Doze tribos – doze caminhos

Mário Moreno/ Fevereiro 12, 2018/ Artigos

Doze tribos – doze caminhos

Na parte Torah de Vayechi – que fecha o livro de Gênesis – lemos como Ia´aqov abençoa seus filhos, as doze tribos, em seus últimos dias. Nestas bênçãos encontram-se muitos segredos que prenunciam os eventos que virão. Como o versículo nos diz: E Ia´aqov chamou seus filhos, e disse: “juntem-se, para que eu possa lhe dizer o que vai acontecer com você no final dos dias.”

Como um modelo para a vida, estas bênçãos têm muito para nos ensinar.

Como um modelo para a vida, estas bênçãos têm muito para nos ensinar. Cada uma das doze tribos reflete um caminho único na vida. Como o versículo nos diz na conclusão das bênçãos: Todas estas são as doze tribos de Israel… cada uma de acordo com sua bênção ele abençoou-os. (Gn 49:28) Qual é o significado das palavras “cada um de acordo com sua bênção?”

“Benção” em Hebraico também significa “elevar” (em Hebraico, ‘hamshocho‘, da raiz mavrich). Cada uma das tribos tem sua jornada particular, sua energia específica que ele deve manifestar neste mundo. Na verdade, nossos sábios ensinam que o Mar foi dividido em doze caminhos, fornecendo um caminho separado para cada uma das doze tribos.

Para entender estes doze caminhos, temos de estudar as diferentes formas pelas quais as tribos são descritas na Torah. Encontramos três descrições para as tribos. Primeiro, quando elas são nomeadas por suas mães, (Gn 29-30; 35:18) cada criança/tribo é dado um nome com um significado particular por uma razão específica. Segundo, quando Ia´aqov os abençoa antes de falecer (Gn 3-28). E finalmente, quando Moshe os abençoa no fim da Torah. (Dt 33:6-25).

Além as tribos são nomeadas e especificadas muitas vezes no Torah – quando entram Egito, quando deixam o Egito, durante sua viagem de 40 anos através do deserto do Sinai viajam e acampam como tribos, suas oferendas da dedicação do templo são repetidas doze vezes (Embora eles trouxeram as mesmas ofertas) para enfatizar os doze caminhos exclusivos.

Aqui está uma das muitas aplicações destes doze caminhos, baseado principalmente em bênçãos de Ia´aqov.

Reuben – o primeiro
Simeon- o agressor
Levi – o clérigo
Judá- o líder
Dan- o juiz
Naftali- o espírito livre
Gad- o guerreiro
Asher- o próspero
Issacar- o estudioso
Zebulom- o empresário
Joseph- o sofredor
Menashe – reconexão
Ephraim – transformação
Benjamin -o consumidor voraz

… aproveitado adequadamente, o ‘bechorea Energia/Reuven pode mudar os mundos…

Reuben – o primogênito (‘bechore‘) – representa a energia poderosa de tudo o que vem em primeiro lugar. A primeira fruta, os primeiros momentos do dia, o início de cada criação – tem uma enorme quantidade de energia. “Instável como a água”, este poder pode ir de qualquer maneira: se aproveitado corretamente, o ‘bechorea / Energia/ Reuven pode mudar os mundos; se for abusada, pode destruir. Como a água, pode ser a fonte da vida, mas se não for canalizada, corrói seu ambiente e pode inundar seus arredores.

Simeon é agressivo gevura – a antítese da Reuven – Chesed / Água. A raiva feroz e ira cruel que pode resultar de desenfreada gevura deve ser eliminada para que se transforme em armas de violência que consomem a pessoa e todos aqueles com quem ele entra em contato [a lição deste hoje é autocompreendida].

Levi é a tribo escolhida para servir no templo. “Levi” também significa ‘anexado’ ou ‘junto’. Levi é a personalidade a dedicar sua vida a servir uma vocação superior. De libertar-se de seus limites para a sobrevivência material e anexando-se ao serviço divino (ver Rambam, fim do Hilchot Shemitá v’Yovel).

Judah meios de reconhecimento (‘hoda’ah‘ – como em ‘modeh Ani‘). O nome de Judá também inclui as quatro letras do nome divino Havaya. Judá é o líder; seus descendentes seriam os reis de Israel, começando com o rei David e concluindo com Mashiach. Judá é o caminho da abnegação (‘bittul‘) – o ingrediente mais vital na verdadeira liderança.

Dan é o caminho da lei e da ordem (‘Dan” significa julgar). A justiça objetiva é o coração de qualquer civilização.

Naftali é a personalidade do espírito livre. Como um ‘veado correndo livre’ – rompendo o status quo – a independência é um componente necessário no crescimento. No entanto, este civismo livre deve sempre tomar cuidado para “entregar palavras de beleza.”

Gad é o arquétipo guerreiro. Expandindo-se sobre a justiça de Dan, Gad está pronto para lutar por suas crenças. O guerreiro é necessário para defender os nossos valores estimados e para proteger as nossas liberdades.

Asher é a prosperidade e o prazer. Asher é a dimensão da bênção além da norma – a ser dado mais do que é necessário para a sobrevivência. Asher é a personalidade de não apenas conseguir o que você precisa, mas também apreciá-o.

Issacar é o estudioso. A bolsa fornece sabedoria, clareza e direção. É a base de qualquer sistema. Issacar é a dedicação para mergulhar no estudo e na educação.

Zebulom é o comerciante, a personalidade do empresário. Seu papel é entrar no mercado e resgatar as faíscas divinas dentro do mundo material (o “tesouro secreto escondido na areia” (Dt 33:19)). Zebulom complementa Issacar; eles forjam uma parceria: Zebulom apoia o estudioso, ele financia casas de bolsa de estudos, o que lhe rende o direito de participar na recompensa dos estudos de Issacar.

Joseph é o elemento do sofrimento na vida.

Joseph é o elemento do sofrimento na vida. No entanto, ele não só sobrevive; ele prospera. Ele atinge a grandeza através de seus desafios. Ele superará todos os adversários e se tornará um grande líder, salvando toda a sua geração. Apesar de seu ambiente corrupto, ele mantém sua integridade espiritual. A luz poderosa que emerge da escuridão em José divide-se em duas dimensões – seus dois filhos: Menashe e Ephraim:

Menashe representa a capacidade de não sucumbir aos poderes do Egito/’mitzraim – limitações que querem fazer você esquecer suas raízes espirituais. Para permanecer conectado, independentemente dos desafios.

Ephraim leva-o ainda mais longe. Não é suficiente apenas sobreviver em um ambiente alienígena, mas para prosperar – para “ser frutífero na terra da minha aflição”. Ephraim é o poder de transformar as dificuldades no poder divino.

Benjamin está faminto, faminto pelas faíscas divinas em toda a existência. Assim, como um ‘lobo voraz’ Benjamin reconhece que sua missão é apaixonadamente buscar a energia divina embutida na matéria, devora-a, consome-a e eleva-a.

Doze tribos. Doze caminhos. Todos os necessários para chegar ao nosso destino.

Que personalidade você é? Que parte você precisa desenvolver?

Que possamos descobrir o nosso caminho e vivê-lo. E que isso nos ajude a alcançar o tempo – no fim dos dias – quando nós vamos ganhar clareza quanto a quem pertence a tribo. (veja Rambam, leis de Reis 12:3) Talvez o significado desta revelação seja a cristalização que virá no tempo em que o “mundo será preenchido com o conhecimento divino como as águas cobrem o mar.”

Tradução: Mário Moreno.