Mário Moreno/ Abril 6, 2018/ Artigos

Um grão de Chometz

Para quem come chometz, essa alma será cortada do povo judeu. (Shemos 12:15)

Se um pedaço de carne treif se mistura acidentalmente com duas peças idênticas de carne kosher, tornando impossível saber qual é qual, toda a mistura é kosher. Os rabinos nos dizem para não comer pelo menos um de três, mas a Torah permite.

Da mesma forma, se você estava mexendo o seu quente fleishig “cholent” em Erev Shabbas com uma mão enquanto bebia dos produtos lácteos café ao mesmo tempo com a outra mão, e alguém colidiu com você fazendo com que algumas gotas de seu café saltem para o “cholent”, você não pode ter que entrar em pânico. Se o leite desaparece no “cholent” e você sabe que era apenas um-sexagésimo ou menos em proporção, tudo ainda é kosher. Você pode comer essa “cholent” no shabbas com a consciência limpa.

“Bittul”, a anulação Halachá de uma substância proibida é um conceito notável e bastante contraproducente. Quem se importa se há carne mais kosher do que a carne treif? Quando a pessoa come o terceiro pedaço de carne, ele vai definitivamente ter comido o treif! Tão fora de dúvida, faz mais sentido não comer qualquer um dos três pedaços de carne, e de fato, alguns têm essa opinião.

Não porque eles discordam da Torah, D-us me livre, mas porque eles sabem como as pessoas pensam. Por que a Torah está nos dizendo que em tal situação de bittul o treif se torna kosher? Como? Só D-us sabe, e talvez alguns kabalistas também. Mas desde que a pessoa média não pode ocupar sua cabeça em torno disso, eles vão pensar que a Torah permitiu-lhes comer um pedaço de carne treif, o que é errado, completamente errado.

Portanto, uma opinião nos diz para jogar fora pelo menos uma peça, para que a pessoa não pode saber que ele é certamente comer o que era uma vez um pedaço de carne treif. Alguns dizem jogar fora dois, e alguns dizem três. Eles não querem que as pessoas pensem que podem ir contra a Torah com a permissão da Torah. Se qualquer um destes acontece a uma pessoa, devem consultar seu rabino ortodoxo local para uma decisão.

Uma exceção a esta regra é chometz. A partir do momento Pessach vem para quando ele sai sete dias (oito na diáspora) mais tarde, qualquer mistura chometz é proibida. Poderia ser 10 milhões porções de alimento Kosher l’Pesach a uma porção de chometz, e a mistura ainda é proibida. Não há bittul de chometz real durante Pessach. É no vernáculo Halachá, “Assur b’mashahu”, proibido mesmo na menor das quantidades.

Por que isso? Por que nós somos super rigorosos sobre chometz em oposição a outros issurim? Porque chometz em Pessach é um “Issur Kares” (uma pessoa é cortada do povo judeu)? Há outras “assureis Kares” que podem ser anuladas na quantidade certa. Existe mesmo uma base Halachá para tal rigor, além do fato de que os rabinos insistem nisso?

Se eles insistem nisso, há uma razão. E embora possa não ter a ver com os parâmetros Halachá de bittul, ele tem a ver com a realidade do próprio chometz, que é algo bastante cabalístico. Afinal, kabalistas descrevem a retificação do ser da criação, o resultado de D-us quebrar a letra Ches de “chometz” (escrito, Ches-mem-Tzaddi) na letra heh de “Matzah” (soletrado, mem-Tzaddi-heh). Isso tem que significar algo importante.

Isso só lhe diz que chometz, como delicioso e seminal uma coisa que é a vida, representa “tohu”, o nulo que precedeu a criação. Se a palavra foi transformada em “Matzah” para fazer a criação, então chometz, ou a base espiritual de chometz, tem que ser associado com o nulo e vazio que veio antes “Tikun Ma’aseh Bereishis”, a “retificação do ato de criação.”

