Mário Moreno/ agosto 22, 2023/ Artigos

Construção de uma comunidade temente a D-us na terra prometida

Ki Tetze (quando sair)

Dt 21:10-25: 19; Is 54:1–10; Lc 23:1-25; I Co 5:1-5

Quando você sai [ki tetze] para uma guerra contra seus inimigos e o IHVH seu Elohim lhes dá em sua mão e levá-los em cativeiro(Dt 21:10).

Na porção passada, Parashat Shoftim focados no conceito de juízes, juízo e justiça.

O título da porção da Torah desta semana, Ki Tetze (quando saíres) é derivado da raiz hebraica palavra yatsa, significando “sair, ir ou vir para fora”. Isto refere-se aos filhos de Israel que deixaram o Egito e agora encontram-se em pé na fronteira para entrar na terra prometida, em cumprimento a promessa de D-us.

Nesta porção, D-us dá os israelitas uma série de leis que regem principalmente a vida doméstica e civil.

Este grupo de leis destina-se a construir uma comunidade de pessoas que não estão apenas preocupadas com seu próprio bem-estar, mas também com o bem-estar dos outros. D-us quer que seu povo demonstre misericórdia e bondade para todos, especialmente aqueles que são impotentes, indefesos ou oprimidos.

Estes incluem prisioneiros femininos de guerra, estranhos e estrangeiros, trabalhadores pobres, escravos refugiados, os filhos de uma mulher mal amada e os mais pobres da sociedade — órfãos e viúvas.

Israel mostrou a conduta virtuosa e mostrou amizade para não-judeus e isso foi  considerado um ato de santidade, uma vez que a bondade do D-us de Israel é, então, revelada ao mundo exterior.

O conceito de amizade é muito importante no judaísmo. A palavra hebraica para amigo, chaver, vem da palavra chibbur, significado “ser anexada” ou “se juntou”. Também pode significar ser um membro de um clube, sociedade ou grupo; portanto, para se tornar um chaver significa que encontramos um lugar de pertencimento e aceitação.

Para traduzir este ideal de uma comunidade moral e sensível, na realidade, a palavra de D-us fornece regulamentos para uma diversidade de situações — tudo, desde a proibição da Cruz, gênero das roupas ao respeito pelos animais e pássaros.

Criando comunidade temente a D-us

As leis escritas nesta porção podem parecer desconectadas e independentes, mas elas coletivamente representam o comportamento esperado de uma comunidade sob a autoridade de D-us.

Por exemplo, em toda a Torah, D-us está muito preocupado que tudo e todos que estão impuros, são capazes de profanar a Comunidade e portanto devem ser mantidos fora do acampamento. E porque “más conversações corrompem os bons costumes,” que D-us também mantém as influências corruptas fora tais como aqueles que roubam, mentem, enganam, cometem adultério e mesmo as crianças que são indisciplinadas.

A Torah revela que filhos piedosos são importantes para levar adiante as leis de D-us e bênçãos para as próximas gerações e, portanto, a Comunidade é também responsável para dar entrada na criação dos filhos.

Toda a Comunidade está envolvida em lidar com uma pessoa jovem rebelde, teimosa, que é um beberrão e glutão.

Nos tempos antigos, chamados de lei bíblica para tal um jovem poderia ser apedrejado até a morte depois de várias advertências; no entanto, é possível que esta penalidade nunca foi evocada contra um filho de Israel. É evidente, porém, intenção de que D-us é separar tal comportamento do resto da Comunidade.

Então deve guardar o mal do meio de ti; e todo o Israel deve ouvir e temer(Dt 21:21).

D-us também está preocupado com equidade nas relações de negócios, assim Ki Tetze fornece leis sobre os direitos de herança do primogênito, divórcio, pedir emprestado e emprestar dinheiro e a devolução de objetos perdidos.

