Mário Moreno/ Abril 20, 2018/ Artigos

Investimento de crescimento

Em uma porção repleta de comandos e leis que detalham centenas dos mais diversos aspectos da vida judaica, nossos sábios olham cuidadosamente para as justaposições desses mandamentos, ganhando ainda mais sabedoria e orientação moral das palavras santas da Torah.

É por isso que eles explicaram a colocação muito interessante de dois mandamentos que parecem tão diversos como as extremidades do espectro. Um versículo nos fala sobre as leis de um animal treifah, “povo de santidade você será para mim; você não deve comer carne de um animal que foi rasgado no campo; para o cão você deve jogá-lo” (Êx 22:30). O versículo seguinte diz-nos sobre a realização de relatórios falsos ou mal, “não aceite um relatório falso, não estender a mão com os ímpios para ser uma testemunha venal” (Êx 23:1).

Os dois parecem bastante desarticulados; no entanto, o Talmude em Pesachim 118 cita Rav Shaishes em nome do rabino Elazar ben Azarias que liga os dois. “Quem fala ou aceita fofocas (lashn horah) é digno de ser jogado para os cães, como está escrito, para o cão que você irá jogá-lo” e imediatamente depois está escrito, “não aceite um relatório falso”.

No início, a conexão, embora homilética, é difícil de entender. O que jogar carne não-kosher para um cão tem a ver com uma fofoca? Os dois parecem totalmente desconectados. De acordo com o Mechilta, a carne dada aos cães é um retorno para sua reticência na noite do êxodo egípcio. Naquela noite, apesar dos gritos e gemidos dos egípcios quando seus primogênitos estavam mortos, os cães ainda estavam vivos. “Contra todos os filhos de Israel, nenhum cão deve aguçar sua língua, contra nem o homem nem a besta, para que você saiba que Hashem terá se diferenciado entre o Egito e Israel” (Êx 11:7). Portanto, eles são recompensados com a carne que um judeu deve abster-se de comer. Qual é a sua recompensa de reticência, uma lição para os judeus que difamam?

Eu li recentemente de um homem que estava indo de férias para uma das ilhas ao sul dos Estados Unidos. Ele queria um quarto para ele e seu cão de estimação, e perguntou se o estabelecimento, um hotel em Kingston, Jamaica, se permitiria um animal. Algumas semanas depois, ele recebeu sua resposta:

Caro senhor,
Eu estive no negócio do Hotel por 40 anos e nunca tive que expulsar um cão desordenado. Nunca um cão ateou num colchão fogo ao fumar na cama. Nunca um cão roubou uma toalha ou um hóspede não pagou por seu quarto. Nunca um cão agiu desordenado, bêbedo ou de outra maneira. Seu cachorro é bem-vindo. Se ele pode confirmar por você, você pode vir junto também.
Obrigado

O Chafetz Chaim explica que o Talmude está fazendo uma comparação incrivelmente profunda.

A razão pela qual os cães foram recompensados foi porque sua natureza é Yelp e latir em tragédia. Apesar de seu instinto, eles foram contra a sua natureza e retidos. Eles seguiram o comando do todo-poderoso e seguraram suas línguas. A Torah recompensou sua reserva com os despojos de nossa carne treif do controle.

Mas quando os seres humanos, de quem supõe-se poder controlar seus desejos e suas lingüetas, perdem o controle, não há nenhum método melhor a aprender como emendar a loucura de suas maneiras do que com os animais que dominaram o auto-controle na maioria de tempos de tentativa.

Como é apropriado que os dois versos, um que recompensa ao canino para a restrição se sobrepunha ao lado de alguém que sendo seu dono e seu mestres, lida com palavras mortais que, infelizmente, perdem a perspectiva muitas vezes. Nós somos os mestres de nossos animais, mas mais assim devemos ser os mestres de nossos desejos! Muitas vezes, no entanto, quando nossos cães obtêm suas recompensas justas não é apenas o tempo para nós apreciarmos a sua obediência. Em vez de apenas ensinar os nossos cães novos truques, podemos aprender uma lição também.

Tradução: Mário Moreno.