uma rainha judia em um trono persa como resultado de beber excessivo.

Claro, a Brit Chadashah incentiva os crentes para não beber excessivamente: “e não vos embriagueis com vinho, em que há dissipação, mas ser cheios do espírito, falando uns aos outros em Salmos e hinos e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor, com seu coração(Ef 5:18-19).

O livro de Ester, no entanto, começa com um beber sancionado pelo rei persa.

A história de Purim

Por ordem do rei, que cada convidado foi permitido beber sem restrições, pois o rei instruiu todos os mordomos para servir vinhos a cada homem o que ele desejava(Et 1:8).

No livro de Ester, o rei Ahasuerus da Pérsia, que provavelmente pode ser identificado como Xerxes I que reinou durante o século v A.C., faz uma festa que dura 180 dias.

Depois de meses de excesso, celebrando com seu exército, funcionários do governo e o povo de Shushan, ele ordena a sua rainha, Vasti, a comparecer perante os convidados, para que ele possa mostrar sua beleza.

Vasti se recusa, então Assuero a bane (executa, de acordo com os relatos tradicionais judaicos) com a insistência de sete nobres da Pérsia, que são a preocupação de que as mulheres seguiriam o exemplo dela.

Em seguida, quando o decreto proclama-se ao longo de todo seu vasto reino, todas as mulheres respeitarão seus maridos, desde a menor para o maior(Et 1:20).

Para substituir a rainha, o rei ordena uma espécie de concurso de beleza, apresentando as mais belas moças do seu reino.

Uma dessas foi a órfã judia Esther, que está sendo ciuidada por seu primo Mardoqueu, um benjamita “que tinha sido levado para o exílio de Jerusalém por Nabucodonosor rei da Babilônia, entre aqueles levados cativos com Jeconias, rei de Judá(Et 2:6).

Cada uma das mulheres completa 12 meses de tratamentos de beleza e come comida especial antes de eles serem levadas ao rei.

Esther, que não tinha revelado sua identidade como um judia, é favorecida por ele.

Então ele defina uma coroa real na cabeça dela e fazer de uma rainha em vez de Vashti. E o rei deu um grande banquete, o banquete da Esther, para todos os seus nobres e oficiais. Ele proclamou um feriado ao longo das províncias presentes distribuídos com a liberalidade real(Et 2:17-18).

Enquanto Esther está servindo como rainha, Mardoqueu descobre uma conspiração para matar Assuero, salvando a vida do rei.

Ainda, esta lealdade não ganha o favor com o ministro-chefe do rei, Haman, que é nomeado após o evento.

Mordecai, que senta-se diariamente no portão do palácio, se recusa a curvar a Haman.

Em retaliação, Haman planeja de sua morte, bem como a morte de todos os judeus que viviam no Império.

Com a permissão do rei, ele tira sortes (purim) para determinar a melhor data realizar o massacre. Ela cai no 13 de Adar.

A audiência da trama, Mordecai instrui Esther, através do eunuco do rei, para aproximar-se o rei a fim de interceder a ele em nome de seu povo.

Na sua resposta a ele, ela lembra a Mordecai que entrar na corte interna sem terem sido convocados pelo Rei iria resultar na morte dela.

O argumento de Mordecai com ela, “Não consigo imaginar que no palácio do rei pode escapar nada mais do que todos os judeus. Para se permanecer em silêncio, neste momento, socorro e livramento surgirão para os judeus de outro lugar e você e a casa de seu pai irão perecer. E quem sabe se você não ter atingido a realeza para um momento como este?(Et 4:13–14).

Esther percebe a sabedoria nas palavras do seu primo e chama para um jejum de três dias dizendo: “Eu irei ao rei, que não está de acordo com a lei; e se eu morro, eu morro(Et 4:16) — que equivale a dizer,”A vontade de D-us será feita”.

Com muito unidade a oração, portanto, Esther aproxima-se do rei e revela os planos de Hamã para destruir seu povo.

Percebendo que seria morta mesmo Esther, Assuero traz sobre Haman o mesmo castigo que Haman projetado para Mordecai.

O rei também permite aos judeus se defenderem contra o édito mal, resultando na morte de 75.000 inimigos em 13 de Adar, além de 800 mortes na Cidadela do rei de Shushan no dia 13 e 14 (Et 9:6, 15-16).

Onde estava D-us?

Muito tem sido feito do fato de que o nome de D-us não é mencionado no livro de Ester.

Muitos dizem que isso foi intencional para nos ensinar que o que pode parecer ser eventos aleatórios, tais como as dez pragas no Egito, na verdade não são.

Mesmo quando D-us parece estr “escondido”, ele ainda está no controle. Nada acontece por acaso.

Os rabinos mesmo vincular este aparente ocultamento de D-us ao nome de Esther, como em “Eu certamente irei esconder [as-tir] Meu rosto naquele dia…(Dt 31:18).

Essa ideia de ocultamento em Esther, incluindo sua identidade oculta como um judeu, explica por que fantasias e máscaras são usadas por crianças e adultos em Purim. A mensagem de tais máscaras é que, embora D-us possa estar escondido, ele está lá.

Purim e Hamans nos modernos dias

Purim lembra-nos que um “Haman” pretende destruir Israel surge em cada geração.

Para encontrar nosso Haman hoje, nós precisamos procurar mais na moderna Pérsia — Irã — onde os dirigentes defendem abertamente a destruição de Israel. Também, dezenas de milhares de Hezbollah e o Hamas “freedom fighters” cercam Israel prontos para realizar a ruína de Israel.

Se Haman é o líder supremo aiatolá Ali Khamenei do Irã ou de Hitler da Alemanha, que orquestrou o Holocausto, a Bíblia claramente afirma que aqueles que amaldiçoam Israel estão fadadas à destruição e os que abençoarem a Israel serão para sempre abençoados (Gn 12:3).

A verdadeira mensagem de Purim é que D-us não quebra suas promessas ao povo judeu. Eles irão sobreviver e prosperar na pátria em que Ele está trazendo eles de volta nestes tempos do fim tumultuado.

Mesmo no que pode parecer ser eventos aleatórios, hoje, a presença de D-us é constante e a mão dele é evidente.

Ele te trará à terra que pertencia aos seus antepassados, e você tomará posse dela. Ele vai fazer você mais próspero e numerosos do que os seus antepassados(Dt 30:5).

Como Esther, há vezes que D-us está nos chamando para agir em seu nome para com o povo judeu.

Nós sobrenaturalmente não podemos ouvir uma voz dos céus ordenando-nos a fazer isto ou aquilo; em vez disso, ele pode falar conosco através de um membro da família confiável, líder espiritual ou amigo.

Mais frequentemente, no entanto, nós vamos entender sua vontade através da leitura da palavra de D-us.

Por exemplo, em Marcos 16:15, Ieshua disse seus Talmidim (discípulos), “Ide por todo o mundo e pregai as boas novas a toda a criatura“; e em Is 58:10, lemos: “Você deve ativamente ajudar os famintos e alimentar os oprimidos.”

A palavra de D-us está viva e ativa e pronta para seguir hoje.

Assim diz o IHVH, aquele que te criou, Ó Jacó, aquele que formou você, Ó Israel:”não temas, porque eu tenha resgatado você; chamei-te pelo nome, és meu(Is 43:1).

Mário Moreno – Adaptado.