A voz do shofar

Mário Moreno/ agosto 23, 2017/ Rosh Hashaná

A Voz do shofar

Em Rosh Hashanah, restauramos nossas almas ouvindo a voz do shofar. Para completar esta mitzvah, o único requerimento é ouvir a voz do shofar. A voz do shofar tem uma íntima e minuciosa mensagem para a alma. Este som carrega esta mensagem para as raízes da alma. O ouvinte não tem o domínio direto da mensagem. Das raízes da alma, a mensagem penetra na alma do ouvinte e restaura seus poderes.

Como o Shofar restaura os poderes superconscientes da alma?

Das raízes da alma, a voz do shofar primeiro encontra os poderes superconscientes da alma – emunah (confiança), ta’anug (prazer) e ratzon (vontade).

Fortalecimento da confiança – Emunah

Um conceito que não pode ser entendido intelectualmente está atualmente dirigido ao poder da confiança na alma. Por esta razão, nós aprendemos dos tzaddikim que devemos continuar ensinando a Torah para aquelas pessoas que aparentemente não estão entendendo. Sua alma entende, e a Torah penetra em sua existência e traz poder à sua simples confiança no Eterno. O simples som do shofar alcança o poder da confiança, que é igual em todos os judeus.

Revelando prazer – Ta’anug

O simples canto do shofar – a coroa e a raiz de todos os instrumentos musicais – tem o poder de acordar e revelar o simples prazer da alma. Há uma constante dimensão de prazer na alma derivada de sua conexão com o Eterno. Esta dimensão invariável do prazer permite ao judeu “flutuar” acima das dificuldades da vida, e serenamente prestar seu culto ao Eterno com alegria interior. Este prazer é o envolvimento do judeu na experiência divina do prazer da Criação, e Sua manifestação na Criação. São as raízes desta disposição em jogar o jogo no estágio da Criação, que traz a realidade para a terra e assim atualiza a vontade do Eterno na terra. A voz do shofar revela este prazer, e dá poder para a alma de servir ao Eterno através das mudanças e transformações do ano.

Balanceando a vontade – Ratzon

O poder da vontade na alma tem um efeito direto na consciência de cada indivíduo. Este poder freqüentemente sofre de dispersões entre as pessoas mais variadas e também dispersa os seus alvos e objetivos. Esta dispersão da  vontade é um fenômeno negativo, mesmo se o salvos da vontade não são negativos.O poder da vontade de atingir certos alvos e a inabilidade de atingi-los poderão causar um agudo mau humor e até mesmo depressão. Ouvindo (ha’azanah em hebraico, cuja raiz significa “equilíbrio”) o som do shofar deve trazer a situação para o padrão do equilíbrio. Para um judeu, uma vontade equilibrada não significa a supressão de suas grandes ambições, mas antes o ajudam a priorizar suas metas e então torná-las mais acessíveis. A voz do shofar concentra e esclarece esta vontade. Quando os alvos estão claros, uma pessoa pode persegui-los através de grandes iniciativas e desafios de uma maneira equilibrada e restaurada.

Como o Shofar restaura os poderes intelectuais da alma

Quando a voz do shofar penetra nos poderes intelectuais da alma – chochmah (sabedoria), binah (entendimento) e da’at (conhecimento) – isto desperta os poderes que conduzirão o comportamento da pessoa durante todo o ano.

Avaliando a situação – Chochmah

A voz do shofar tem o potencial de avivar o poder de discernimento dos ouvintes, associado com chochmah. Este discernimento habilita-o a perceber corretamente e a avaliar sua situação espiritual (o discernimento de chochmah é proveniente dos prazeres do shabat na alma. É esta serenidade que pode trazer uma habilidade mais apurada de perceber a realidade). Num nível mais profundo, o poder do discernimento judaico é o poder do povo de Israel que testifica a verdade e a unidade do Eterno.

Arrependimento – Binah

Um dos alvos mais simples do shofar é levar o ouvinte ao arrependimento (como resultado de sua própria contemplação – hitbonenut – da mesma raiz de binah) de seu estado de distanciamento do Eterno. Arrependimento, teshuvah, e retorno a uma conexão mais íntima com o Eterno depende do fortalecimento de sua confiança. O elo essencial da alma, demarcado pelo concerto com o Eterno mesmo que uma pessoa esteja mergulhada no pecado – deve ser fortalecido. Esta experiência desperta-o ao arrependimento e também desperta esperança na alam.

