Mário Moreno/ Abril 12, 2018/ Artigos

Ezequiel 38 e a batalha que se aproxima para Israel

Certamente o Senhor IHVH não fará cousa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas(Am 3:7).

Especialistas do fim dos tempos estão falando muito sobre a guerra de Gog e Magog de Ezequiel 38–39, uma profecia que prevê uma confederação poderosa, aparentemente liderada pela Rússia, que é destinada a invadir Israel. Alguns pensam que o seu cumprimento é mesmo batem à nossa porta.

Mas uma menor e menos conhecida profecia está ganhando impulso e importância para o nosso dia: o salmo 83, em que uma Confederação diferente tenta destruir Israel.

Este Salmo parece ser abordando questões atuais no Oriente Médio — nações que conspiram para destruir Israel.

Visão da Asaph de uma futura guerra

Ó Elohim, não estejas em silêncio; não cerres os ouvidos nem fiques impassível, ó Elohim. Porque eis que teus inimigos se alvoroçam, e os que te aborrecem levantaram a cabeça(Sl 83:1–2).

Salmo 83 é mais do que uma oração ou um pedido a D-us por vingança contra os inimigos de Israel; ele revela que uma Confederação de 10 membros quer destruir o povo escolhido e possuir a terra prometida.

Este Salmo, no entanto, não foi escrito durante um tempo de guerra. Foi escrito há 3.000 anos pelo líder de adoração do tipo David, Asaph, durante um período de grande prosperidade, liberdade e paz.

O Rei David decisivamente havia triunfado sobre os inimigos de Israel, e Israel poderia expandir livremente, desde que as superpotências do Egito e Assíria estavam ambos em declínio. (Aish)

O Reino de David, portanto, estendeu-se desde o Mar Vermelho até o Eufrates.

Mas Asafe não era apenas um adorador; de acordo com II Crônicas 29:30, ele também era um chozeh (vidente ou profeta).

Como um profeta, Asaph viu além deste período de paz, um tempo quando esta Confederação procuraria a total destruição de Israel. Esse tempo agora parece estar se aproximando.

Disseram: Vinde, e desarraiguemo-los para que não sejam nação, nem haja mais memória do nome de Israel(Sl 83:4).

Mesmo que a visão de Asaph foi dada em um tempo de paz, deve ter sido motivo de preocupação desde que estes nomeados nesta Confederação anteriormente tinham demonstrado seu ódio contra Israel.

Claro que, até hoje, conspirar contra o povo judeu não é considerado nada de novo. Dos filisteus até os nazistas, o povo judeu ter sido odiado.

Porque eis que teus inimigos se alvoroçam, e os que te aborrecem levantaram a cabeça. Astutamente formam conselho contra o teu povo, e conspiram contra os teus protegidos(Sl 83:2–3).

Motivo da coligação: quebrar a Aliança Abraâmica

Porque à uma se conluiaram; aliaram-se contra ti(Sl 83:5).

A coligação de 10 membros do salmo 83 forma uma aliança com os outros contra não apenas a nação de Israel, mas contra o D-us de Israel.

A coalizão não se satisfaz somente em destruir Israel como uma nação; eles querem apagar a memória do nome de Israel, e com efeito, quebrar a Aliança Abraâmica.

Na Aliança Abraâmica, D-us promete que um povo escolhido virá através de Avraham (Gn 22:17–18), através de de Itshaq (Gn 26:2–4) e Ia´aqov (28:14 Gn) e que D-us lhes daria a terra prometida (Gn 15:18; Js 1:4).

E apareceu-lhe o IHVH, e disse: Não desças ao Egito; habita na terra que eu te disser: Peregrina nesta terra, e serei contigo, e te abençoarei; porque a ti e à tua semente darei todas estas terras, e confirmarei o juramento que tenho jurado a Avraham teu pai; e multiplicarei a tua semente como as estrelas dos céus, e darei à tua semente todas estas terras; e em tua semente serão benditas todas as nações da terra(Gn 26:2–4)

Claro, se através de uma coalizão humana o adversário poderia acabar com o nome de Israel, que efetivamente faria com que o mundo olhasse para o D-us de Israel como impotente e um mentiroso.

Isso anularia também outras promessas, incluindo o seguinte:

  • Pacto davídico / trono eterno (II Sm 7:12–13; Is 9:6–7; Lc 1:31–33)

Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, El forte, Pai da eternidade, Príncipe da paz. Do incremento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de David e no seu reino, para o firmar e o fortificar em juízo e em justiça, desde agora para sempre; o zelo do Senhor dos Exércitos fará isto (Isaías 9:6–7)

  • Restauração da aliança / eterna relação (Jr 31:33; Jo 14:16–17).

Mas este é o concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o IHVH: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Elohim e eles serão o meu povo(Jr 31:33).