Ele também descreve a penalidade para a escravidão involuntária: “Quando se achar alguém que furtar um dentre os seus irmãos dos filhos de Israel, e com ele ganhar, e o vender, o tal ladrão morrerá, e tirarás o mal do meio de ti(Dt 24:7).

Mesmo a coberta do excremento é tratada na Torah:

Porquanto o IHVH teu Elohim anda no meio do teu arraial, para te livrar, e entregar os teus inimigos diante de ti: pelo que o teu arraial será santo: para que ele não veja cousa feia em ti, e se torne atrás de ti(Dt 23:14).

Esta porção também enfatiza a importância de ter um bom começo em um casamento.

Um homem não deve ser enviado para a guerra por um ano após o casamento; ele vai ficar em casa e fazer sua noiva feliz. Que recém-casado não iria querer uma longa lua de mel?

Esta lei reitera não só a benignidade de D-us, mas também a importância que ele coloca sobre a sacralidade do Pacto de casamento (Dt 24:5).

Uma variedade de relacionamentos de casamento são discutidas, incluindo o casamento das mulheres capturadas em conquista, casamento levirato (onde o irmão do falecido homem é obrigado a casar com a viúva dele) e os casamentos com duas esposas.

Embora a lei de Moses permita mais de uma esposa (possivelmente devido a escassez de homens judeus), cada instância da poligamia no Tanakh está associada a contenda.

No entanto, a monogamia, é a forma ideal de casamento criado por D-us para Adão e Eva.

D-us confirma na Haftarah como isto é verdadeiro para sua noiva, Israel.

A fidelidade de D-us à sua noiva

A Haftarah correspondente (porção profética) discute o casamento através do retrato poético do profeta Isaías, de D-us e Israel como uma metáfora de marido e mulher.

Porque seu criador [עֹשַׂ֔יִךְ] é seu marido [בֹעֲלַ֙יִךְ֙] — o IHVH todo-poderoso é seu nome — o Santo de Israel é o teu Redentor; Ele é chamado o Elohim de toda a terra(Is 54:5).

Em Hebraico, é possível dizer a palavra “seu” em quatro maneiras: singular, plural, masculino e feminino, dependendo de quem você está falando. Na passagem acima, a palavra sua é na verdade o sufixo feminino singular ךְ. Israel como um povo é uma noiva monogâmica.

Enquanto Jerusalém chama-se “uma mulher estéril”, Israel é comparada com a esposa que é deixada abandonada e com o coração partido, a quem o Senhor vai se unir para intimidade.

Porque o IHVH te chamou como a mulher desamparada e triste de espírito; como a mulher da mocidade, que é desprezada, diz o teu Elohim(Is 54:6).

D-us torna claro nesta Haftara que sua ira contra sua infidelidade era apenas por um curto período de tempo:

Por um pequeno momento te deixei, mas com grande misericórdia te recolherei; em grande ira escondi a minha face de ti por um momento; mas com benignidade eterna me compadecerei de ti, diz o IHVH, o teu Redentor(Is 54:7–8).

Temos visto esta promessa revelar-se como o povo judeu é retirado ao redor do mundo para voltar para a terra prometida. Assim, também podemos ver o espírito de D-us movendo-se entre seu povo como muitos começam a abrir seus corações e os olhos para a verdade de quem seu Messias realmente é.

Definindo limites

Leis escritas nesta porção também estão preocupadas com a proteção pessoal e formam a base dos códigos de segurança de construção moderna.

Os proprietários e construtores são ordenados a construir trilhos ou paredes em um telhado liso para evitar quedas acidentais. Se assim é considerado um ato criminoso de negligência e o proprietário encontrado culpado de assassinato, se uma pessoa cai e é morre (Dt 22:8).

No judaísmo, este regulamento foi estendido para o conceito que nós devemos construir uma parede pessoal em torno de nós mesmos para garantir que nós não caíamos em pecado.