Decisões balanceadas – Da’at

Depois de uma avaliação de sua situação e o subseqüente desejo de arrepender-se, são necessárias ferramentas para a tomada de decisão balanceada para prosseguir em seu dia-a-dia. Um juízo acerca da realidade deve ser exato para decifrar os temas contraditórios da realidade e dar a situação uma saída. A voz do shofar traz este senso de equilíbrio, que se origina da superconciência equilibrada dos desejos da alma. As primeiras letras da bênção recitada antes de ouvir o shofar, ‘Lishmo’ah Kol Shofar’ são shin, kuf, lamed, a raiz da palavra “equilíbrio”.

Como o Shofar Restaura os Poderes Emotivos da Alma

A voz do shofar penetra nos poderes emotivos da alma, Chesed (bondade), Gevurah (poder) e Tiferet (beleza), e restaura a experiência do coração em relação a ambos, a realidade geral e específica, para a nação de Israel.

Percepção positiva – Chesed

O shofar nos lembra que todos nós fomos criados num mundo que é “muito bom” (Gn 1:31) – mesmo quando as coisas que percebemos são “ruins”.” A percepção positive da realidade fortalece o poder de chesed (bondade) do ouvinte. (A bênção recitada antes de ouvir o som do shofar é o quadrado do valor numérico de “muito bom”).

Coragem para virar o mundo de cabeça para baixo – Gevurah

Num plano simples, o shofar desperta temor. As dimensões interiores de Gevurah trazem o temor dos céus. O shofar desperta e restaura o temor dos céus. Uma pessoa que realmente teme ao Eterno, não teme nada mais e, é um incansável e corajoso soldado em Seu Exército. Este temor restaurado dos céus traz uma pessoa com coragem e ousadia para mudar o mundo de cabeça para baixo trazendo-lhe a redenção.

A Unidade de Israel – Tiferet

O simples som do shofar também aviva na alma o senso de amor por Israel. Se a mitzvah do shofar for entendida como a mensagem interior dos sons, isso criará vários níveis de judeus de acordo com seus talentos cognitivos. Entretanto, pelo cumprimento da mitzvah o simples ouvir da voz do shofar, a totalidade da “tapeçaria” de almas de Israel brilha igualmente.

Como o Shofar Restaura os Poderes de Ação na alma

O shofar penetra os poderes existenciais da alma, Netzach (vitória) e Hod (glória), yesod (fundamento), e malchut (reino) avivando-os e dando a eles o foco desejado.

Avanço – Netzach e Hod

Nossos Sábios ensinam que uma calúnia ouvida é ameaçadora à vida. Isto aponta que o simples fato de ouvir relaciona-se com a força vital de uma pessoa. O som do shofar que penetra nas características da existência da alam traz ao ouvinte um avanço na direção da essência do Eterno, sem uma previa contemplação ou estudo. Este avanço super racional em direção ao Eterno se consuma com as “duas pernas” dos poderes da alma – Netzach e Hod – os poderes de uma constante e devotada caminhada.

Vitalidade – Yesod

Ouvir o shofar desperta na alma o poder de servir ao Eterno com vitalidade e exuberância.

Luz refletida – Malchut

Rabbi Nachman de Breslov explica que quando uma pessoa tenta corrigir a outra, o ouvinte não aceita estas palavras e as palavras retornam como “uma luz refletida” para a pessoa que falou. Isso cria uma oportunidade para o interlocutor encontrar as palavras certas para penetrar na alma do ouvinte como luzes diretas e internas. Portanto, quando nós não entendemos o profundo contentamento do som do shofar, a luz do shofar é refletida de volta aos céus. Subsequentemente, nós merecemos trazer dos céus a satisfação interna daquilo que ouvimos.

Traduzido por Mário Moreno.

Artigo publicado em 18/09/2003 e 24/09/2003 por Gal Einai Institute
POB 1015 Kfar Chabad, 72915, Israel. www.inner.org.