Mário Moreno/ Janeiro 12, 2018/ Artigos

vida dos judeus crentes

Descubra a vida dos judeus crentes em Ieshua no século I

“Eu tenho escolhido e consagrado este templo para que meu nome pode ficar ali para sempre. Os meus olhos e meu coração sempre estará lá” (II Cr 7:16).

Enquanto a vida de incontáveis milhões foi radicalmente alterada por Ieshua Ha Mashiach para melhor, quantos devem tê-lo conhecido como um judeu?

Ao longo de sua vida, Ieshua foi no templo em Jerusalém, honrando o compromisso de D-us para o templo de Monte que D-us escolheu e consagrou, colocando lá o nome dele, os olhos e seu coração para sempre (II Cr 7:16).

Também consistentemente frequentou as sinagogas do primeiro século. Ele participou, também, as leituras da Torah, dando seus próprios ensinamentos nas Escrituras.

Como ele, os crentes judeus do primeiro século em Ieshua também mantiveram sua fé em um contexto judaico autêntico.

Como a mensagem da salvação foi trazida para as Nações, os gentios crentes enfrentaram a tarefa de mudança, adaptação e / ou arrependendo-se de suas próprias tradições culturais e entrando em um estilo de vida que reflete a mensagem de Ieshua — uma mensagem consistente com a Torah dada através de Moshe a Israel.

Hoje, no entanto, que muitos crentes têm limitado a compreensão das raízes judaicas da sua fé, deixando suas raízes em abraâmicas, mosaicas e o pacto davídico.

“Sua mensagem tocou quase todas as nações… e isso é uma coisa boa. No entanto, no processo, a natureza e a identidade do Messias foi adulterada, até mesmo alterada, por aqueles que não têm autoridade para fazê-lo”, diz um personagem angelical chamado Ariel em romance de Ron Cantor chamado “roubo de identidade”.

Claro, Cantor está se referindo a verdade da vida e o incomodo divórcio de Ieshua de sua identidade judaica aos olhos do mundo em geral e na compreensão de tanto gentios como judeus crentes.

Tal divórcio torna difícil trazer a boa notícia para o povo escolhido de D-us desde que a mensagem é rica em cultura gentia, tornando-se como estrangeiros ao povo judeu.

O povo judeu está esperando as boas novas do Messias judeu através da linhagem de David, então quando eles são apresentados a um Messias gentio, é muito fácil julgar a mensagem por completo.

Redescobrindo o contexto judaico da fé

“Segundo a graça de Elohim que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele” (I Co 3:10).

O judaísmo de Ieshua naquele tempo era diferente do que hoje.

Judaísmo do primeiro século girava em torno da adoração no templo.

Claro, cerca de 40 anos depois da morte e ressurreição de Ieshua o templo foi completamente destruído pelos romanos.

Com o templo destruído, o judaísmo rabínico cresceu e o judaísmo farisaico se desenvolveu e as tradições ligadas com os modernos dias, como a adoração na sinagoga.

Após a destruição do templo em 70 AD, a sinagoga se tornou central para a adoração e oração. Oração veio a ser realizada três vezes por dia para corresponder com os serviços do Templo de oferendas e oração.

Isso talvez foi um resultado lógico, uma vez que a sinagoga já tinha surgido em Jerusalém e em outros lugares como um local de encontro comum para o povo judeu antes do segundo templo ser destruído.

É por isso que era prática de Ieshua visitar a sinagoga local, “proclamando as boas novas do Reino e curando todas as doenças e as enfermidades” (Mt 9:35)

Seu padrão de visitar a sinagoga e a pregação foi inteiramente consistente com o padrão de pregadores sectários ou professores comuns em seu dia. Como Ieshua, esses pregadores também tinham talmidim (discípulos).

A sinagoga local era parte integrante da vida judaica, mesmo antes do templo ter sido destruído.

“Praticamente todos os estudiosos reconhecem que a sinagoga era uma instituição bem desenvolvida pelo menos um século antes que os romanos destruíssem o templo,” escreve o historiador cultural Steven Fine. (Centro de estudos judaicos on-line: “A sinagoga substitui o templo?”)

A sinagoga foi criada para a leitura da Torah e os profetas, estudando os mandamentos, ensinando e hospitalidade de visitantes do exterior.

“Era um lugar onde eles pudessem experimentar a religião de uma forma muito diferente, ainda gratuito, para o que estava disponível para eles no templo”, disse muito bem.

A sinagoga não queria de qualquer maneira desvirtuar a adoração sacrificial em grande escala que teve lugar no templo, no qual Ieshua e seu talmidim (discípulos) fielmente participaram.

