Mário Moreno/ Janeiro 10, 2018/ Artigos

Isaías profeta gigante

O profeta Hebreu Isaías, gigante entre os profetas

“Eis que o meu servo operará com prudência: será engrandecido, e elevado, e mui sublime. Como pasmaram muitos à vista dele, pois o seu parecer estava tão desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua figura mais do que a dos outros filhos dos homens. Assim borrifará muitas nações, e os reis fecharão as suas bocas por causa dele; porque aquilo que não lhes foi anunciado verão, e aquilo que eles não ouviram entenderão” (Is 52:13–15).

Cerca de 2.700 anos atrás, em 722 A.C., os assírios conquistaram o Reino do norte de Israel, dispersando as dez tribos que viveram lá durante todo o Império Assírio. Estas são as tribos que se tornaram conhecidas como as tribos perdidas de Israel.

Uns 20 anos mais tarde, quando a Assíria conquistou Judá, foram deportados muitos do povo judeu para territórios conquistados. Desta vez, o povo judeu foi autorizado a manter uma comunidade separada e separar religião.

Em meio a tudo isso revolta e agitação política levantou-se o profeta Isaías, que tem sido descrito por alguns como o Shakespeare dos profetas e o Sha´ul da Tanach.

Ele profetizou por 50 anos cerca de 740-690 A.C., chamando o povo ao arrependimento e previu a dispersão do povo judeu como resultado do pecado.

Isaías previu também o retorno dos exilados e a restauração de Israel nos últimos dias, trazendo a boa notícia que a salvação é do IHVH, que é o significado do nome Isaias, (Ieshayahu em Hebraico).

“Visão que teve Isaías, filho de Amós, a respeito de Judá e de Jerusalém. E acontecerá nos últimos dias que se firmará o monte da casa do IHVH no cume dos montes e se exalçará por cima dos outeiros: e concorrerão a ele todas as nações” (Is 2:1-2).

No meio do caos internacional, Isaías afirma que o D-us de Israel é o criador do universo e permanece no controle, apesar da aparência que o inimigo tem a superioridade.

Ele aconselhou o rei Ahaz e rei Hezekiah não fazer alianças com reis estrangeiros, mas confiar apenas no IHVH. Na verdade, um tema central de Isaías é salvação e confiar em D-us durante tempos trabalhosos.

Isaías prevê a vinda do Messias

Outro tema importante nas profecias de Isaías é a vinda do Messias.

Com efeito, Isaías fornece o mais abrangente retrato profético de Ieshua o Mashiach, desde o anúncio de sua vinda (Is 40:3–5) para seu retorno (60:2-3).

Isaías contribui à nossa compreensão, fornecendo algumas das descrições mais importantes do Messias judeu. Estas foram preenchidas na vida de Ieshua de Nazaré; por exemplo, Isaías profetiza que o Messias nasceria de uma moça jovem (7:14).

A moça jovem – traduzida como “virgem” – vem da palavra traduzida que é, em Hebraico, a palavra almah (עלמה), que significa “jovem garota”.

Enquanto “almah” não é a palavra “virgem”, que implica a virgindade, já que na antiga cultura judaica, uma jovem garota solteira presumiu-se ser virgem; portanto, o uso do termo “virgem” é apropriado aqui. Além disso, os judeus tradutores da Septuaginta, uma tradução grega das escrituras hebraicas, escolheram a palavra grega “parthenos”, que significa “virgem”, para a palavra hebraica “almah”.

Lucas 1:26–31 descreve o cumprimento desta profecia na concepção sobrenatural de Miriam de Ieshua.

Ao todo, são 44 menciona no livro de Isaías sobre o Messias que fornecem detalhes específicos; por exemplo, ele é descrito como um herdeiro para o trono de David (9:7; 11:1, 10).

Na Brit Chadashah, Mateus traça a genealogia de Ieshua, revelando que ele é um descendente direto do rei David (Mt 1:1-17).

“Ele será grande e será chamado filho do Altíssimo. O IHVH Elohim lhe dará o trono de seu pai, David, e ele reinará sobre descendentes de Ia´aqov para sempre; seu reino não terá fim” (Lc 1:32-33).

Isaías 40:3–5 também afirma que o Messias iria ser precedido por um mensageiro, que prepararia o caminho para ele. O Ministério de Iohannan o Imersor cumpre essa profecia (Jo 1:19–28).

