Mário Moreno/ Março 12, 2018/ Pessach

Pessach: sua esperança no deserto

Shabat Chol HaMoed Pessach (o sábado intermediário de Páscoa)

Êx 33:12–34:26; Nm 28:16–25; Ez 37:1–14; Lc 24

“Você deve manter a Festa dos pães ázimos [Chag HaMatzot]. Sete dias comerás pão ázimo [matzah], como te ordenei, ao tempo apontado no mês Aviv, para o mês de Aviv você saiu do Egito” (Êx 34:18).

A Parasha (porção das escrituras) para o shabat, que ocorre no meio da semana da Páscoa, começa por descrever o Santo do dia de Pessach (Páscoa) e a festa dos pães ázimos (Chag HaMatzot) que dura sete dias.

Estes dois eventos especiais são mais frequentemente misturados em um só e chamados “Pessach”, mas há uma diferença crucial entre os dois, que iremos explorar no estudo de hoje.

Durante o tempo de Páscoa, existem três eventos distintos que representam três únicos estados espirituais ou condições da alma:

Pessach representa salvação: nós somos salvos da ira de Elohim pela fé no sangue do cordeiro da Pessach.

“Eis o cordeiro de Elohim que tira os pecados do mundo” (Jo 1:29).

Ieshua foi morto na Páscoa como o perfeito cumprimento do cordeiro salvou os israelitas na primeira Pessach:

“…vendo eu sangue, passarei por cima de vós” (Êx 12:13).

Pão sem fermento, também chamado de matzah ou o pão da aflição, representa a santificação.

Matzah é plana, porque é desprovido de levedura (chametz), que representa a maldade, o orgulho e o que nos leva a estar inchados ou pensar mais altamente de nós mesmos do que deveríamos.

“Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa? Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque o Ungido, nossa páscoa, foi sacrificado por nós” (I Co 5:6–7).

Chametz está intimamente relacionado com a palavra hebraica chamutz, que significa “azedo”. O fermento é um agente ácido. Da mesma forma, assim causa amargura em nossa alma.

“Por isso façamos a festa, não com o velho pão fermentado com maldade e da malícia, mas com o pão ázimo [matzah] da sinceridade e da verdade” (I Co 5:8).

A semana dos pães ázimos, portanto, representa a santificação realizada por meio de aflição, os ensaios e testes e a purga de orgulho, para nos ensinar a humildade e a obediência pelas coisas que sofremos em nossas experiências de vida selvagem.

“E te lembrarás de todo o caminho pelo qual o IHVH teu Elohim te guiou no deserto estes quarenta anos, para te humilhar, e te tentar, para saber o que estava no teu coração, se guardarias os seus mandamentos, ou não” (Dt 8:2).

Primeiros frutos, também chamado Bikkurim em Hebraico, que ocorre no dia após o primeiro dia dos pães ázimos (embora haja algumas divergências quanto a temporização), representa a ressurreição.

Assim como a cevada é oferecida ao Senhor como a primeira colheita após o inverno, então, Ieshua foi também ressuscitou dentre os mortos na festa das primícias.

“Mas agora o Ungido ressuscitou dentre os mortos e tornou-se as primícias dos que dormem” (I Co 15:20).

Desses elementos distintos dentro de Páscoa, entendemos que entre os acontecimentos da salvação e da Ressurreição é um processo de santificação.

Páscoa → → ázimos primeiros frutos

Salvação santificação de → → ressurreição

O Shabat intermediário — perder o coração no deserto

Quando os israelitas foram libertos do Egito, eles vieram através de áreas de deserto a caminho da terra prometida.

Quando os israelitas entraram em uma aliança com D-us no deserto e vieram a entender sua identidade como preciosos para D-us, por vezes eles responderam a dificuldade e a aridez do deserto com desânimo.

No deserto, eles também perderam o coração, perderam a esperança, e ansiavam pelo Egito e resmungaram, murmuraram e queixaram-se.

Por esse motivo, todos pereceram, mas dois — Josué e Calebe — que seguiram o Senhor incondicionalmente e mantiveram a fé. Os corpos dos outros israelitas caíram dispersos em todo o vasto deserto.

Até mesmo Ieshua passou um tempo no deserto — talvez na Judéia ou o deserto do Negev. O Ruach Ha Codesh (Espírito o Santo) levou-o lá para ser tentado pelo diabo (Mt 4:1–11).

