Fonte de água secreta

Mário Moreno/ outubro 10, 2017/ Artigos

Fonte de água secreta

Fonte de água secreta da cidade de David que dá a vida

“Eu escolhi Jerusalém para meu nome estar lá, e eu escolhi David para governar o meu povo de Israel” (II Cr 6:6).

Como D-us escolheu a Santa cidade, Jerusalém, ela tem sido o coração do povo judeu durante milhares de anos.

Como uma das mais antigas cidades continuamente habitadas do mundo, Jerusalém também tem sido irresistível para os arqueólogos.

“Desde que, no meio do século XIX, escavações arqueológicas foram iniciadas em e ao redor da cidade velha, sempre aumentando em escopo e melhorando os métodos científicos. Camada sobre camada de eras passadas foram descobertas, sendo a história e também revelando segredos” diz o Ministério dos negócios estrangeiros de Israel.

Antes do final do século XIX, o foco da arqueologia foi caça de antiguidades ao tesouro e pequenos objetos.

Em direção a virada do século XX, o foco transformou-se em um desejo de descobrir a cultura e os costumes daqueles que viveram antes de nós.

Talvez algumas das mais excitantes descobertas arqueológicas na área de Jerusalém nos últimos tempos envolvem Giom. Suas águas são referidas em várias histórias da Bíblia.

Em I Reis 1, por exemplo, Giom é mencionado em relação a Salomão ser ungido como rei.

“E o rei lhes disse: Tomai convosco os servos de vosso senhor, e fazei subir a meu filho Salomão na mula que é minha; e fazei-o descer, a Giom” (I Rs 1:33).

O poço de água e a cidade de David

“E partiu o rei com os seus homens a Jerusalém, contra os jebuseus que habitavam naquela terra e que falaram a David, dizendo: Não entrarás aqui, a menos que lances fora os cegos e os coxos; querendo dizer: Não entrará David aqui. Porém David tomou a fortaleza de Sião: esta é a cidade de David” (II Sm 5:6-7).

Nos tempos antigos, o rei David escolheu Jerusalém como capital. Para capturar a cidade, ele explorou a única coisa que permitiu que a cidade existisse em primeiro lugar— a fonte de Giom.

Quando ele se aproximou de Jerusalém com seu batalhão, intenção de conquistá-lo, o rei jebuseu presunçosamente disse David, “a menos que lances fora os cegos e os coxos” (II Sm 5:6).

Talvez o provérbio “o orgulho precede a ruína e a altivez do espírito precede a queda“, que foi escrito pelo filho de David Salomão (Pv 16:18), era um subproduto desta situação, desde que o orgulho dos jebuseus prececdeu de fato sua queda.

David tomou a cidade, acessando os túneis escuros como breu, estreitos corredores dos canais de água subterrânea, onde a fonte de Giom fluiu, e conquistou a cidade de dentro (II Sm 5:8).

Joabe pode ter sido o campeão que escalou um eixo vertical e abriu as portas da cidade, então ele se tornou comandante-chefe durante essa operação militar.

“Porque disse David: Qualquer que primeiro ferir os jebuseus será chefe e maioral. Então Joabe, filho de Zeruia, subiu primeiro a ela; pelo que foi feito chefe” (I Cr 11:6).

Arqueologia na cidade de David

“Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Elohim, o santuário das moradas do Altíssimo” (Sl 46:4).

Além de ajudar David conquistar Jerusalém (a cidade de David), que situa-se perto do árido deserto da Judeia, a fonte de Giom foi a sua fonte principal de água. Esta tem uma entrada que fica fora das muralhas da cidade na margem oeste do vale do Cédron.

Três principais dutos de sistemas de águas trouxeram água da nascente para a cidade:

  • A idade do Bronze da canaleta que levou até a Piscina de Siloé;
  • Um eixo de íngreme túnel chamado eixo de Warren, que vai de dentro da cidade velha, e
  • Um túnel sinuoso (túnel de Ezequias) que foi escavado na rocha e levou até a piscina de Siloé.

Em 1997, trabalhadores da construção civil a construção de um local no centro para a cidade de David descobriu antigas fortificações ao redor de Giom.