Isaías também descreve as circunstâncias relacionadas com horas finais de Ieshua. Isaías 50 afirma que ele seria cuspido e atingido. A surra em Ieshua é descrita em Mateus 27:30: “E, cuspindo nele, tiraram-lhe a cana e batiam-lhe com ela na cabeça”.

Isaías descreve o sofrimento Messias

D-us dá detalhes notáveis de Isaías sobre como o Messias iria sofrer e morrer a fim de justificar o povo de Israel.

Os capítulos 52 e 53 descrevem esse “sofrimento do Messias” que é espancado, desfigurado, morto e enterrado.

Nós lemos sobre o cumprimento do presente em Marcos 15:15-19: “desejando satisfazer a multidão, Pilatos lançado Barrabás para eles, e depois de ter sido Ieshua flagelado, entregou-o para ser crucificado”.

As profecias do Capítulo 53 são referidas 85 vezes na restauração da aliança, no entanto, eles são deixados de fora as leituras regulares de Shabbat nas sinagogas.

Este capítulo de Isaías mostra que o Messias seria:

  • teria uma aparência comum (53:2b) — cumprimento estabelecido em Filipenses 2:7-8;
  • seria rejeitado e desprezado por seu próprio povo (53:3b) — cumprimento estabelecido em Mateus 27:21–23 e em Jo 12:37-41;
  • seria perfurado pelas nossas transgressões e esmagado por nossas iniquidades (53: 5) — cumprido na estaca de execução — Lucas 23:33
  • seria levado para o abate como um cordeiro (53) — cumprimento estabelecido em Mateus 27: 27-31;
  • morreria com os ímpios (ladrões), mas seria enterrado com os ricos (53:9) — cumprimento estabelecido em Mateus 27.60;
  • justificaria as pessoas e seria exaltado por isso por D-us (53:11) — cumprimento estabelecido em Romanos 5:18-19 e João 12:27;
  • curaria nosso problema de pecado com o seu sacrifício (53:5b) e pessoalmente, suportaria os pecados de toda a humanidade para D-us (53:6a, 10, 12) — também cumprido como descrito na execução indicado em I Pedro 2:24.

Isaías profetiza que o Messias vai morrer em nosso lugar, voluntariamente, tomando sobre si o castigo pelos nossos pecados, sofrendo em silêncio com a força do propósito (Is 53:6–8).

“Ele fez-lhe muitas perguntas, mas Ieshua não deu resposta” (Lc 9:23).

Para os seguidores de Ieshua, Capítulo 53 de Isaías tem uma ligação clara com o sofrimento dele, mas muitos rabinos sugerem que representação de Isaías do servo sofredor é realmente descrevendo Israel e não a pessoa do Messias.

Entre estes rabinos são o erudito judeu espanhol do século X, Ibn Ezra, bem como escritores encontrados em outros antigos textos rabínicos, Zohar e o Talmude.

Escritores modernos, como Marshall Roth do site do Aish, consideram também o servo sofredor como sendo Israel. Para apoiar esta teoria, Roth cita passagens anteriores em Isaías (41:8 e 49:3) que se referem a Israel como servo de D-us. Além disso, Roth cita o Holocausto como uma prova do sofrimento de Israel.

Tradicionalmente acredita-se, também, que na verdade vai haver dois Messias, um seria o Messias ben Yosef (Messias filho de Joseph), que irá aparecer primeiro e, se necessário, lutar uma guerra contra os inimigos de Israel, apenas para ser morto na mesma. O outro é o Messias ben David (Messias filho de David), que será o Messias rei conquistador.

Alguns rabinos renomados acreditam que as passagens de Isaías 53 aplicam-se ao Messias ben Yosef, o Messias sofredor.

Judeus crentes em Ieshua afirmam que há um Messias que é ambos, o sofredor Messias descrito em Isaías 53, que foi “perfurado pelas nossas transgressões,” assim como o rei Messias, ben Messias David, que ainda está por vir.

Ieshua no futuro irá cumprir a profecia de Isaías do rei vindouro, quando ele retorna e Reinar do templo reconstruído em Jerusalém:

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, D-us forte, Pai da eternidade, Príncipe da paz. Do incremento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de David e no seu reino, para o firmar e o fortificar em juízo e em justiça, desde agora para sempre; o zelo do IHVH dos Exércitos fará isto” (Isaías 9:6-7)

Quem foi Isaías?

Nascido em uma família real que viveu em Judá, Isaías era filho de um homem chamado Amós, tradicionalmente pensado para ser um profeta também.