Por exemplo, um homem poderia abster-se de passar tempo sozinho com uma mulher que não seja sua esposa para evitar a possibilidade de descuidadamente, entrar em tentação. O livro de provérbios é cheio de tal sabedoria, precaução, emitir avisos, tais como a admoestação aos jovens para evitar mesmo a passar na casa de uma mulher com moral duvidosa.

Da mesma forma, uma pessoa que tem uma tendência para abusar do álcool sabiamente escolhe para evitar situações ou lugares onde o álcool é servido.

E em um dia e idade quando estar on-line pode se tornar um vício ou uma porta de entrada para o pecado, um pai sábio pode monitorar o uso da Internet e insiste que seu filho use o computador em um espaço aberto de casa ao invés de um quarto privado.

Definir estes tipos de limites é prudente e bíblica.

Lembre-se dos amalequitas

Embora D-us é lento para a ira, compaixão, e piedoso, há um grupo de pessoas tão cruel, que ele não estende esta graça a eles — os amalequitas.

Embora nós nunca guardamos rancor contra pessoas pessoalmente, nesta porção D-us adverte Israel para nunca esquecer o que Amaleque fez com eles quando eles deixaram o Egito: “Lembra-te do que te fez Amaleque no caminho, quando saíeis do Egito; como te saiu ao encontro no caminho, e te derribou na retaguarda todos os fracos que iam após ti, estando tu cansado e afadigado; e não temeu a Deus. Será pois que, quando o IHVH teu Elohim te tiver dado repouso de todos os teus inimigos em redor, na terra que o IHVH teu Elohim te dará por herança, para possuí-la, então apagarás a memória de Amaleque de debaixo do céu: não te esqueçasDt 25.17-19.

Após o Holocausto, quando os nazistas tentaram destruir todos os judeus da Europa e quase conseguiram, “nunca esquecer” se tornou o lema do povo judeu. Eles mantêm a memória viva; não odeiam perpetuamente os assassinos, mas lembram-se o que o espírito de genocídio e mal contra judeus é capaz de realizar.

Lembrando os sinais do espírito maligno, esperemos que possam tomar medidas para prevenir e conter outro genocídio quando os mesmos sinais surgirem novamente.

No entanto, o mesmo espírito que habitou Amaleque e os nazistas vive, especialmente nas pessoas que o cercam Israel e tramam aniquilar o povo judeu.

Eles fazem assim, mesmo que a Bíblia diz claramente que aqueles que procuram acabar com Israel e o povo judeu conhecerão o seu fim.

Embora uma frágil paz agora exista entre Gaza e Israel, o Hamas está ainda verbalmente prometendo aos palestinos que vai entregar-lhes a terra prometida.

E fora de Israel, muitos judeus devem lidar com ameaças, espancamentos e às vezes mortes como resultado de corações cheios de anti-semitismo.

Através de todo o ódio, ira e assassinatos, D-us promete que Ele nunca irá abandonar o seu povo, Israel, mas sempre irá mostrar o amor infalível e bondade com ele. Sua aliança de paz não será removida.

Porque as montanhas se desviarão e os outeiros tremerão; mas a minha benignidade não se desviará de ti, e o concerto da minha paz não mudará, diz o IHVH, que se compadece de ti” – Is 54:10.

Na tormenta, difícil dos últimos dias, por favor orar pela salvação do povo judeu e vamos levar a boa notícia de Ieshua à Terra Santa.

Tornará a apiedar-se de nós: subjugará as nossas iniquidades, e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar” (Mq 7:19).

Ouvi a palavra do IHVH, ó nações, e anunciai-a nas ilhas de longe, e dizei: Aquele que espalhou a Israel o congregará e o guardará, como o pastor ao seu rebanho(Jr 31:10).

Possamos aprender e obedecer à Palavra do Eterno colaborando para que o tempo da redenção da humanidade nos alcance através da vinda do Messias Ieshua!

Baruch ha Shem!

Tradução: Mário Moreno

Título original: “Ki Tetze – building a Godly community in the Promised Land”.