Eles expuseram porções de uma grande torre quadrada que foi construída para proteger esta fonte de água preciosa durante o reinado do rei Melchizedek sobre Salem (Gn 14:18), mais tarde conhecido como Jerusalém.

Alguns historiadores especulam que o rei David realmente tomou Jerusalém capturando as torres que protegiam da água da Giom, enquanto outros acreditam que os soldados entraram na cidade através de um túnel subterrâneo.

No início do século XX, o túnel de Shiloach (Siloé), que foi cortado no leito na base da torre, foi descoberto.

A água do canal pode ter sido importante para a agricultura.

Aberturas de corte ao longo de um amplo leque em fortificações orientais são pensadas para ter irrigado os campos do vale do Cédron.

Talvez, eles também, eventualmente, regaram os muitos jardins que foram a inspiração para o poema de Salomão, Cântico dos cânticos.

“O meu amado desceu ao seu jardim, aos canteiros de bálsamo, para se alimentar nos jardins e para colher os lírios” (Ct 6:2).

Fonte de Giom e a piscina de Siloé

“E a porta da fonte reparou-a Salum, filho de Colhoze, maioral do distrito de Mizpá: este a edificou, e a cobriu, e lhe levantou as portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos, como também o muro do viveiro de Sela, ao pé do jardim do rei, mesmo até aos degraus que descem da cidade de David” (Ne 3:15).

O nome Giom é derivado do verbo gayach, que significa “torrente” ou “rebentar”.

O nome reflete o fluxo da Primavera, que continua até hoje como um fluxo instável, surgindo, às vezes, dependendo da época e a quantidade de chuva.

Águas subterrâneas se acumulam na primavera através de uma caverna subterrânea. Sempre que caverna enche, ele esvazia através de fissuras na rocha e é canalizado para a superfície.

Isto exige que a água seja acumulada em uma piscina de pedra talhada — a piscina de Siloé — para que a água seja acessível quando na primavera não estava jorrando etc.

Esta piscina de Siloé, localizada na encosta sul da cidade de David, é mencionada várias vezes nas Escrituras. Na verdade, no evangelho de João, Ieshua curou um homem cego desde o nascimento pela unção de seus olhos com barro e dizendo-lhe para se lavar na piscina de Siloé (Jo 9:6-7).

“E disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado). Foi, pois, e lavou-se, e tornou vendo” (Jo 9:7).

Em 2004, trabalhadores para Fundação Cidade de David, uma organização que financia muitas das escavações arqueológicas na Cidade de David (Ir David), descobriram as etapas que conduzem até uma piscina em forma trapezoidal inferior chamada o reservatório de Siloé, que é alimentado com água por um canal a partir da fonte de Giom.

A piscina é grande comparada a outras encontradas na Terra Santa. Ele acomodou milhares de peregrinos viajando para Jerusalém para as comemorações da Shalosh Regalim — os três festivais de peregrinação de Pessach (Páscoa judaica), Shavuot (festa das semanas) e Sucot (festa das cabanas) (Êx 23:14-17).

A piscina foi mais do que apenas um lugar para atualizar e reidratação. Era um mikvá, um lugar para a limpeza que tornava os peregrinos ritualmente puros antes subirem um quarto de milha (600 m) na estrada dos peregrinos de Jerusalém para o monte do templo para adorar a D-us.

Além disso, água da piscina de Siloé foi levada até a estrada dos peregrinos ao templo para a cerimônia de libação de água durante os dias intermediários do festival de sete dias de Sucot.

Na cerimônia, em meio a júbilo, dançando, cantando, tocando trompete e acenando com ramos de palmeiras, um sacerdote derramava água sobre o altar do Sul.

Água da piscina expressou esperança da chuva produzir uma colheita abundante e tinha implicações messiânicas, talvez apontando para o tempo quando “a terra se encherá do conhecimento do IHVH como as águas cobrem o mar” (Is 9:11).

Na verdade, a profecia bíblica diz que as Nações viriam a Jerusalém durante Sucot quando o Messias reinar na terra. Chuva vai ser retida dos países que não vêm para adorar o rei (Zc 14:17).

Ieshua entendeu bem as expectativas messiânicas e o significado da água associado com Sucot, e no último dia do festival, ele declarou aos peregrinos reunidos em Jerusalém:

“E, no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, que venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a escritura, rios de água viva manarão do seu ventre” (Jo 7:37-38).

