Ieshua e o bar mitzvá

Mário Moreno/ dezembro 1, 2017/ Artigos

Ieshua e o bar mitzvah

O costume conhecido como Bar Mitzvah do judaísmo, era reconhecido quando Ieshua era um menino.

Um dos costumes mais conhecidos do povo judeu é uma vinda de idade cerimônia chamada o Bar Mitzvah (filho do mandamento) e bat Mitzvá (Filha do mandamento).

O significado do termo Bar (filho) e n (filha) Bat Mitzvah (mandamento) implica a importância deste Marco na vida de um jovem judeu, uma vez que esta é a idade quando eles assumem a responsabilidade pelas suas próprias ações e fé em D-us.

Os rapazes têm seu Bar Mitzváh aos 13 anos, enquanto as meninas têm seu bat Mitzvah aos 12.

Enquanto alguns acreditam que a cerimônia de Bat Mitzvah (filha) é uma recente inovação, provavelmente decorrentes na década de 1920, na América, há evidências de arquivamento da grande sinagoga em Roma datando de 2300 anos atrás, de jovens mulheres que foram convocadas na sinagoga diante de toda a Comunidade para publicamente marcar sua maturidade.

Ao contrário da reforma e Judaísmo conservador, a maioria das comunidades Ortodoxas Judaicas ainda não aceitarem o Bat (filha) Mitzvah, apesar de alguns avanços estão sendo feitos.

Uma cerimônia não é necessária para marcar este evento; no judaísmo, é quando uma criança de certa idade torna-se um filho ou filha do mandamento e cruza a linha divisória de sua adolescência.

Os pais na verdade alegram-se porque já não são responsáveis diante de D-us pelos pecados de seus filhos. O rapaz agora é responsável pelos seus atos.

Entre as muitas orações lindas do dia, este é feita pelo pai da criança: “Baruch sh’ptarani m’onsho shel zeh. Bendito é aquele que liberta-me das sanções devidas a este”.

Enquanto tal uma oração pode parecer surpreendente, esta benção ajuda a impedir que as crianças de se tornarem presas no padrão de exploração da culpa, e vai pô-los firmemente no caminho de se tornarem adultos saudáveis que podem aceitar responsabilidade por suas próprias ações.

Por que Bar Mitzvah e não Ben Mitzvah?

Enquanto a palavra em Hebraico para “filho” é ben, a palavra aramaica para filho é “bar” Mitzvah (mandamento) é hebraico e aramaico. Aramaico era a língua falada pelos judeus na Babilônia e de Israel e Ieshua provavelmente falava aramaico, Hebraico e grego como a linguagem comum do dia.

As famosas palavras de Ieshua, faladas em agonia na Cruz foram em aramaico: Eli Eli L-mah-Na Sa’a-Ba’ach-Ta’a-Ni, que significa “Meu D-us, meu D-us, por que me desamparaste?”

Alguns estudiosos julgam que o livro de Mateus e talvez todos da Brit Hadasha (Restauração da Aliança) foram originalmente escritos em hebraico.

Nova relevância da aliança

“E, tendo ele já doze anos, subiram a Jerusalém, segundo o costume do dia da festa [Páscoa]” (Lc 2:42).

Aprendemos na Brit Hadasha que Ieshua foi 12 anos de idade quando ele próprio já era responsável por sua própria relação com D-us. Ele disse, “Não sabeis que me convém tratar dos negócios de meu pai?” (Lc 2:49).

Ele fez esta declaração quando seus pais, Iosef e Miriam, pensavam que ele estava perdido; então eles retornaram pela caravana de sua cidade natal de Nazaré de sua visita de Páscoa para Jerusalém. Quando eles finalmente localizaram Ieshua, encontraram-no como qualquer um ‘bom garoto judeu depois do Bar Mitzvah’, que era susceptível de estar—no templo conversando com os rabinos e estudiosos. Este aluno especial, no entanto, era diferente de qualquer outro. Impressionam-se os rabinos com sua compreensão, a sabedoria e o conhecimento da drasha (ensino). “E aconteceu que, passados três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e perguntando-lhes. E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas” (Lc 2:46-47).

O fato de que este é o único evento registrado da infância de Ieshua demonstra sua importância.

Ieshua é que o exemplo ideal do que um Bar Mitzvah idealmente deve aproximar-se: tornar-se um filho perfeito dos mandamentos do pai (Bar Mitzvah).

