Tradições de Chanucá

Mário Moreno/ dezembro 6, 2017/ Chanucá

Tradições de Chanucá

O calendário gregoriano, este ano, começará ao anoitecer em 12 de dezembro e terminará no cair da noite de 20 de dezembro.

Talvez o mais conhecido costume de Chanucá é a iluminação da chanuchia.

Esta menora especial é usada somente no Chanucá, e embora seja uma reminiscência dos sete ramos de luz que ficava no templo, é diferente.

Em vez dos sete ramos da Menorah, a chanichia tem oito velas que são acesas por uma vela especial chamado um shamash. Desde que o shamash é usado para acender as outras velas, considera-se ser a vela servo.

Esta nona vela é mais frequentemente elevada sobre as outras oito velas na chanuchia e por vezes colocada no meio.

Em cada noite de Chanucá, uma vela adicional é acesa na chanuchia. Na última noite, o shamash acende todas as velas de oito.

Além de iluminação o chanuchia, também é costume ler histórias, girar o pião, cantar canções de Chanucá, e comer alimentos fritados em óleo.

Sufganyot (sonhos), que são um favorito em Israel e latkes (panquecas de batata), servido com creme de leite e molho de maçã, são dois alimentos tradicionais de Chanucá.

Tão gordurosos como estes alimentos fritos são, eles são preparados para decorar o milagre que D-us fez na restauração do templo em Jerusalém e salvar o povo judeu do exército grego/sírio. (É tudo sobre a história do azeite!)

Chanucá: Um grande milagre aconteceu aqui

A palavra Chanucá vem da palavra hebraica hanukh, que significa “dedicação ou educação”.

Chanucá comemora a festa da dedicação, para lembrar a re-dedicação do templo, depois de D-us fielmente libertar Israel de seus opressores.

Na verdade, a razão para oito velas de iluminação e celebrar Chanucá durante oito noites se relaciona com a fidelidade de D-us e a milagrosa história de Chanucá.

Entre os anos 175 a 163 A.C., após a morte de Alexandre, o grande, que havia conquistado e dividido o mundo antigo inteiro do Mediterrâneo Oriental, a área da Judéia ficou sob o controle do rei Antíoco IV Epífanes.

Antiochus tentou forçar os judeus a aceitar a cultura grega. Ele mesmo contaminara o Beit Ha Mikdash (Templo de Jerusalém) por sacrificar um porco no altar e profanar este lugar sagrado com o sangue deste animal impuro.

Conforme descrito no livro dos Macabeus nos apócrifos, este governante perverso proibiu o povo judeu de manter as leis de D-us. Na verdade, a pena para manter a Torah era morte. Muitos judeus preferiram o martírio desafiando os mandamentos de D-us.

Antíoco também erigiu uma estátua do falso deus grego, Zeus, no Santo dos Santos!

Tão horrível como esta era, que era o cumprimento da profecia de Daniel o profeta Hebreu relativo a “abominação da desolação”.

Escreveu o profeta Daniel: “E sairão a ele uns braços, que profanarão o santuário e a fortaleza, e tirarão o contínuo sacrifício, estabelecendo a abominação desoladora. E aos violadores do concerto ele com lisonjas perverterá, mas o povo que conhece ao seu Elohim se esforçará e fará proezas” (Dn 11:31–32)

Uma revolta judaica contra este ataque no judaísmo levantou-se. Foi liderada por combatentes da liberdade corajosos chamados de Macabeus.

Esta palavra é um acrônimo para a frase em Hebraico “Mi kamocha ba’elim Adonai”, que significa “quem é como tu, Senhor, entre os deuses?”

Embora consideravelmente em menor número e dominado, Iehudah (Judá) o Macabeu levou seus irmãos e alguns outros homens judeus em uma batalha valente para expulsar dezenas de milhares de gregos e re-afirmar o templo.

D-us ajudou este pequeno grupo de homens, e eles ganharam a vitória em 163 A.C., retomaram Jerusalém e dedicaram o templo de D-us.

A tradição conta que eles só encontraram uma oferta de um dia de óleo selado, consagrada para a menorá do templo; no entanto, o óleo milagrosamente queimou por oito dias — o tempo que levou para preparar o óleo santificado.

Ieshua: o Shamash que acendeu a luz em nossos corações e vidas

“Porque o filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos” (Mc 10:45).

Desde que Chanucá não é um feriado ordenado por D-us na Torah, alguns se perguntam se Ieshua realmente o comemorou.

A resposta é um retumbante Sim!

“E em Jerusalém havia a Festa de Chanucá, e era inverno. E Ieshua andava passeando no templo, no alpendre de Salomão. Rodearam-no, pois, os judeus e disseram-lhe: Até quando terás a nossa alma suspensa? Se tu és o Ungido, dize-no-lo abertamente” (Jo 10:22–24).

Ieshua foi para Jerusalém para a festa da dedicação (Chanucá), e, enquanto na área do templo, ele proclamou: “Eu e o pai somos um” (Jo 10:30).

Assim como o shamash na chanuchia é a vela servo que ilumina as outras oito velas, Ieshua o Messias veio como um servo para ser a luz que brilha em e através de nós para os outros.

João confirma que Ieshua é a luz que a escuridão não pode superar.

“Nele, estava a vida e a vida era a luz dos homens; e a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a alcançou” (Jo 1:4–5).

Trevas não tem poder sobre a luz. Quando as luzes estiverem ativadas, a escuridão desaparece imediatamente! Nunca é uma luta ou um concurso. Luz vence sempre!

“Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8:12).

O significado da Menorah

Quando o templo sagrado foi restaurado durante o tempo dos Macabeus, o ato de re-acender a menorah no templo representado restaurando a presença de D-us lá.

O templo foi criado para que o povo judeu teria um lugar para se encontrar com D-us.

Sem a presença e a luz de D-us, estamos todos perdidos.

Enquanto a Bíblia torna claro que o templo mais uma vez será reconstruído, hoje, aqueles que conhecem Ieshua têm luz espiritual e é o lugar da morada de seu Espírito o Santo (Ruach Ha Codesh).

“Não sabeis vós que sois o templo de Elohim e que o espírito de Elohim habita em vós?” (I Co 3:16).

Durante esta temporada alegre de oito dias de Chanucá, ajude a estender a mão para o povo judeu em Israel e em todo o mundo com as boas notícias que Ieshua é a luz do mundo.

“Eu sou a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas” (Jo 12:46).

Que possamos ser esta luz não somente em Chanucá como durante todo o ano mostrando a luz do Ungido ao mundo!

Baruch ha Shem!

Tradução: Mário Moreno

Título original: “Explaining the joyous traditions of Hanukkah‏”.