As profecias de Joel

Mário Moreno/ setembro 8, 2017/ Artigos

As profecias de Joel

As profecias de Joel, a restauração de Israel e o dia do IHVH

O profeta Hebreu Io’el (יוֹאֵל, ou seja, El é D-us) fornece alguns dos detalhes mais excepcionais e explícitos sobre o dia do Senhor, um tempo de julgamento no futuro não muito distante que irá ser camuflado na escuridão com exércitos que conquistarão e consumirão como o fogo.

Joel também nos diz que, no fim dos tempos, D-us irá orquestrar a completa redenção de Israel, descrevendo sinais celestiais envolvendo o sol, lua e os corpos celestiais.

“O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do IHVH. E há de ser que todo aquele que invocar o nome do IHVH será salvo; porque no monte de Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como o IHVH tem dito, e nos restantes, que o IHVH chamar” (Jl 2:31-32).

Muitos crentes hoje me perguntam se este eclipse solar e lunar será cumprido pela Tétrade de lua de sangue dos quais estamos atualmente no meio, o que significa que o dia do Senhor logo ali, ao virar da esquina.

Joel: o homem e o profeta

Embora o profeta Joel nos diga sobre os principais eventos do fim dos tempos que provavelmente nos preocupam hoje, ele é um personagem um tanto obscuro e misterioso.

Enquanto Joel 1:1 nos diz que o Joel é o filho de Petuel, pouco mais se sabe sobre ele.

A Bíblia não oferece nenhuma outra explicação sobre a vida do autor, o tempo em que viveu ou o rei que reinava em Judá. O nome do profeta é dado apenas uma vez em Joel, e ele não é mencionado em nenhum lugar mais na Tanach, embora Amos pareça citá-lo (Jl 3:16; Am 1:2) como Isaías (Jl 1:15: Isaías 13:6).

Por causa disso, alguns concluem que Joel profetizou antes destes outros profetas.

Por esta razão, exclusivamente de Joel é colocado como o segundo na linha dos Trei Asar (Doze), ou os profetas menores, uma coleção de 12 livros proféticos na Tanach (antigo testamento). Este grupo de profetas é considerado menor, não porque eles sejam menos importantes, mas por causa do tamanho das suas obras, quando comparados com os profetas maiores.

A ordem dos livros na Trei Asar é pensada para estar em conformidade com o período histórico de cada profeta, começando com Oséias por volta de meados do século VIII BC e concluindo com Malaquias no início do século quinto A.C..

Enquanto alguns estudiosos estimam os escritos de Joel como sendo do século VIII, antes de Amos, outros estimam tardiamente no 6ª e início do século V A.C., um momento em que o templo estava em pé e as memórias do exílio babilônico estavam frescas nas mentes das pessoas.

Sabemos, no entanto, que as profecias de Joel começam em seu próprio dia e estendem-se para o dia do Senhor — o julgamento final dos tempos, bem como a restauração de Israel fim dos tempos.

Por essa razão, as palavras do profeta Joel são totalmente relevantes para nós hoje.

O pacto entre D-us e Israel

Semelhante a muitos dos escritos dos profetas, Joel enfatiza a importância da relação de Israel com o Senhor e as consequências do seu pecado.

Essa relação foi codificada, ou elaborada em um documento legal chamado a Aliança Mosaica, no Monte Sinai.

Naquela aliança, o Senhor prometeu através de Moshe que “se você realmente irá obedecer a minha voz e manter meu pacto, então sereis a minha possessão entre todos os povos, pois toda a terra é minha; e você será para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa” (Êx 19:5–6).

Neste contrato condicional, o povo jurou fazer sua parte em manter o relacionamento, dizendo, “tudo o que o Senhor tem falado faremos” (Êx 19:8).

Mas, se eles não fizeram sua parte, entre as muitas maldições por desobediência seria uma grande praga de gafanhotos: “Lançarás muita semente ao campo; porém colherás pouco, porque o gafanhoto a consumirá” (Dt 28:38).

Capítulo 1 de Joel começa com a consequência do pecado de Israel, a invasão da terra pelas locustas, seguido por instrução de Joel para as pessoas se afastarem do pecado e receber bênçãos restauradoras de D-us, em vez de sua ira.

Enxames de gafanhotos devastam Israel

“A vide se secou, a figueira se murchou; a romeira também, e a palmeira e a macieira; todas as árvores do campo se secaram, e a alegria se secou entre os filhos dos homens” (Jl 1:12).

Ao descrever a destruição total da colheita, seguida por uma grave seca, Joel descreve uma fome que os israelitas nunca tinham visto antes — uma em que até os animais gemem em desespero.

D-us deixa claro que esta peste e a fome é o sua culpa e não um desastre natural: “o funil, o destruidor e o cortador, meu grande exército, que mandei entre vós” (Jl 2:25).

