Nós como o Templo

Mário Moreno/ dezembro 11, 2017/ Chanucá

Nós como o Templo

Vejamos então alguns fatores que nos levar a um maior zelo em nossa vida e no nosso relacionamento com o Eterno.

O que é o Templo?

O que é o Templo? O templo é definido por duas palavras hebraicas que são mishcan e miqdash, cuja somatória das letras é equivalente a 13. Nós também vimos que este número – 13 – é o número do amor! Isso equivale a dizer que o templo só pode ser plenamente habitado pelo amor que traz ao homem o complemento que lhe fora tirado após a queda: a presença de D-us em si mesmo! Iochanan deixou um registro na Brit Hadasha que diz o seguinte: “Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Elohim; e qualquer que ama é nascido de Elohim e conhece a Elohim. Aquele que não ama não conhece a Elohim; porque Elohim é amor. Nisto se manifesta o amor de Elohim para conosco: que Elohim enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Elohim, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados. Amados, se Elohim assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros. Ninguém jamais viu a Elohim; se nos amamos uns aos outros, Elohim está em nós, e em nós é perfeito o seu amor. Nisto conhecemos que estamos nele, e ele em nós, pois que nos deu do seu Espírito. E vimos, e testificamos que o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo. Qualquer que confessar que Ieshua é o Filho de Elohim, Elohim está nele, e ele em Elohim. E nós conhecemos, e cremos no amor que Elohim nos tem. Elohim é amor; e quem está em amor está em Elohim, e Elohim nele” (I Jo 4:7-16).

Está escrito também que o Eterno não pode habitar em templos feitos por mãos humanas! Foi justamente por isso que Ele escolheu habitar – tabernacular (armar tenda) – em sua própria criação: o homem. Sha´ul nos diz isso assim: “Não sabeis vós que sois o templo de Elohim e que o Espírito de Elohim habita em vós? Se alguém destruir o templo de Elohim, Elohim o destruirá; porque o templo de Elohim, que sois vós, é santo. Ninguém se engane a si mesmo. Se alguém dentre vós se tem por sábio neste mundo, faça-se louco para ser sábio. Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Elohim; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia” (I Co 3:16-19).

Em Chanucá re-descobrimos esta verdade! Somos relembrados sobre nossa atitude para com o Eterno e de como chegamos até Ele: “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito o Santo, que habita em vós, proveniente de Elohim, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Elohim no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Elohim” (I Co 6:19-20).

Habitar no homem?

Mas, porque o Eterno desejou habitar no homem? O que moveu o Eterno a habitar numa simples criatura, pecadora, muitas vezes rebelde e que não se sujeita facilmente ao seu Criador?

Vejamos o que o Eterno desejou fazer através do Tabernáculo:

Átrio

Lugar Santo

Santo dos Santos

O caminho do Tabernáculo é o caminho que devemos seguir para estar no local onde a presença do Eterno é real e nada mais nos interessa! São três etapas que só podem ser cumpridas quando entramos pela porta e iniciamos um processo de renúncia do nosso eu.

É justamente por isso – para habitar perpetuamente no homem – que o Eterno nos dá alguns conselhos:

“Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre O Ungido e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Elohim com os ídolos? Porque vós sois o templo do El vivente, como Elohim disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Elohim e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o IHVH; e não toqueis nada imundo, E eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, E vós sereis para mim filhos e filhas, diz o El Todo-Poderoso” (II Co 6:14-18). A palavra “jugo” vem do termo hebraico ´ol e significa “jugo” na raiz temos o significado de “inserir, mergulhar”. O Eterno, desde os tempos da Torah proíbe quaisquer tipos de misturas entre coisas diferentes: “Não semearás a tua vinha com diferentes espécies de semente, para que não se degenere o fruto da semente que semeares, e a novidade da vinha. Com boi e com jumento não lavrarás juntamente. Não te vestirás de diversos estofos de lã e linho juntamente” (Dt 22:9-11).

Mas, qual é o motivo pelo qual o Eterno faz isso? “Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Elohim; edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Ieshua o Ungido é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no IHVH. No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Elohim em Espírito” (Ef 2:19-22).

Atitude dos santos

Então nossa atitude deve ser de arrependimento, contrição (choro) e desejo de mudarmos: “Deixando, pois, toda a malícia, e todo o engano, e fingimentos, e invejas, e todas as murmurações, desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo; se é que já provastes que o IHVH é benigno; e, chegando-vos para ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Elohim eleita e preciosa, vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Elohim por Ieshua o Ungido. Por isso também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; E quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes, A pedra que os edificadores reprovaram, essa foi a principal da esquina, e uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, para aqueles que tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram destinados” (I Pe 2:1-8).

Finalizando, Sha´ul nos diz ainda: “Porque sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos de Elohim um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus. E por isso também gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação, que é dos céus; se, todavia, estando vestidos, não formos achados nus. Porque também nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos carregados; não porque queremos ser despidos, mas revestidos, para que o mortal seja absorvido pela vida. Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Elohim, o qual nos deu também o penhor do Espírito. Por isso estamos sempre de bom ânimo, sabendo que, enquanto estamos no corpo, vivemos ausentes do IHVH (Porque andamos por fé, e não por vista). Mas temos confiança e desejamos antes deixar este corpo, para habitar com o IHVH. Pois que muito desejamos também ser-lhe agradáveis, quer presentes, quer ausentes. Porque todos devemos comparecer ante o tribunal do Ungido, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal” (II Co 5:1-10).

Amém!!!

Mário Moreno.