Isaías tem dois filhos, cujos nomes também falam do acórdão próximo e poder de D-us para salvar. O nome do mais velho, Shear-Yashuv (7:3), significa “um remanescente deve retornar” e o mais jovem, Maher-Salal-hás-Baz (8:3), significa “rapidamente o despojo, se apressa a presa“.

Se ele tivesse ascendência real, Isaías era um homem de pé no chão, com princípio que se levantou para pessoas de todas as classes. Enquanto ele fê-lo, um contemporâneo mais jovem, Miquéias, estendeu a mão para as classes mais pobres que viviam na zona rural.

Enquanto Isaías pregava em Jerusalém, avisando de sua breve destruição nas mãos dos assírios devido ao pecado de adoração de ídolos e imoralidade, seus contemporâneos, os profetas Amos (755 A.C.) e Oséias (750-725 A.C.), pregaram para o Reino do norte de Israel.

Isaías apareceu pela primeira vez ao público durante o reinado de Uzias. Embora Uzias foi essencialmente um rei bom e sábio, sua queda foi o orgulho. Porque ele era orgulhoso, ele ofereceu incenso no templo, um rito reservado aos sacerdotes. D-us, portanto, atinge Uzias com lepra.

Isaías devem ter lamentado a perda do rei, e no capítulo 6, ele vê uma visão de D-us no trono. Apesar da morte do rei, D-us está no controle.

Após a morte de Uzias, os assírios entraram o Reino do norte de Israel e fazem o seu caminho para as fronteiras de Judá.

Isaías: Um gigante entre os profetas

Isaías Ben Amós gravita acima dos outros profetas bíblicos, em que ele falou mais do Messias vindouro do que qualquer outro. Ao mesmo tempo, ele entrincheira seu ministério para a política do dia, corajosamente, desafiando as pessoas e os líderes de Judá a seguir ao Santo de Israel.

Como tal, ele é um exemplo principal de como os profetas judeus envolvidos com a arena política e social de seu tempo, expressar uma preocupação apaixonada para a consecução de uma vida regida por leis e preceitos de D-us.

Isaías 7:1–16 revela este papel quando Isaías encorajou o rei Ahaz de Judá durante um ataque de Rezin rei de Aram e do rei Pekah, filho de Remalias de Israel, quando eles tentaram conquistar Jerusalém.

Embora eles sitiaram Jerusalém, eles não poderiam superá-la (II Rs 5:16).

Neste contexto de guerra e o julgamento de D-us contra Judá, Isaías explica que o IHVH daria um sinal da redenção próxima:

“Portanto o mesmo IHVH vos dará um sinal: A virgem vai conceber e dará à luz um filho e será o nome Emanuel” (Is 7:14).

Emanuel significa “El conosco”; este versículo aponta para um tempo no futuro quando D-us vai prover salvação espiritual através de Ieshua; no entanto, ele também aponta para a salvação física de Acaz de seus inimigos.

Mais tarde, durante o reinado do rei Hezekiah, Isaías trouxe novamente a palavra profética de julgamento e salvação ao povo.

Ezequias introduziu reformas religiosas que ganharam a aprovação e apoio do Isaías.

No entanto, quando Ezequias virou-se para o Egito para formar uma aliança contra a Assíria, Isaías retirara seu apoio, dizendo que tais movimentos refletiam uma falta de fé no IHVH.

As forças assírias, lideradas pelo rei Sennacherib, tiveram sucesso em muitas das cidades muradas periféricas capturando e possivelmente até 200.000 cativos. Eles sitiaram Jerusalém, mas não a conquistaram.

Seu comandante de campo tentou aterrorizar e negociar com Ezequias, dizendo:

“Ora, pois, dá agora reféns ao meu senhor, o rei da Assíria, e dar-te-ei dois mil cavalos se tu puderes dar cavaleiros para eles. Como, não podendo tu voltar o rosto a um só príncipe dos mínimos servos do meu senhor, confias no Egito, por causa dos carros e cavaleiros? E subi eu agora sem o IHVH contra esta terra, para destruí-la? O IHVH mesmo me disse: Sobe contra esta terra, e destrói-a” (Is 36:8–10).

Ao ouvir esta afirmação de destruição, Ezequias rasga suas roupas, coloca pano de saco e entra no templo.

Ele enviou mensageiros para procurar o Conselho do verdadeiro profeta, Isaías.

Isaías responde, dizendo a Ezequias para não temer, mas colocar sua confiança no IHVH.

