Mário Moreno/ Abril 13, 2018/ Artigos

Não apenas uma ferramenta

“e ele mobilizou seus discípulos…” (14:14)

Depois de descobrir que seu sobrinho Ló tinha sido capturado, Avram mobiliza seus discípulos em uma tentativa de libertar seu parente. A palavra que a Torah usa para discípulos é “chanichav” {14:14}. Rashi comenta que “chinuch” – “educação” provém da palavra “lechanech” – “inaugurar {Ibide}”; a educação estabelece padrões de comportamento que seguem uma pessoa ao longo de sua vida.

Na Parshas Tetzaveh, Rashi oferece uma visão fundamental sobre o papel da educação na vida de um indivíduo. A Torah usa a expressão “milui ‘” – “preenchimento das mãos” para descrever o processo inaugural do Cohanim {28:41}. Rashi comenta que sempre que a Torah usa o termo “milui ‘” se refere a “chinuch“, e menciona o costume medieval de colocar uma luva na mão de uma pessoa que está sendo nomeada para uma nova posição {ibid}. Daí a expressão “enchimento das mãos” é apropriada.

A introspecção psicológica neste costume é baseada no conhecimento que a maioria de povos veem seus trabalhos como meios por que para sustentar-se e sua família; sua única razão para trabalhar é que eles exigem a compensação financeira. Muito poucos indivíduos realmente receber o cumprimento do trabalho em si. Ao colocar um objeto nas mãos do nomeado, estamos transmitindo-lhe a mensagem de que estamos certos de que esta posição não só será um meio para um fim, mas a própria fonte de sua realização; Ele vai encher as mãos dele.

Ao comparar “enchimento das mãos” com “chinuch“, Rashi revela uma responsabilidade crucial para os pais e educadores. Nós não somos apenas obrigados a transmitir informações para os nossos alunos para que eles possam continuar a se tornar bem-sucedidos em suas atividades de vida; devemos incutir neles a noção de que a busca real do conhecimento deve ser, em si, a fonte de sua realização. A educação não é meramente o facilitador de maiores realizações, mas um esforço de longa duração que é, em si, gratificante e satisfatória.

Um arremesso para a mamãe

“… e ele armou sua barraca…” (12:8)

Os registros do versículo que Avraham arremessou sua barraca usando o sufixo pronominal “Hay” em vez de “vav” na palavra hebraica “Ohalo” – “sua barraca {12:8}”. Isso permite que a palavra seja lida como “ohalah” – “sua barraca”. O Midrash observa que isto ensina-nos que Avraham honrou sua esposa armando sua barraca primeiramente {Rashi ibid}. Por que a honra de Avraham de sua esposa sendo ensinada neste momento em particular? Além disso, por que esta mensagem é apontada especificamente em referência a erguer sua barraca? Por fim, por que a Torah ensina esta mensagem de forma velada ao invés de afirmar claramente “ele armou sua barraca”?

Uma das maiores causas para a proliferação de famílias disfuncionais nos tempos modernos é a negligência de papéis dentro da unidade familiar que são cruciais para o seu bem-estar. Em particular, minimizar o papel da mulher como mãe levou a consequências devastadoras para a criação de crianças. Sucumbir às pressões sociais, as mulheres ganham respeito de acordo com sua perspicácia de negócios e capacidade de ganhar pão. A capacidade de uma mulher para alcançar o sucesso no mundo exterior tornou-se a única saída para seu senso de auto-expressão.

A Torah está nos ensinando o antídoto para esta doença insidiosa que penetrou em nossas vidas. O versículo antes de Avraham lançando registros de Sarah tenda que Avraham construiu um altar para Hashem que apareceu para ele. Rashi comenta que este altar foi uma demonstração de gratidão por ser notificado por Hashem de que ele se tornaria um pai. Quando ele partiu para Eretz Yisroel, Avraham foi prometido que uma grande nação se originaria dele. A reiteração desta noção implica que a paternidade era iminente {12:7}. Desde que Sarah era a única esposa de Avraham na época, ele entendeu que ela seria a mãe de seus filhos, a fonte de sua continuidade. Até esse ponto Avraham e Sarah tinham papéis iguais; Avraham pregava para os homens e Sarah para as mulheres. Com o conhecimento de que ela se tornaria a mãe de seus filhos, o foco inteiro de Avraham a respeito dela mudou. Sua barraca se tornou sua barraca. A Torah reflete esta mudança soletrando a palavra que se refere a sua barraca como se fosse sua barraca. Avraham mostrou Sarah que o papel mais importante que ela desempenha e, portanto, o papel para o qual ela merece o maior respeito é a da maternidade.

Se os homens querem que suas esposas assumam o manto da maternidade com todas as suas responsabilidades, eles devem entregar uma mensagem clara sobre o grau em que eles respeitam e apreciam a importância e a dificuldade desse papel. Inversamente, se um homem enfatiza aspectos que acentuam o papel de sua esposa como uma esposa, como olhar o seu melhor em todos os momentos, ao invés de acentuar a sua aptidão em cuidar das crianças, ele se torna a fonte do problema. Cada mulher está ciente de que o papel mais árduo que ela vai cumprir na vida é o de ser mãe. Se uma mulher não receber incentivo e reconhecimento de seu marido para este empreendimento, ela vai procurar em outro lugar sua auto-expressão.

Esta mensagem é dirigida para casa pelo nosso patriarca, Avraham. Percebendo que Sarah vai assumir o manto da maternidade, ele mostra-lhe que não há nada mais significativo para ele do que o papel que ela está prestes a cumprir.