Este não é o clamor de cada coração piedoso da mãe e do pai para seus filhos e filhas que iriam receber a palavra de D-us e serem obedientes aos Seus mandamentos?

“Filho meu, se aceitares as minhas palavras, e esconderes contigo os meus mandamentos, para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido, e para inclinares o teu coração ao entendimento, E se clamares por entendimento, e por inteligência alçares a tua voz, se como a prata a buscares e como a tesouros escondidos a procurares, então entenderás o temor do IHVH, e acharás o conhecimento de Elohim” (Pv 2:1-5).

Fundo histórico do Bar Mitzvah

A cerimônia de Bar Mitzvah não se tornou comum até a Idade média como uma iniciação oficial para os meninos na adolescência judaica aos deveres religiosos.

Porque não há nenhuma referência bíblica específica para o Bar Mitzvah, seus antecedentes históricos são difíceis de rastrear. Aprendemos com os antigos escritos dos rabinos, no entanto, que era a idade de 12 ou 13 considerada a idade de responsabilidade.
Aos 13, um rapaz judeu que geralmente ter concluído seu início de estudos Hebraicos e estudos religiosos, embora o estudo das Escrituras deva continuar durante toda uma Vida do judeu.
Nessa idade, da criança era esperado assumir mais deveres e responsabilidades da vida religiosa, tais como a celebrar as festas do Senhor, jejum em dias de jejum e usar um Talit na sinagoga.

Antes disso, os pais geralmente assumiriam toda a responsabilidade para as ações infantis ações, votos, disciplina e formação religiosa. No entanto, estas coisas começam com a transição para a criança neste momento, que é marcada por esta cerimônia especial.

Bar Mitzvahs hoje

Preparar-se para um Bar Mitzvah leva um tempo considerável, custo e esforço para os pais.

Vale a pena este investimento, desde que a cerimônia em si é bonita e significativa como a criança é levada a uma parte do serviço da sinagoga.

Crianças judias que se preparam para esta cerimônia passam vários meses de um ano na sinagoga e estudos na escola hebraica, treinamento para este ritual e para entoar sua escolhida porção da Haftará (porção profética das escrituras), orações e bênçãos. As Orações em Hebraico podem incluir o tradicional Shema (“Ouve Ó Israel” Deuteronômio 6:4), a Amidá (a oração em pé / 18 bênçãos), Adon Olam (Senhor do universo) e vários Salmos. Após esta liturgia especial, a criança entoa a leitura semanal (Parashat e Haftará) da Torah e profetas em belas melodias judaicas tradicionais.

Estas notas musicais que acompanham a leitura são chamadas de Teamim. Estas melodias são tão antigas, que acreditam emergir do tempo de Moshe!

A criança de Bar Mitzvah é também dada uma honra muito especial durante a cerimônia. Antes de ler as escrituras, o cantor (líder de culto) ou pai abre o Aron ha Codesh (Arca) contendo os pergaminhos da Torah e dos profetas e coloca-os nos braços da criança. Quando as bênçãos são cantadas, a criança dirige uma procissão Santa pelos corredores da sinagoga, mantendo o pergaminho da Torah.

É prática comum para as pessoas mostrar sua reverência pela palavra de D-us estendendo o pergaminho e tocando seu manto com seu Talit ou o Sidur (livro de orações).

Após a escritura ser lida ou cantada, que são selecionadas a partir do ciclo anual de leituras da Torah mais próximos a data de nascimento da criança, o Bar Mitzvaando dá sua própria ‘Drash’ (comentário sobre a palavra), geralmente seguido por um discurso durante o qual eles também agradecem a família e amigos.

Muitas vezes pode ser uma experiência incrivelmente comovente e inspiradora ouvir a profundidade e insights espirituais de um jovem adolescente.

A sinagoga ou congregação geralmente dá um presente: uma Bíblia ou item religioso como um copo de kidush gravado para um garoto do Bar Mitzvah ou o primeiro par de Castiçais de Shabbat para uma garota de bar Mitzvah.

Muitas vezes, uma recepção ou festa segue a cerimônia. Presentes (muitas vezes de dinheiro em múltiplos de 18 que simbolizam o significado de ‘chai’ palavra hebraica “vida”), uma deliciosa refeição de comida e folclore israelense caracterizam o evento.