O Negev não é um lugar fácil para viver — mesmo com ar condicionado!

É uma terra de serpentes e escorpiões; um lugar de grande perigo. E ainda, o deserto não é um castigo, mas uma etapa necessária em nossa jornada espiritual.

Muitas vezes é D-us que nos guia em nossas experiências de vida selvagem para humilhar-nos, nos testar, para refinar a nossa fé e nos ensinar a perseverança e resistência.

Se nós sairmos vivos, devemos então “inclinar-se sobre nosso amado” em vez de depender de nossa própria força ou suficiência limitada (Ct 8:5).

O deserto pode ser nossa universidade espiritual onde aprendemos a confiar e depender do Senhor, e só D-us sabe quanto tempo vai demorar essa lição.

Para os crentes, no vasto espaço entre a ressurreição e a salvação encontra-se o deserto, numa terra seca e com sede, onde a água é escassa. Que é onde nós somos santificados.

Porque é tão fácil perder o coração no deserto — nosso processo de santificação —nossa resposta para os ensaios e desafios irão determinar quão bem fazemos isso através da ressurreição.

Desânimo durante nosso deserto é uma arma especialmente poderosa do inimigo, devido ao seu efeito debilitante, desmoralizante. Ódio, ciúme, medo e outros sentimentos negativos podem nos levar a agir tolamente, lutar ou correr. Mas pelo menos podemos agir.

Desânimo, por outro lado, dói-nos mais do que qualquer um destes. Ele, finalmente, suga a energia fora de nós, levando-na sentar, com pena de nós mesmos e não fazer nada.

Desânimo nos faz ceder à tentação do inimigo que sussurra, “desista”.

Desesperança é um perigoso estado de vida. Na verdade, as Escrituras nos dizem que “A esperança demorada enfraquece o coração” (Pv 13:12).

Quando a esperança está perdida — o dia sem nome

A escritura de leitura entre a Pessach e Bikkurim é simplesmente chamada “Shabat intermediário” (Chol HaMo’ed). Ainda não tem um nome como as outras porções.

Descreve um tempo de desespero para Israel, vagando entre as nações sem a bênção de D-us para protegê-los, como se eles estivessem vivendo num vale de ossos secos.

Em nossos próprios vales de ossos secos somos tentados a ter nossos sonhos e desejos abortados, quando toda a esperança parece perdida, nos perguntamos se tudo foi em vão, e se o sol vai brilhar novamente em nossos corações que estão de luto.

Israel fez a mesma pergunta na Haftarah lida neste sábado intermediário.

Os ossos secos, que representam toda a casa de Israel, disse: “Os nossos ossos se secaram, e pereceu a nossa esperança: nós estamos cortados” (Ez 37: 11).

Às vezes nós sentimos que nós fomos cortados e retirada a nossa esperança. Mas muitas vezes quando sentimos que a escuridão está se fechando sobre nós, naquele momento D-us está fazendo sua maior obra.

Da mesma forma, é quando a esperança de Israel em si é completamente destruída que a promessa de D-us de restauração vem como um sopro de vida:

“E sabereis que eu sou o IHVH, quando eu abrir as vossas sepulturas, e vos fizer sair das vossas sepulturas, ó povo meu. E porei em vós o meu espírito, e vivereis, e vos porei na vossa terra, e sabereis que eu, o IHVH, disse isto, e o fiz, diz o IHVH” (Ez 37:13–14).

Ruach, a palavra hebraica para o “espírito”, é a mesma palavra usada nos versos 5 e 6 que é traduzida por “respiração”: “vou trazer respiração [Ruach] em vós e vós vivereis”.

Na Brit Hadasha, Ieshua milagrosamente prenuncia o cumprimento desta palavra.

Ieshua chegou quatro dias depois que seu amigo Lázaro havia morrido e sido colocado na tumba. A esperança no Lazaro ser levantado dos mortos estava completamente perdida.

Por Ieshua esperou por quatro dias? A tradição judaica diz que a alma da pessoa paira em torno de seu corpo físico durante três dias, mas após este período de tempo, a alma abandona.

Portanto, o povo judeu que testemunhou a morte de Lázaro estava convencido, no quarto dia que a situação seria completamente e totalmente sem qualquer esperança de qualquer tipo! Até a alma do falecido tinha partido.