A palavra de D-us, no entanto, é precisa e confiável, e nenhum adversário pode frustrar os planos de D-us.

Sua aliança com Avraham é incondicional e eterna. Mesmo depois da desobediência de Israel, que ele previu, ele traria seu povo à sua própria terra após um período de exílio.

Dize portanto à casa de Israel: Assim diz o Senhor IHVH: Não é por vosso respeito que eu faço isto, ó casa de Israel, mas pelo meu santo nome, que profanaste entre as nações para onde vós fostes. E eu santificarei o meu grande nome, que foi profanado entre as nações, o qual profanastes no meio delas; e as nações saberão que eu sou o IHVH, diz o Senhor IHVH, quando eu for santificado aos seus olhos. E vos tomarei dentre as nações, e vos congregarei de todos os países, e vos trarei para a vossa terra(Ez 36:22- 24).

E D-us tem vindo a desempenhar nesta profecia e outros como ele, muito para o desespero das pessoas que procuram acabar com a própria memória de Israel.

A coligação de 10 membros

Enquanto muitos inimigos de Israel queriam destruir a nação de Israel e o povo judeu, Asaph, especificamente, identifica dez nações / grupos que se unem para formar uma coalizão para isto mesmo: “Porque à uma se conluiaram; aliaram-se contra ti: as tendas de Edom, e dos ismaelitas, de Moabe, e dos agarenos, de Gebal, e de Amom, e de Amaleque e a Filístia com os moradores de Tiro. Também a Assíria se ligou a eles: foram eles o braço dos filhos de Ló(Salmo 83:5–8).

Enquanto estes grupos são já não identificáveis pelos seus antigos nomes, Bill Salus, autor de Israelita e salmo 83: The Missing profecia revelou verifica os equivalentes modernos / descendentes desses membros de coalizão como o seguinte:

  • Tendas de Edom: Os palestinos e jordanianos do Sul
  • Ismaelitas: Sauditas (Ismael é o pai dos árabes)
  • Moab: Os palestinos e jordanianos Central
  • Hagrites: Egípcios (Hagar é uma matriarca egípcia)
  • Gebal (Byblos): Hezbollah e norte libanês
  • Amon: Os palestinos e jordanianos do Norte
  • Amaleque: Os árabes da área Sinai
  • Philistia: Hamas da faixa de Gaza
  • Tiro: Hezbollah e Líbano do Sul
  • Assíria: Sírios e do norte do Iraque

Salus tem trabalhado para identificar alguns destes antigos grupos com base em seus locais antigos e outros por onde eles migraram.

Autor Joel Richardson também identificou cada membro do grupo, bem como, baseando suas conclusões apenas em sua antiga localização do 10° século A.C.; portanto, suas localizações e conclusões diferem ligeiramente de Salus.

Objetivo a coligação: destruir Israel

Enquanto esta coligação de 10 membros pode ainda não ser abertamente unida em uma ação contra Israel, estas nações existem hoje e já estão Unidas sob os valores do Islã.

Além disso, o Islã é influenciado por uma rivalidade que remonta a Ismael e Itshaq e Esav e Ia´aqov.

Este antigo ressentimento contra o filho da promessa é talvez alimentando por ataques e conspirações contra a existência do Estado judeu.

Claro, estes 83 países ativamente conspiram hoje para assumir a terra de Israel e torná-lo seu próprio ou para impedir que Israel se tornar um Estado judeu. Em outras palavras, eles querem fazer de Israel um país que não pode proteger e abrigar o povo judeu daqueles que os odeiam.

  • Palestinos — tendas de Edom (Esav); Moab e Amon (filhos de Lot)

Embora Israel esteja atualmente em negociações de paz com a Autoridade Palestina (AP) para uma solução de dois Estados, em 11 de janeiro de 2014, o Presidente da AP, Mahmoud Abbas, esclareceu as suas intenções sobre a existência de Israel:

“Nós não reconhecemos ou aceitamos o estado judeu de Israel. Temos muitas desculpas e motivos que nos impedem de fazê-lo” Abbas disse.

“Marcharemos para Jerusalém na casa dos milhões, como pessoas livres e heróis,” afirmou. (JPost)

  • Jordanianos — tendas de Edom; Moab e Amon

Embora a Jordânia e Israel têm desfrutado um Tratado de paz desde 1994, em 2 de fevereiro de 2014, o Ministro dos negócios estrangeiros Nasser Judeh disse em seu Parlamento que Israel não deve ser reconhecido como um Estado judeu pela Jordania, nem a Jordania deve acolher os refugiados palestinianos (tendas de Edom). (ArutzSheva)

Em resposta, em 8 de fevereiro de 2014, o Parlamento da Jordânia decidiu não reconhecer Israel como um Estado judeu. (i24news)

  • Hezbollah e Líbano — Gebal (Byblos) e Tiro

Enquanto o Hezbollah, grupo terrorista com base no Líbano, tem ajudado o presidente sírio Assad travar uma guerra contra os rebeldes, em 2 de agosto de 2013, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, saiu do esconderijo para lembrar o povo do Líbano que “Israel representa um perigo em todas as pessoas desta região, incluindo o Líbano, e removê-lo é um interesse nacional libanes” (JPost).