Ao ouvir Ieshua fazer esta declaração, alguns perceberam que ele era o Messias (Jo 7:41).

Túnel de Ezequias

“Também o mesmo Ezequias tapou o manancial superior das águas de Giom, e as fez correr por baixo para o ocidente da cidade de David; porque Ezequias prosperou em toda a sua obra” (II Cr 32: 30).

Por causa de escavações arqueológicas, sabemos agora de dois canais sob a cidade de David, um do tempo de Melquisedeque (2.100 A.C., durante o tempo de Abraão) e o outro do reinado do rei Ezequias (700 A.C.).

Ezequias percebeu que a cidade precisaria de um abastecimento seguro de água em caso de um cerco pelos assírios.

Ele decidiu bloquear a parte de Giom fora da cidade de David e um aqueduto de 1750-pé (530 m) sob a cidade num túnel (II Cr 32:1-5).

Isso iria manter a água dentro da cidade e impedir que o inimigo tivesse acesso.

De acordo com uma inscrição escrita descoberta no túnel, duas equipes trabalhados no túnel, cada equipe começando em lados opostos, cortaram a base e a reuniram no meio.

Isto foi um feito incrível, quando você percebe que o túnel não foi cortado em linha reta, mas em curvas e para trás.

Hoje, devido a escavações arqueológicas, o túnel de Ezequias, que substituiu o túnel do tempo de Melchizedek, pode ser percorrido do começo ao fim.

“Ora o mais dos sucessos de Ezequias, e todo o seu poder, e como fez a piscina e o aqueduto, e como fez vir a água à cidade, porventura não está escrito no livro das crônicas dos reis de Judá?” (II Rs 20:20).

Revolta judaica

“E, respondendo Ieshua, disse-lhe: Vês estes grandes edifícios? Não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada” (Mc 13:2).

Os achados arqueológicos no interior do canal de água de Ezequias entre a piscina de Siloé e o monte do templo, destacam o período da revolta judaica contra os romanos em 70 DC.

Parece que os romanos deliberadamente destruíram seções do mesmo para poder acessar o túnel subterrâneo, onde muitos judeus estavam escondidos, na esperança de sobreviver ao ataque.

Achados de moedas datam deste período e ininterrupta cerâmica de cozinha confirmam o relato de Flávio Josefo sobre este momento trágico:

… os romanos mataram alguns deles, alguns levaram cativos e outros fizeram uma busca de subterâneos, e quando descobriram que onde eles estavam, eles terminaram no chão e mataram todos eles ali. Lá também foram encontrados mortos; acima de duas mil pessoas…” (Guerras 6.429 – 6.430)

Após o cerco, as águas pararam de fluir através do canal, como os restos da destruição retido o fluxo.

Abastecimento de água de hoje na cidade de David

Nos tempos antigos, a fonte de Giom era suficiente para abastecer a cidade de David. Naquela época, a cidade era apenas de 11 hectares. Em contraste, Jerusalém hoje abrange 30.720 hectares.

Obviamente o Giom já não é suficiente para atender às necessidades de hoje.

Além disso, o clima árido em Israel e as condições de seca, desde os meados dos anos 1990 forçaram o governo israelita para iniciar um programa de dessalinização a longo prazo a fim de prever a demanda crescente de Israel para a água.

Atualmente, existem três usinas de dessalinização, trabalhando através de um processo de osmose reversa, mudando a água do mar em água potável. Também, as plantas menores dessalinizam a água salobra de poços de águas subterrâneas.

Israel Obtém 30% da água do mar da Galileia, que origina-se do rio Jordão. Assim, com esta nova tecnologia, menos água será necessária da Galileia no futuro, permitindo-lhe, finalmente, reabastecer o mar morto.

Até hoje, com todas as nossas maravilhas de engenharia, encontrar água suficiente é um desafio — ambos aqui em Israel e no mundo.

Mas todo nosso conhecimento tecnológico nunca sacia a nossa sede espiritual. Só Ieshua, a fonte de água viva pode fazer isso.

“Ieshua respondeu e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva” (Jo 4:10).

Tradução: Mário Moreno.