É tão parecido com uma recepção de casamento que, durante a dança, o bar Mitzvah menino ou menina pode ser içada em uma cadeira e alegremente desfilar ao redor da sala como é feito com os noivos durante a recepção.

Bar Mitzvahs no muro ocidental

Para as pessoas que vivem fora de Israel, alguns pais judeus dariam tudo para levar sua família para Israel para celebrar o Bar Mitzvah no muro Ocidental, também conhecido como o Kotel.

Este é um momento muito especial e é tão significativo por manter uma significativa cerimônia em Jerusalém no local onde ficava o antigo templo de Santo!

O ar fica “elétrico” com entusiasmo, cantando e alegrando-se. Pode haver um número de Bar Mitzvahs acontecendo ao mesmo tempo. Também é inspirador ver rapazes ortodoxos envolvendo-se com Tefilin em torno de seus braços e colocá-los sobre suas testas, para dizerem as orações.

Tefilin são tiras pretas que tem duas pequenas caixas pretas com versos das escrituras em si mesmas, que servem como um lembrete de que as palavras da Torah devem estar sempre diante dos nossos olhos, em nossos corações e guiar nossas ações.

Colocar o Tefilin é bíblico em sua origem (Dt 6:5-8).

“Amarás pois o IHVH teu Elohim de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão e te serão por testeiras entre os teus olhos” (Dt 6:5-8).

Em cerimônias no muro ocidental (Lamentações), o garoto do Bar Mitzvah lê a porção dele da Haftará e desfila então com a Torah em torno da área dos homens do Muro ocidental, enquanto outros seguem.
Porque as mulheres não são permitidas estar no lado dos homens, elas são muitas vezes vistas em pé na ponta de seus pés nas cadeiras a espreitar por cima da partição para ver com cuidado as atividades de seus filhos, irmãos ou sobrinhos.

As mulheres participam aplaudindo a criança Bar Mitzvah e também por regá-los com doces, após terminarem a leitura de sua Haftara (porção profética da leitura).

Adaptações messiânicas do Bar Mitzvah

Seguidores do Messias Ieshua encontram problemas às vezes para ter um Bar Mitzvah.

Sinagogas tradicionais, mesmo conservadoras ou reformistas, muitas vezes não estão dispostas a hospedar uma cerimônia de Bar Mitzvah para uma criança de uma família de judeus messiânicos. Em Israel, bem como na diáspora, o número crescente de Congregações messiânicas torna possível realizar a cerimônia na companhia de outros seguidores de Ieshua, onde estas crianças podem declarar abertamente sua fé em Ieshua como o Messias prometido de Israel. O Bar-Mitzvah messiânico para o jovem que acredita em Ieshua o Ungido é distintivo, como geralmente reflete o empenho pessoal da criança com ele.

Recentemente, aqui em Israel, uma jovem garota chamada Liat teve seu próprio bar Mitzvah. Um dos destaques da cerimônia foi a bênção transmitida sobre ela pelo Ro’eh Kehilla (pastor da Congregação), juntamente com todas as pessoas idosas, que falaram também profeticamente sobre o destino da vida dela.

Liat foi presenteada com um pingente ‘True Love Waits’, acompanhado de orações que D-us iria ajudá-la a manter a sua pureza e inocência até ela entra em uma aliança de casamento sagrado sob a chupah (dossel tradicional sobre a noiva e o noivo em um casamento judaico). Como seguidores de Ieshua, nós somos cada um filhos e filhas do D-us vivo. Como nós crescemos em direção à maturidade em nossa fé, nós podemos ser exemplos de vida para as pessoas que guardam seus mandamentos e vivem na sua graça.
Enquanto algumas pessoas judias hoje acreditam que o Bar Mitzvah seja simplesmente como uma cerimônia ou ritual para ser executado, outros dão a ele um grande significado e um significado espiritual. Infelizmente, em Israel alguns jovens messiânicos estão sendo perseguidos por serem judeus que creem em Ieshua. Muitas crianças que tiveram Bar e Bat Mitzvahs messiânicos estão condenadas ao ostracismo em escolas e em suas comunidades.

Alguns têm mesmo sido espancados por sua fé, mas você pode orar por eles, que confessam Ieshua como o Messias de Israel.

“Eu abençoarei os que te abençoarem” (Gn 12:3.).

Tradução: Mário Moreno.