Mas Ieshua chamou Lázaro, TZEH HAHUTZAH! Venha para fora!

E Lázaro saiu seu túmulo e ele viveu!

Uma coisa, no entanto, tinha de ser feita antes que Lazaro pudesse sair do túmulo — a pedra tinha que ser rolada para o lado. Alguém tinha que fazê-lo, e não era Ieshua.

Enquanto ele poderia fazer isso facilmente ou mesmo pudesse mandar a pesada pedra se mover, e ela teria obedecido, ele chamou o povo para participar do milagre.

Ieshua disse-lhes: “Tirai a pedra” (Jo 11:39).

Por que? Talvez ele queria nos ensinar que não devemos estar completamente passivos e esperar que D-us faça tudo por nós.

Talvez haja uma pedra ereta entre nós e o nosso milagre.

Talvez, tudo que é necessário é mover a fé e a força dentro de nós para “Tirar a pedra” sob a direção de D-us. Então vamos testemunhar e D-us realizará uma ressurreição em nossa vida! Aleluia!

Para as pessoas ao redor de Lazaro, Ieshua veio tarde demais, e às vezes nos encontramos em uma situação ou mesmo um caso perdido onde é tão tentador ceder ao desespero e depressão.

Isto é exatamente quando nós devemos buscar um milagre àquele que disse, “Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo 11:25).

Antes de nossa situação tornar-se sem esperança, pode ter acontecido que contávamos com D-us para aparecer e fazer um milagre. Mas parece que Ele “não apareceu” em relação ao negócio ou a tudo o que nós estávamos esperando para morrer.

Ou seja, quando a profunda decepção diz: “Onde estava D-us?”, perguntamos. “Onde estava seu poder quando precisei dele?”

Ficamos ali, olhando para aquela pedra, chorando e pensando que é demasiado pesada ou demasiado difícil se mover — ou podemos afastar o obstáculo, deixando D-us agir e ver o milagre.

Podemos ouvir a voz do nosso bom pastor e obedece-lo quando Ele diz que devemos fazer para ver esse milagre acontecer — mesmo que isso não faça sentido ou pareça impossível no natural.

Mas nós esperávamos

Os discípulos de Ieshua também sabiam o que era a desesperança e desespero total.

Em Pessach, após a morte de Ieshua na estaca, parecia que haviam perdido a esperança, e que as forças do mal haviam triunfado. Seus discípulos ficaram perambulando confusos e tristes.

Eles esperavam que isso finalmente fosse o “momento final”. Depois de tantos falsos Messias, eles acreditavam que ele era verdadeiramente o Messias que iria redimir Israel da opressão romana e restaurar o Reino de Israel.

Após a execução de Ieshua, dois discípulos iam para uma aldeia sete milhas de Jerusalém.

Enquanto eles caminhavam juntos, eles ficaram tristes e conversaram entre si.

Mas então Ieshua chegou perto e foi com eles ao longo da estrada. Ainda, seus olhos estavam fechados e eles não reconheceram (Lc 24:16).

Os discípulos de Ieshua tiveram uma certa expectativa de como D-us iria resolver as coisas. Mas mesmo que as coisas não aconteceram como eles pensaram que deveria, este foi o maior triunfo de D-us sobre a escuridão.

Em sua hora mais sombria, em seu desespero total, eles não podiam ver que a esperança estava caminhando bem ao lado deles! Ieshua é a esperança de nosso viver (I Pe 1:3–4).

Não é como nós quando experimentamos uma decepção? Só temos que encontrar alguém para conversar sobre isso. Tentamos argumentar e colocar a coisa para fora, de alguma forma, para achar o sentido de alguma coisa que não faz sentido. Isso faz com que muitas vezes tenhamos apenas mais tristeza.

Quando as coisas não funcionam da maneira que esperávamos que fossem, pode ser que a redenção esteja ali conosco, caminhando ao nosso lado. Às vezes essa esperança de vida está bem debaixo de nossos narizes, mas não percebemos isso porque se trata de algo que não esperávamos.

Em nossas horas mais sombrias, devemos lembrar que D-us nunca nos deixa, pois ele protege nossa alma enquanto viajamos através do deserto, onde nós somos santificados para a nossa derradeira esperança em Ieshua, a ressurreição.

“Oh! esperança de Israel, Redentor seu no tempo da angústia!” (Jr 14:8).

Tradução: Mário Moreno.