“E Isaías lhes disse: Assim direis a vosso amo: Assim diz o IHVH: Não temas à vista das palavras que ouviste, com as quais os servos do rei da Assíria de mim blasfemaram. Eis que porei nele um espírito, e ele ouvirá um rumor e voltará para a sua terra; e fá-lo-ei cair morto à espada na sua terra” (Is 37.6–7).

Apesar de Senaqueribe ter certeza de sua vitória próxima e refazendo uma longa lista de nações que os assírios destruíram, Ezequias ouviu os conselhos de Isaías. Em vez de entrar em pânico, ele demonstrou sua fé no Senhor, entendendo que a carta de Senaqueribe de total destruição no templo é deitado fora diante de D-us (Is 37:10–13; 21-29).

D-us mais uma vez tranquiliza Ezequias: “ele não vai entrar nesta cidade ou atirar uma flecha aqui. Ele não vem antes dele com escudo ou construir uma rampa de cerco contra ele. Pela maneira que ele veio ele voltará; ele não entrará nesta cidade.”

O que se seguiu foi verdadeiramente sobrenatural: D-us enviou um anjo para o acampamento Assírio e atingiu 185.000 soldados enquanto dormiam.

D-us honrou a vontade de Ezequias para ouvir seu servo de Isaías, humilhar-se durante um tempo de angústia e para voltar para D-us. D-us respondeu, fazendo algo que parecia impossível: ele libertou Jerusalém das garras de um rei estrangeiro e seu enorme exército, sem uma única seta sendo despedida.

Milagres em nossas vidas

O livro de Isaías é preenchido com muitas pedras preciosas como a história de Ezequias e Senaqueribe que nos ajudam a entender como D-us está a trabalhar em Israel, bem como no mundo.

Suas profecias continuam a ser cumpridas até hoje; por exemplo, Isaías profetiza que nasceria uma nação em um único dia.

É claro que, em maio de 1948, que a profecia foi cumprida quando Israel se tornou novamente uma nação em um único dia, sem um tiro sendo dado.

E nós continuamos a ver as profecias de Isaías sobre o povo judeu tornarem-se realidade, como D-us continua a reunir seu povo para casa para a terra de Israel.

Enquanto estas profecias do fim dos tempos estão sendo cumpridas, podemos estar certos de que ele irá certamente também encontrar seu povo escolhido a mesmo em um magnífico reavivamento do fim dos tempos.

Com 66 capítulos, há tanta esperança e compreensão que este profeta hebreu pode trazer para quem busca diligentemente por ela.

O Incrível livro de Isaías, nos dá uma estratégia para lidar com aqueles que desejam destruir nossas vidas e nossa nação: apenas como Ezequias, devemos buscar sabedoria e direção da palavra de D-us, trazendo nossas petições diante do Senhor com um espírito humilde.

É só D-us que pode nos trazer tempos, trabalho e milagres turbulentos e fazer o impossível acontecer.

Ele fez isso por Ezequias e ele o fará para cada pessoa e uma nação que se arrepende e vira-se para ele.

Cada um de nós pode crescer na fé como estamos ansiosos para o retorno de Ieshua e a era messiânica sobre que Isaías profetizaram e para a glória futura do povo de D-us:

“Levanta-te, resplandece, porque já vem a tua luz, e a glória do IHVH vai nascendo sobre ti. Porque eis que as trevas cobriram a terra, e a escuridão os povos; mas sobre ti o IHVH virá surgindo, e a sua glória se verá sobre ti. E as nações caminharão à tua luz, e os reis ao resplendor que te nasceu” (Is 60.1-3).

Sabendo disso, vamos caminhar na fé com o pleno entendimento que podem parecer coisas sombrias no entanto, especialmente nestes últimos dias, enquanto aguardamos seu retorno, temos um D-us que responde a oração e traz a retidão e a justiça para o mundo.

Embora a grande maioria do povo judeu ainda não conhece que Ieshua é o Messias que Isaías profetizou, podemos estar certos de que assim como D-us está reunindo seu povo de volta à terra, ele vai ajuntá-los para si mesmo.

“Mas isso eu digo, ele que semeia pouco também ceifará; e que semeia em abundância, colherá também abundantemente” (II Co 9:6).

“Porque eu estou pronto para endireitar as coisas, não no futuro distante, mas agora! Estou pronto para salvar Jerusalém e mostrar minha glória de Israel” (Is 46.13).

Tradução: Mário Moreno

Título original: “The Hebrew Prophet Isaiah, Giant Among the Prophets‏”.