No capítulo 2, Joel usa as imagens do enxame, multidão, gafanhotos de corte como uma lição e uma metáfora para descrever outra vasta destruição vem no futuro onde grandes exércitos “terão a aparência de cavalos; eles galoparão ao longo como cavalaria. Com um ruído como o de carruagens que saltam sobre as montanhas” (Jl 2:4-5).

Sem qualquer ponto de referência para helicópteros, aviões, tanques ou das forças especiais com armas avançadas e habilidades de rappel, Joel só poderia descrever este exército futuro em relação a familiares cavalos, carruagens e gafanhotos: “Ninguém apertará a seu irmão; irá cada um pelo seu caminho; sobre a mesma espada se arremessarão, e não serão feridos. Irão pela cidade, correrão pelos muros, subirão às casas, pelas janelas entrarão como o ladrão” (2:8-9).

Porque Joel conecta-se a este exército invasor para o dia do Senhor, ele poderia ter visto a mesma batalha que o profeta Ezequiel (Ez 38-39) ou o vidente Asafe (Sl 83) viu, ou até mesmo a última batalha em Har Megiddo (Armagedon) em Apocalipse 16.

Ainda, como outros verdadeiros profetas de D-us que trazem notícias de se aproximar da destruição, Joel também oferece esperança para o povo, mostrando-lhes a única maneira de receber restauração física e espiritual — o caminho de D-us.

Onde está o seu D-us?

Sempre que experimentamos D-us em julgamento ou disciplina, estamos em perigo de cair longe de nossa fé nele, de acreditar que ele nos ama ou que ele é real. Além disso, quando não-crentes veem calamidade sobre nós, eles também pensam, será que devo vir a partilhar aquilo que D-us é, um seria D-us bom ou até mesmo real?

Joel compreende esta realidade e foi zeloso para proteger a integridade de D-us. Ele reúne os sacerdotes, anciãos e toda a gente e concentra-se em volta deles que entraram no pacto mosaico dizendo: “Santificai um jejum, apregoai um dia de proibição, congregai os anciãos, e todos os moradores desta terra, na casa do IHVH vosso Elohim, e clamai ao IHVH” (Jl 1:14).

O próprio Senhor declara-se também com o seu povo para retornar a ele em arrependimento sincero: “Ainda assim, agora mesmo diz o IHVH: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto” (Jl 2:12).

Seja qual for a causa de nossas calamidades, D-us sempre está lá para nos ver através delas. Quando clamamos a ele, e nos convertemos dos nossos maus caminhos e retornamos a ele, então achamos que “porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em beneficência, e se arrepende do mal” (Jl 2:13).

Não vemos D-us totalmente remover suas misericórdias, no entanto, a menos que Renovamos nossa relação com ele, dando-lhe permissão para inserí-las em nossas vidas quando nós procuramos fazer a vontade dele. No dia de Joel, as pessoas simplesmente tinham que abandonar o pecado e andar no pacto dado através de Moshe.

Além das pessoas voltarem para as promessas que fizeram para D-us naquele pacto, Joel cobra intercessores para agir em nome do povo.

Joel diz-lhes para recordar ao Senhor de sua promessa de aliança de Avraham, Itshaq e Ia´aqov, que faria com que seus descendentes fossem em grande número, dar-lhes-ia uma terra e torná-los-ia uma bênção para o mundo.

Ao contrário da Aliança Mosaica, a aliança que D-us fez com Avraham foi incondicional. D-us somente cortar a aliança enquanto dormia de Abraham. Não há nada que o povo de Israel tem que fazer por D-us para cumprir esta promessa (Gn 15:12-21).

“Chorem os sacerdotes, ministros do IHVH, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó IHVH, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que as nações façam escárnio dele; porque diriam entre os povos: Onde está o seu Elohim?” (Jl 2:17).

Se os israelitas tivessem perecido durante este tempo de julgamento contra eles, D-us teria quebrado o pacto que ele fez com Avraham, Itshaq e Ia´aqov. Como resultado, sua herança — os filhos de Israel, que ele chamou para ser separados como Santos — teria sido humilhado, e zombado de seu nome pela organização das Nações.

Este é o mesmo argumento que Moshe fez a D-us quando ele intercedeu para os desobedientes israelitas no deserto. Ele basicamente disse D-us — se você matar o seu povo, não importa quão desobedientes são, os egípcios pensarão que você planejou matá-los todo o tempo. Eles nunca vão aprender sua santidade ou verão que as grandes promessas para Avraham, Itshaq e Ia´aqov virão a acontecer (ver Êx 32:9–13).

Após este fundamento intercessório por Moshe, “O IHVH cedeu e não trouxe ao seu povo o desastre que ele tinha ameaçado” (Êx 32.14).