Embora Fine diz que “o papel da oração na vida da sinagoga foi tolhido pelo estudo das Escrituras”, ele mostrou o suficiente de uma postura que Ieshua admoestou e que mostra a ostentação da caridade e da oração em Mateus:

“E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já tem seu galardão” (Mt 6:5).

Como pequenos centros de vida comunitária judaica, sinagogas foram importantes para Ieshua, seus talmidim e a comunidade maior que acreditavam que ele era o prometido, incluindo muitos líderes.

No entanto, parece que nem todos os crentes nos dias de Ieshua e talvez depois de sua morte e ressurreição, foram unanimes sobre sua fé, devido ao perigo de ser forçado a deixar a sinagoga:

Contudo ainda até muitos dos principais creram nele; mas não o confessavam por causa dos fariseus, para não serem expulsos da sinagoga. Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Elohim” (Jo 12:42–43).

A liderança de Kefa, Ia´aqov e Sha´ul

“Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o pai em espírito e em verdade, porque o pai procura a tais que assim o adorem” (Jo 4:22–23).

Os fariseus, uma seita judaica proeminente, tiveram grande influência no desenvolvimento das tradições dos crentes.

Sha´ul de Tarso foi um orgulhoso membro dessa seita, como eram muitos outros crentes judeus.

“Eu sou um fariseu, descendente dos fariseus” (At 23:6).

À medida que crescia o número de crentes gentios no primeiro século, alguns crentes judeus concluíram que deveriam ser circuncidados para serem salvos (At 15:1).

A questão, em essência, era se os gentios deviam passar por cerimônias de conversão para se tornarem judeus. Era necessário fazer um juramento para manter a Torah mosaica, juntamente com todas as tradições e regras que se desenvolveram em torno dela para mantê-las.

Esta disputa levou Sha´ul e Barnabé, “junto com alguns outros crentes, para ir a Jerusalém para ver os apóstolos e anciãos sobre esta questão” (At 15:2).

O fato de que os apóstolos e os anciãos estavam sediados em Jerusalém é uma indicação de que a vida ainda estava girando em torno de adoração no templo para os primeiros crentes.

Lá em Jerusalém, vemos que a liderança do Conselho incluiu Kefa e Ia´aqov.

Foi com eles que alguns dos crentes que eram fariseus apresentaram argumentos que gentios crentes deveriam ser submetidos a um processo de conversão ritual:

“Alguns, porém, da seita dos fariseus que tinham crido se levantaram, dizendo que era mister circuncidá-los e mandar-lhes que guardassem a lei de Moshe” (At 15:5).

Não foi nenhuma decisão fácil, aparentemente. Os apóstolos e os anciãos discutiram esta questão em grande profundidade, antes de chegar a uma resolução. Então Kefa disse para a assembleia, que D-us tinha aceitado os crentes gentios com base em sua fé, da mesma forma que ele tinha aceitado os crentes judeus com base em sua fé:

“E Elohim, que conhece os corações, lhes deu testemunho, dando-lhes o Espírito o Santo, assim como também a nós; e não fez diferença alguma entre eles e nós, purificando os seus corações pela fé” (At 15:8–9).

Sha´ul e Barnabé explicaram como D-us havia purificado os corações dos gentios pela fé, quando ele disse à assembleia como D-us estava trabalhando entre os gentios, mesmo que eles não tivessem se convertido ritualmente.

Na conclusão desta reunião, que Ia´aqov enfatizou que gentios haviam sido transformados pela fé no Messias judeu, isso foi em cumprimento aos profetas, citando Amos 9:11–12:

“Naquele dia tornarei a levantar a tenda de David, que caiu, e taparei as suas aberturas, e tornarei a levantar as suas ruínas, e a edificarei como nos dias da antiguidade; para que possuam o restante de Edom, e todas as nações que são chamadas pelo meu nome, diz o IHVH, que faz estas cousas”.

Ia´aqov, disse “que nós não devemos tornar difícil para os gentios que estão se voltando para Elohim” (At 15:19) forneceu a seguinte lista de coisas a partir das quais os crentes gentios devem abster-se:

  • Comida sacrificada aos ídolos
  • Imoralidade sexual
  • A carne de animais estrangulados (matar animais que não são kosher)
  • Sangue (assassinato ou o consumo de sangue)

Alguns estudiosos interpretam essa lista para ser uma referência para as sete leis de Noach da Aliança de Noach, que também inclui uma proibição contra blasfêmia e roubo e estabelece a necessidade dos tribunais de justiça.

De acordo com os rabinos, as leis de Noach são um código de moral universal.

Embora Ia´aqov concluiu com a declaração que gentios crentes não tem que entrar a Aliança Mosaica, por meio da conversão, não diminuiu a importância da Torah de Moshe, nem sua influência como uma luz moral para o mundo:

“Porque Moshe, desde os tempos antigos, tem em cada cidade quem o pregue, e cada sábado, é lido nas sinagogas” (At 15:21).