Em fevereiro de 2014, Nasrallah reforçou esta ideia, enganosamente, dizendo o povo libanês que “Israel ainda é um inimigo e uma ameaça ao povo do Líbano, água, óleo, segurança e soberania”.

  • Hamas — filisteus 

Apesar de Gaza ser oficialmente parte da Autoridade Palestina governada pelo Presidente Abbas, o grupo terrorista Hamas (significa “violência” em Hebraico) governa de Gaza e está pronto para formar uma coalizão com qualquer grupo muçulmano disposto a resistir a Israel.

Seus Estados de carta: “[Hamas] só vai ser de ajuda para todas as associações e organizações que atuam contra o inimigo sionista e aqueles que giram em sua órbita”.

Em janeiro de 2014, o ministro do Interior de Hamas Fathi Hamad disse que o objetivo do Hamas é a destruição total de Israel.

“Viremos contra os sionistas com todos os nossos líderes e soldados” Hamad disse. “Você tem apenas oito anos na terra da Palestina antes de seu fim” (JPost).

  • Egípcios (ou possivelmente do Norte jordanianos) — Hagrites ou Agarenos

Um ano depois que a liderança da irmandade muçulmana no Egito foi derrubada em um golpe, este país tem trabalhado para minar o poder do Hamas de Gaza.

“Nós não podemos obter liberdade do terrorismo da irmandade no Egito sem exterminá-lo em Gaza, que se encontra nas nossas fronteiras” disse um agente de segurança sênior egípcio, que não citou seu nome. (Reuters)

Para realizar isto, o Egito tem estacionados milhares de tropas e equipamento no norte do Sinai, bem além do número permitido pelo Tratado de paz de 1979 entre Egito e Israel. Com outro golpe ou mudança de direção, o Egito está agora bem posicionado para um ataque ao Sul em Israel.

Mas pelo menos um comentarista acredita que os egípcios não são os Agarenos. Com base em I Crônicas 5:10, que especifica uma região a leste de Gileade, Joel Richardson acredita que os Agarenos são os jordanianos do Norte.

Se ele estiver correto, então a paz e a cooperação que Israel está desfrutando com o Egito podem continuar através da guerra. (wnd)

  • Sauditas (ou todos os árabes) — ismaelitas

Salus acredita que Arábia Saudita representa o povo de Ismaelita no Salmo 83. Como a maioria dos árabes em todo o Oriente Médio e África, os sauditas afirmam ser o verdadeiro povo escolhido (como descendentes de Ismael).

Considerando que a Arábia Saudita é um aliado dos Estados Unidos e um inimigo do Irã, pode parecer que não está envolvido em uma coalizão contra Israel.

Não obstante, Arábia Saudita votou “não” para a resolução das Nações Unidas de 1947 para criar um Estado judeu e suportando as invasões árabes de 1948, 1967 e 1973 com tropas, bem como com as finanças. Eles não têm relações diplomáticas com Israel.

  • Árabes do Sinai (ou da área de Negev) — Amaleque (neto de Esav)

Bill Salus coloca os amalequitas no Sinai. Ele acredita que eles eram parte da família de Esav (os edomitas) que migraram para a área de Sinai, que é parte do Egito.

Outros, no entanto, acham que os amalequitas originados perto de Meca e pelo 10° século BC, migraram para a área de Negev do moderno Israel (wnd). É possível, portanto, que alguns árabes-israelenses atualmente desfrutando a cidadania dentro de Israel sejam parte deste grupo.

Com efeito, alguns árabes dentro de Israel olhem para sua posição como um no Estado judaico e nem tem representação árabe no Knesset (Parlamento):

“Israel deve ser definido como um estado de sua própria nacionalidade. Existem duas nacionalidades em Israel. Uma é [a] maioria judaica, outra é [a] minoria árabe-palestino, “disse o vice-presidente do Knesset Ahmad Tibi em janeiro de 2014”. “Dizer que Israel é o estado judeu é negligenciar nossa existência, nossa existência e nossa narrativa, e não vou aceitar isso”, ele acrescentou. (CBC)

  • Sírios e iraquianos norte (e possivelmente Turquia) — Assíria

Desde a criação de Israel e a Síria, no século 20, nunca foram estabelecidas relações diplomáticas entre estes dois países, que partilham uma fronteira. A Síria atacou Israel em três grandes guerras, em 1948, 1967 e 1973.