O Capítulo 2 de Joel vê o período no final dos tempos, quando o povo judeu rasga seus corações em arrependimento sincero e clamam a ele para sua salvação. Como resultado, o Senhor tem “ciúmes por sua terra” e tem “pena sobre o seu povo” (Jl 2:18).

Os crentes em Ieshua também são chamados para ser a nação Santa de D-us, um sacerdócio real e, como seus sacerdotes, cada um de nós tem a responsabilidade de interceder pela salvação física e espiritual do povo judeu.

Nós podemos interceder para sua proteção contra o espírito do anti-semitismo que tenta matar todos os judeus na terra, lembrando a D-us das suas promessas a eles como nós oramos: “Senhor, faça seu nome grande entre as Nações; deixe que vejam suas promessas a Avraham, Itshaq e Ia´aqov venha a passar, bem como as grandes profecias da sua palavra em toda a Bíblia. Levanta o véu fora o coração de Israel através da fé em Ieshua HaMashiach, revelando ao seu povo o Messias na profecia da Bíblia como os escritos de Joel. Continua a restaurar a fortuna de sua terra e trazer prosperidade e proteção sobrenatural de Israel.”

O espírito do anti-semitismo é tão mal e tão agressivo que em 1948, quando D-us, miraculosamente, renasceu a nação de Israel e a língua hebraica antiga, cinco nações vizinhas imediatamente invadiram Israel, o que parece ser pelo menos um cumprimento parcial de Joel.

Mas este ódio vil ainda está em curso. Essas mesmas nações e mais ainda estão tentando destruir a terra e o povo que D-us prometeu proteger para sempre: “E vós sabereis que eu sou o IHVH vosso Elohim, que habito em Sião, o monte da minha santidade; e Jerusalém será santidade; estranhos não passarão mais por ela. E há de ser que naquele dia, os montes destilarão mosto, e dos outeiros manará leite, e todos os rios de Judá estarão cheios de águas; e sairá uma fonte da casa do IHVH, e regará o vale de Sitim. O Egito se tornará uma assolação, e Edom se fará um deserto de solidão, por causa da violência que fizeram aos filhos de Judá, em cuja terra derramaram sangue inocente. Mas Judá será habitada para sempre, e Jerusalém de geração em geração. E purificarei o sangue dos que eu não tinha purificado: porque o IHVH habitará em Sião” (3:17–21).

Porque D-us é um D-us de promessa que se mantém, isso pode prendê-lo por essas promessas em nossas orações para o povo judeu, assim como para nós mesmos e aqueles para quem nós intercedemos. “Ó Jerusalém! sobre os teus muros pus guardas, que todo o dia e toda a noite de contínuo se não calarão: ó vós, os que fazeis menção do IHVH, não haja silêncio em vós, nem estejais em silêncio, até que confirme, e até que ponha a Jerusalém por louvor na terra” (Is 62:6–7).

O dia do Senhor está perto

“Ah! aquele dia! porque o dia do IHVH está perto, e virá como uma assolação do Todo-poderoso” (Jl 1:15).

Como todo bom profeta, Joel teve uma maior aplicação à verdadeira maldição dos gafanhotos. Joel queria preparar o povo de Israel e todos nós para o dia do julgamento do Senhor e a destruição que conduzirá a ele (Jl 2:12-17).

Joel descreve-o como sendo ao contrário a qualquer dia do passado ou do futuro — “um dia de escuridão e melancolia, um dia de nuvens grossas!” (2:2).

Joel vê neste dia, que é distante no futuro, para nosso dia de hoje e mais além, a um tempo de julgamento para as nações — as nações responsáveis dividindo sua terra:

“Congregarei todas as nações, e as farei descer ao vale de Josafá; e ali com elas entrarei em juízo, por causa do meu povo, e da minha herança, Israel, a quem eles espalharam entre as nações, repartindo a minha terra. E lançaram a sorte sobre o meu povo, e deram um menino por uma meretriz, e venderam uma menina por vinho, para beberem” (3:2-3).

O Senhor está ainda com ciúmes de sua terra, e ele ainda mantém seus pactos; portanto, ele manterá sua promessa de vingar Israel e julgar as nações como trataram sua terra e seu povo: “Porquanto, eis que naqueles dias, e naquele tempo, em que removerei o cativeiro de Judá e de Jerusalém. Congregarei todas as nações, e as farei descer ao vale de Josafá; e ali com elas entrarei em juízo, por causa do meu povo, e da minha herança, Israel, a quem eles espalharam entre as nações, repartindo a minha terra” (3:1-2).

Nos últimos 65 anos, o mundo viu as fortunas de Judá e de Jerusalém sendo restauradas, “as pastagens no deserto estão se tornando verdes. As árvores estão a dar seus frutos; a Figueira e a videira produzem suas riquezas” (2:22).