Em um nível ainda mais simples, sabemos que chometz representa o yetzer Hara, a inclinação maligna do homem. Não se trata apenas de comida. É sobre qualquer coisa que sacia o corpo, seja algo que tomamos através de nossas bocas ou através de nossas experiências na vida. Se é materialista de alguma forma, é “chometzdik”, pelo menos no sentido conceitual. A única questão seria, então por que é admissível o resto do ano, e mesmo em quantidades generosas?

A resposta do curso está de volta no tempo, quando o povo judeu ainda estava no Egito. Algo aconteceu naquela época que nós tomamos para concedido, mas “outros” não. Outros perigosos e, ao que parece, chometz nos torna vulneráveis a eles.

Há uma regra na criação. Ele diz que quando uma pessoa age de forma boa moralmente, eles são protegidos das forças espirituais do mal. As “mitzvos” eles executam não só protegê-os contra o Klipos, o nome cabalística para a fonte do mal na criação, mas as mitzvos mesmo enfraquecem o Klipos. Teoricamente, o suficiente mitzvos realizada pode até eliminá-los completamente, mas até agora que tem sido apenas o desejo de pensamento.

Os pecados fazem o oposto. Eles atraem o Klipos para uma pessoa, e fortalecer o Klipos no processo. Se uma pessoa não faz Teshuvá e tomar cuidado contra o Klipos, então o Klipos tem permissão de D-us para atacar espiritualmente a pessoa, como fizeram em tantas ocasiões.

Infelizmente, esses ataques não são fáceis de reconhecer ou defender. Pelo contrário, a pessoa é atacada e pode meramente sentir livre da religião. Eles se sentem como se estivessem mais no comando de suas vidas, quando na verdade eles são realmente mais escravizados, obrigados a fazer a licitação do Klipos. É algo que tragicamente só se torna claro para uma pessoa, uma vez que é tarde demais para corrigir a situação, como momentos antes de sua partida deste mundo.

Isso só explica porque chometz deve ser um problema durante todo o ano. Por que é apenas um problema durante Pessach?

Porque uma grande injustiça foi feita contra os Klipos durante esta época do ano. O povo judeu tinha sido segurando no nível 49 de impureza espiritual até que as dez pragas começaram. Por todos os direitos, eles devem ter caído completamente nas mãos do Klipos – para o bem. O povo judeu não deveria ter sido salvo.

Em vez disso, por causa da promessa feita a Avraham Avinu que a oitava geração iria ficar livre, D-us dobrou as regras. Ele enviou Moshe Rabbeinu para o Egito, não só para libertar o povo judeu, mas para aumentar o seu mérito. Ele os sensibilizava artificialmente para a realidade de D-us, realizando milagres cada vez mais espetaculares. Com cada praga que passava, a luz divina só se tornou mais intensa até que o povo judeu teve que deixar o Egito rapidamente para salvar os Klipos, não eles mesmos.

Se você acha que o Klipos esqueceu essa “injustiça”, pense novamente. Muito pelo contrário, todos os anos neste momento eles são lembrados do que deveria ter sido, e o que era em vez disso. Torna-os vingativos, e eles olham para recuperar agora um pouco do que eles perderam naquela época.

Como um judeu longo permanece completamente chometz livre durante Pessach, o Klipos não pode chegar a eles. A luz de Pessach mais uma vez os mantém afastados, permitindo que a pessoa viva em vez disso, envolto pela luz libertadora de D-us. O Klipos não pode fazer nada, mas impotente assistir de longe.

Mas se uma pessoa tem mesmo uma partícula de chometz em Pessach, é como assobiar e gritar, “Hey Klipos! Estou aqui!” É como colocar um dispositivo de rastreamento em si mesmo que atrai o Klipos direito a você. A pessoa torna-se um “Korban Pessach” para o Klipos em vez disso. Não é uma opção muito atraente, e certamente um bom incentivo para se certificar de que a casa está bem limpa e devidamente verificada antes do “feriado da liberdade.”

Tradução: Mário Moreno.