A situação na Síria é extremamente volátil. Enquanto Presidente Bashar Assad compartilha o ódio comum para Israel com seus vizinhos, os Estados Unidos da Síria está preocupado que, se ele é derrotado em sua guerra civil, muitos milhares de jihadista rebeldes, incluindo Hezbollah, vai assumir o controle e ansiosamente angariar apoio para uma guerra contra Israel. (foxnews)

Embora os EUA apoiem a defesa de Israel contra essas ameaças nacionais, o Secretário de estado dos EUA John Kerry involuntariamente apoiou as ambições da coligação quando ele disse em 13 de março que Israel não deve exigir o PA a reconhecer Israel como um Estado judeu.

O profeta apela para vitória

No Salmo 83, o profeta Asafe agrada a D-us, pedindo-lhe para fazer com que os membros da coalizão pereçam em desgraça (Sl 83:9–18).

Na verdade, Obadiah, Ezequiel 25–27, 37:10 e Jeremiah 49:1–6 profetizaram que esses membros da coalizão certamente perecerão e serão e amaldiçoados como Gn 12:3 prevê:

E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra“. Estes versos proféticos tem ligações que parecem referir-se a vitória de Israel no Salmo 83.

Um resultante da segurança regional pode fazer sentido; Israel está maduro para a batalha de Ezequiel 38 — a invasão de uma coalizão de nove membros, cujos líderes dizem,

E dirás: Subirei contra a terra das aldeias não muradas, virei contra os que estão em repouso, que habitam seguros; todos eles habitam sem muro, e não têm ferrolho nem portas; a fim de tomar o despojo, e de arrebatar a presa, e tornar a tua mão contra as terras desertas que agora se habitam, e contra o povo, que se ajuntou dentre as nações, o qual tem gado e possessões, e habita no meio da terra(Ez 38:11–12).

Enquanto Israel hoje é realmente prospero e é um país seguro para visitar, ela terá riquezas incríveis e incomparável segurança após a vitória do salmo 83 completa.

Salmo 83: A profecia pendente

Alguns teólogos têm argumentado que a batalha de destaque no Salmo 83:5–8 foi cumprida na guerra de 1948 de Israel pela independência; no entanto, as tendas de Edom (sul da Jordânia) (refugiados ou acampamentos militares) só surgiram em 1949, após o fim da guerra.

E desde que o salmo 83 enumera-los primeiro, Salus acredita que as tendas de Edom irão desempenhar um papel chave na guerra.

Outros teólogos usaram o argumento de que a guerra dos seis dias 1967 cumpriu esta profecia; ainda, apenas uma parte dos dez membros listados foram envolvidos nessa guerra, então a guerra dos seis dias não parece ser o cumprimento desta profecia do fim dos tempos.

Desde que nenhuma dessas guerras precisamente cumpriu a profecia, podemos entender que alguma futura guerra envolvendo uma coalizão de 10 membros irá fazê-lo.

Hoje, essa coalizão, que é unida sob valores comuns e as motivações do Islã, se encaixa nos requisitos da profecia como nenhum outro período da história.

Portanto, muitos acreditam que a guerra no Salmo 83 vai acontecer em breve, antes da invasão de Ezequiel 38.

Na verdade, nenhum dos membros da coalizão do salmo 83 são mencionados em Ezequiel 38, apesar do livro de Ezequiel menciona-los em outro lugar.

Armadilhas na interpretação da profecia

Ó Jerusalém! sobre os teus muros pus guardas, que todo o dia e toda a noite de contínuo se não calarão: ó vós, os que fazeis menção do IHVH, não haja silêncio em vós, nem estejais em silêncio, até que confirme, e até que ponha a Jerusalém por louvor na terra(Is 62:6–7).

Há um ditado que a aprendizagem é 20/20. Da mesma forma, a profecia bíblica é mais facilmente entendida em retrospectiva, após sua realização.

Ainda, salmo 83 lembra-nos que nós devemos manter um olhar atento sobre o Oriente Médio e orar pela paz de Jerusalém, bem como estudar diligentemente a palavra de D-us.

Como podemos ver, ao orar e estudar, D-us nos dará sabedoria de como se desenrolam os acontecimentos e as peças do quebra-cabeça profético entram em cena.

E quando o fazem, essa cena será iluminada na mesma parede onde D-us mostrou seu plano para Israel e a humanidade e onde as profecias messiânicas estão permanentemente cumpridas.

Mas Israel é salvo pelo IHVH, com uma eterna salvação; pelo que não sereis envergonhados nem confundidos em todas as eternidades(Is 45:17)

Faço chegar a minha justiça, e não estará ao longe, e a minha salvação não tardará: mas estabelecerei em Sião a salvação, e em Israel a minha glória(Is 46.13).

Tradução: Mário Moreno.