Com efeito, é evidente em Atos 15.21 que a Torah de Moshe certamente não teria menos importância para os crentes do primeiro século em Ieshua.

Quando Sha´ul retorna de lá, os judeus crentes foram cumprimentá-lo, observando um empenho contínuo para a tradição judaica e prática:

“E, ouvindo-o eles, glorificaram ao Senhor e disseram-lhe: Bem vês, irmão, quantos milhares de judeus há que creem, e todos são zeladores da Torah” (At 21:20).

Mas eles também informá-lo que uma disputa aumentou sobre seu ministério para os judeus.

Ele foi falsamente acusado de ensinar aos judeus que vivem entre os gentios não seguiam a Torah Moshe, inclusive ensinando-lhes que não devem circuncidar seus filhos, ou viver de acordo com o costume judaico.

“E já acerca de ti foram informados de que ensinas todos os judeus que estão entre os gentios a apartarem-se de Moshe, dizendo que não devem circuncidar seus filhos, nem andar segundo o costume da Torah” (At 21:21).

Para mostrar que se tratava de uma falsa acusação e que ele próprio ainda vivia em obediência à Torah, Sha´ul concordou em juntar-se os ritos de purificação dos quatro homens que estariam tomando um voto de purificação no templo.

Como os rituais envolveram um corte de cabelo preliminares, é provável que ele tomou um voto de nazireu voluntário, que envolveu a abstinência de comer produtos de uva e de cortar o cabelo para uma determinada temporada — neste caso, sete dias (Nm 6:1–27; At 21:26–27).

“Toma estes contigo, e santifica-te com eles, e faze por eles os gastos para que rapem a cabeça, e todos ficarão sabendo que nada há daquilo de que foram informados acerca de ti, mas que também tu mesmo andas guardando a Torah” (At 21:24)

No decorrer da próxima semana, Sha´ul e estes homens adoravam no templo santo.

New Testament 3 Production Still Photography

Quando os sete dias do voto foram cumprido, os judeus da Ásia notaram Sha´ul no templo.

Infelizmente, estes judeus subscreveram à crença equivocada de que Sha´ul “ensina a todos em todos os lugares contra nosso povo e a nossa Torah e este lugar” (At 21:28).

Eles agitaram a multidão e uma violenta multidão arrastou Sha´ul do monte do templo, acreditando que ele tinha profanado o templo, trazendo Trofimus de Éfeso, um gentio que tinha sido visto em Jerusalém com Sha´ul.

A acusação era falsa. Sha´ul foi inteiramente observador e ele nunca desejou profanar o templo. Ele também não estava ensinando os gentios para rejeitar a Torah de Moshe.

Ele ensinava, no entanto, que a salvação era através da fé em Ieshua e não através de trabalhos ou conversão ao judaísmo.

Os Primeiros crentes judeus continuaram a viver um estilo de vida totalmente judaico.

Mas à medida que crescia o número de gentios crentes, eles também cada vez mais começaram a rejeitar as raízes judaicas da sua fé e fugiram de sua dívida para com o povo judeu.

Depois que o cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano, em torno de 325 D.C., o povo judeu sofreu séculos de preconceito e perseguição, frequentemente sendo forçado a desistir de sua identidade judaica.

Apesar disso, D-us teve sua mão sobre o povo judeu e ele manteve-os ao longo dos séculos, milagrosamente, restabelecendo o estado judeu em 1948 em cumprimento das inúmeras profecias bíblicas.

Ao longo dos séculos, bem como, D-us continuou a chamar o povo judeu a fé em Ieshua Ha Mashiach.

E mesmo que esses crentes muitas vezes experimentaram a perseguição de judeus e gentios, como Sha´ul e os primeiros crentes judeus, fielmente continuaram a compartilhar as boas novas com o povo judeu e as nações.

Séculos de anti-judaísmo dentro do Cristianismo têm ajudado a criar a falsa impressão de que Ieshua e os crentes da fé Hebraica do primeiro século não eram judeus.

O povo judeu desenvolveu sentimentos fortes sobre Ieshua, em cujo nome foram perseguidos, espancados, acusados e aniquilados por quase 2.000 anos.

Isso nos mostra que os crentes do primeiro século continuaram com sua herança judaica e que o Cristianismo – através da mistura com pessoas que não amavam ao Eterno e nem a Sua Palavra – disvirtuaram os fatos de que a Igreja (Congregação) sempre teve raízes judaicas e que o Messias virá buscar a Sua Noiva – Israel – e o enxerto para juntos fazerem parte do povo que foi comprado com Seu sangue.

Tradução: Mário Moreno.