Na prisão

Mário Moreno/ novembro 10, 2017/ Artigos

Na prisão…

Dois homens presos. Presos por pregarem as boas novas de Ieshua, por libertarem cativos, por anunciarem que o tempo da salvação chegara. Presos. E na prisão, no cárcere mais profundo estavam eles, com grades a seu redor e também os pés presos a um tronco; literalmente trancafiados para não causarem problemas à cidade. Que situação! Uma prisão injusta, uma situação desagradável aos homens de D-us, mas eles não conseguiam deixar-se abalar pela situação! Mesmo numa cela fria e escura, onde deveriam sobrar dores, lamentos, reclamações, murmurações, escárnios, eles provavelmente comentam sobre as bênçãos de D-us e ao findar da noite eles começam a orar e cantar ao Senhor. Deveriam estar orando e agradecendo à D-us pela situação na qual se encontravam, louvavam à D-us pela cela, pelo frio, pelas grades, pelo tronco onde seus pés estavam presos. Mas as boas novas não estavam presas! Agora eles cantam hinos de louvor à Ieshua o Ungido, entoam de forma musical a gratidão que vai por seus corações… Incertezas, dúvidas, angústias, e todo o tipo de sentimentos negativos devem ter passado pelas mentes daqueles homens ali na prisão.

Mas eles conheciam a Escritura que diz: “D-us habita no meio dos louvores de Seu povo“. Por isso eles louvavam, pois sabiam também que Ieshua havia dito: “Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estarei“. Sha´ul e Silas poderiam estar presos, mas seus corações não estavam, nem seus lábios selados para que não cantassem e louvassem ao Senhor. Havia sinceridade da parte dos homens de D-us e enquanto cantavam e louvavam ao Senhor eles liberavam poder para a sua libertação física acontecer. Eles conheciam suas limitações, porém conheciam e criam nos ilimitados recursos de D-us para solucionar problemas como prisões injustas, grades de prisões e troncos nos pés. Por isso cantavam alegremente ao Senhor. Estes homens sabiam que quando Ieshua está em algum lugar tudo muda. A morte transforma-se em vida, a prisão em liberdade, a tristeza em alegria, a doença em saúde e a perdição em salvação. Homens que louvavam à D-us atraíram para uma prisão a presença de um D-us poderoso que interfere no curso da história para operar de forma milagrosa e salvar homens que estavam perdidos. O louvor dos homens de D-us trouxera o céu à terra, e não somente o céu, mas a atmosfera do céu: a presença de D-us, e por isso aquele lugar transformara-se em palco de um grande livramento de D-us aos homens que ali estavam, pois não somente o carcereiro mas os demais ouviram sobre a salvação que havia chegado à eles. A presença deste D-us Santo foi tão magnífica entre eles, que houve um terremoto local que abriu as portas das celas, abriu as algemas que os prendiam e trouxe-lhes novamente a liberdade.

O melhor de tudo: salvação e libertação chegaram ali. Uma família inteira foi salva porque D-us “enviara” dois homens à prisão; não dois homens comuns, mas homens que tinham um relacionamento verdadeiro com o Senhor. E tudo isso aconteceu por causa de dois homens que louvaram à D-us; dois homens que recusaram-se enxergar as coisas como elas parecem ser e procuraram ver as coisas sob os parâmetros de D-us.

Mário Moreno.