Antes de chegar naquele grande dia do julgamento, porém, há mais sinais que se preencherão.

O povo será a profecia

Depois que D-us restaura o que os gafanhotos comeram e faz maravilhas para as pessoas, então eles nunca mais ficarão envergonhados, D-us diz que ele irá realizar sinais específicos. O primeiro é o sinal da profecia: “E há de ser que depois, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos mancebos terão visões. E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito” (Jl 2:28-29).

Kefa (At 2:16–17) cita estes versos em Joel para explicar o que estava acontecendo em Shavuot (Pentecostes) quando o Ruach Ha Codesh caiu sobre judeus crentes em Ieshua, levando-os a falar ousadamente, até mesmo em outras línguas, sobre seu Messias ressuscitado.

Este mesmo Ruach está disponível a todos os que creem em Ieshua e pedem ao seu Espírito para preenchê-las.

Por centenas de anos, porém, o Ruach parecia estar faltando a muitos crentes e congregações, mas grandes avivamentos ocorreram nos últimos trezentos anos. Dois dos mais recentes foi o movimento Pentecostal que começou em 1906 com o avivamento da rua Azusa e o movimento de Ieshua, da década de 1970.

Por 2.000 anos, estes sinais foram visíveis em vários graus, mas como estamos nos aproximando muito dos últimos dias, vamos ver uma manifestação maior do Ruach ao redor do mundo, especialmente entre os crentes individuais de Ieshua, que estão até agora experimentando a glória de D-us manifesto em maneiras tangíveis, incluindo a profecia, visões e sonhos.

Além do sinal de profecia, estamos talvez no meio testemunhando o segundo sinal que Joel fala sobre.

A lua vai ficar vermelho-sangue

“O sol escurecerá, a lua virar vermelho-sangue, antes que chegue o dia do IHVH, grande e terrível dia” (Jl 2:31).

Em seu terceiro e último capítulo, Joel menciona uma lua de sangue em conexão com o dia do Senhor.

Estamos atualmente em meio a um período da série de quatro luas de sangue chamado Tétrade.

Duas destas luas de sangue ocorreram em 2014 em Pessach e Sucot, duas festas de D-us que celebram a redenção e a êxodo da escravidão no Egito para a liberdade em Israel.

Os dois seguintes ocorrerão este ano, mais uma vez em Pessach e Sucot, perfazendo um total de quatro luas de sangue — luas eclipsadas que refletem a luz da terra e dão a aparência de um brilho avermelhado.

Enquanto esta série atual de quatro luas de sangue (lua de sangue tétrade) não pode estar ligado a esse grande dia do julgamento que Joel profetiza, no passado, eles têm sido associados a eventos importantes na história do povo judeu.

Por exemplo, em 1493-94 sua ocorrência foi vinculada com a expulsão dos judeus da Espanha (1492).

Uma Tétrade de lua de sangue ocorreu novamente em 1949-50 apenas alguns meses depois David Ben Gurion emitiu a declaração de independência para o recém-nascido estado de Israel, dando ao povo judeu, sua antiga pátria e capital de Jerusalém após um exílio de 2.000 anos.

Sua aparição durante os anos de 1967-68 foi vinculada com Israel recuperar a antiga cidade de Jerusalém e o monte do templo.

Em relação a Tétrade atual, o site Temple Mount diz que “o sangue das luas e sóis escuros sobre as festas de Sucot 2014 e 2015 indicam novamente julgamento sobre as nações que continuam a pressão ou para luta contra Israel para destruí-lo, como o Irã, que prepara-se para “eliminar Israel do mapa do mundo“.

Como estudamos as profecias de Joel, escritas entre 2.500 a 2.800 anos atrás, nós não podemos ajudar, mas vejo sua relevância para hoje, quando muitos dos sinais que ele previu que estão vindo para passar.

O dia do senhor de que Joel fala não é para ser temido por aqueles que abençoam Israel, mas isso deve ser temido pelas Nações que viram-se contra o seu povo e dividem a sua terra; Eles serão julgados em vale de Josafá.

Enquanto Joel lembra-nos todas as grandes promessas de D-us para vingar os inimigos de Israel, restaurar a terra e prosperar seu povo, ele nos lembra de uma outra verdade importante:

“Todo aquele que chama pelo nome do IHVH será salvo” (Jl 2:32).

Esperamos poder ser preservados deste dia mau que virá sobre o mundo e continuamos a crer nas promessas do Eterno e nos posicionando ao lado do povo vencedor, Israel.

Baruch ha Shem!

Tradução: Mário Moreno

Título original: “The Prophecies of Joel – Coming Restoration of Israel and the Day of the Lord”.