Mário Moreno/ Março 14, 2018/ Pessach

Shel Pessach – A festa para o Messias

“Sete dias comerás pães asmos; e ao sétimo dia haverá festa ao IHVH” (Êx 13:6).

Hoje é o último dia de Pessach, e o Senhor tem designado um dia especial do festival.

Apesar de Pessach terminar por do sol esta noite em Israel, mais um dia de Pessach é celebrado fora da terra.

Neste último dia de Pessach é chamado Acharon shel Pessach em Hebraico, e tem uma festa que dedica-se ao Messias. Também, a Torah e as leituras Haftara do dia incluem profecias messiânicas e a promessa da era messiânica encontrada em Isaías 11.

Acharon Shel Pessach: Um banquete para o Messias

Dt 14:22–16:17; Nm 28:19–28:25 ; Is 10:32–12:6

“E morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará, e o bezerro, e o filho de leão e a nédia ovelha viverão juntos, e um menino pequeno os guiará” (Is 11:6).

No judaísmo Chabad na diáspora (fora de Israel), um banquete final começará amanhã antes do pôr do sol e continuar até depois do anoitecer.

Esta refeição final de festival no sétimo dia da festa dos Ázimos (oitavo dia da Pessach) é chamada Seudat Moshiach (festa do Messias).

Foi iniciada pelo fundador do movimento Chabad, Rabi Yisrael (Israel) ben Eliezer, também chamado de Baal Shem Tov ou Besht, um místico judeu (ca. 1700–1760).

Esta festa tradicional de Messias, realizada em antecipação da futura redenção pelo Messias, inclui canções, matzah (pão sem fermento) e os quatro copos de vinho típico do Seder de Pessach.

Por que o fundador do movimento Chabad Instituto dedicado ao Messias um costume?

Assim como os primeiros dias de foco de Pessach na redenção de Israel do Egito, explicou o Baal Shem Tov, então deve também o último dia ser o centro sobre a redenção final que está por vir; portanto, no encerramento da festa de Pessach, uma refeição festiva é dedicada a sua vinda.

Durante todo o festival de Pessach, nos tornamos conscientes de nossa necessidade de redenção.

Este feriado é uma lembrança maravilhosa neste mundo conturbado por catástrofes naturais, guerras, fome, peste, injustiça e corrupção que com D-us há sempre esperança.

No Seder na primeira noite da Pessach, usamos o Hagadá (O dizer) para recontar o êxodo. Esta releitura cumpre a injunção bíblica (Êxodo 13:8) para contar a cada geração a história da nossa escravidão no Egito e que, contra todas as probabilidades, D-us entregou-nos como uma nação.

Desde que a Seudat Mashiach só é comemorado pelo povo judeu no exílio, do lado de fora da terra de Israel, último dia também celebra a esperança de uma futura libertação do exílio e uma promessa de um mundo melhor.

A ironia aqui, é claro, que, neste momento, a porta permanece aberta para um judeu de qualquer nação que desistir de seu lugar no exílio e voltar para casa para a nação de Israel — e mesmo assim, muitos permanecem em suas zonas de conforto do lado de fora da terra. Às vezes, a razão dada é que eles estão aguardando o renascimento de Israel como uma nação espiritual que curva-se perante D-us.

A celebração deste banquete messiânico ajuda a aumentar a consciência judaica do próprio conceito do Messias, dos quais muitos estão desinformados.

Elevar este oitavo dia do mundano ao nível de santidade pode ser uma forma de trazer um segmento da população judaica para pensar e se alegrar na vinda do Messias.

Oração para a vinda do Messias

Alguns cristãos e até mesmo alguns judeus seculares não estão cientes do fato de que o Messias é um antigo conceito fundamental no judaísmo.

De fato, tem sido dito, meio em tom de brincadeira, que quando Ieshua retornar, a pergunta que será feita pelo povo judeu: é ou não é sua primeira ou segunda visita à terra.

Quando Ieshua vier, eles vão ver e saber que sua chegada foi precedida de 2.000 anos atrás como Cordeiro pascal de D-us que foi morto para a nossa redenção pessoal.

A crença na vinda de um Messias é um dos treze princípios fundamentais da fé judaica, de acordo com o Rambam (acrônimo Hebraico para “Rabino Mosheh Ben Maimon”), um dos mais prolíficos e respeitados estudiosos de Torah da idade média.

Também, em uma oração, chamada o Shemona Esrei (também conhecido como a Amidá— oração permanente), uma das coisas que judeus rezam para três vezes ao dia é para a vinda da Messias:

“Faze brotar depressa o rebento de David teu servo, e exalça seu poder pela tua salvação, porque é pela tua salvação que esperamos todos os dias. Bendito sejas tu Eterno, que fazes brotar o poder da salvação” (Trecho da Amidá).

O termo Hebraico para a palavra mashiach משיח literalmente significa “ungido”, da prática de ungir os reis de Israel com óleo; portanto, a necessidade de Mashiach ser ungido como rei dos reis, para o fim dos dias.

Esta palavra está intimamente relacionada com a palavra Moshiah, que significa salvar; portanto, o Messias é o ungido e Salvador.

Ainda assim, o conceito cristão do Salvador e o conceito judaico do Messias diferem em muitos aspectos.

O que será do Mashiach?

De acordo com crenças e tradições judaicas, o Messias virá depois de um tempo de guerra e sofrimento (Ez 38:16), e naquela época, há várias coisas que o Messias verdadeiro deve realizar:

  1. O Messias irá trazer para casa os judeus de Israel e restaurar Jerusalém, trazendo sobre sua redenção espiritual e política (Is 11:11–12; Jr 23:8; 30: 3; Os 3:4–5; Zc 8:12–14; Ez 37).
  2. O Messias reinará de Jerusalém, que ele vai tornar o centro do governo mundial para os judeus, bem como os gentios (Is 2:2–4; 11:10; 42:1).
  3. O Messias vai reconstruir o templo sagrado e re-estabelecer a adoração no templo e sacrifícios (Jr 33.18; Ez 44.15).
  4. O Messias irá restaurar a lei judaica como a regra da terra e estabelecer um sistema de tribunais religiosos (Jr 33:15).
  5. O Messias trará paz para Israel e o mundo (Is 11:6–11).

Mais os judeus não acreditam que Ieshua é o Messias porque ele não cumprir essas expectativas.

Além disso, um Salvador que é humano e divino, e quem morre pelos nossos pecados é um conceito estranho ao judaísmo tradicional. Portanto, muitos acreditam que considerar Ieshua o Messias é inaceitável. Ainda, muitos judeus ainda olham para os homens simples para preencher o papel messiânico.

Pseudos messias abundam

“E Ieshua, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane, porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Ungido; e enganarão a muitos” (Mt 24:4–5).

Ao longo da história judaica, muitas pessoas têm também afirmado ser o mashiach ou tinham seguidores que afirmavam que o líder deles era o mashiach; por exemplo, Shimeon Bar Kokhba, Shabbatai Tzvi, etc…

Muitos foram presos, mortos ou convertidos em várias religiões para escapar da punição ou da morte.

Até hoje, em todo o Israel, cartazes e sinais proclamam um certo homem como Melech Mashiach (rei Messias): Rabino Menachem Mendel Schneerson, também conhecido como o Lubavitcher Rebe ou só o Rebbe entre seus seguidores.

Rabino Schneerson nasceu na União Soviética em 5 de abril de 1902 e tornou-se um proeminente rabino Chabad — o sétimo e último líder Chabad (rabino) da seita de Chabad Lubavitch do judaísmo. Após a morte de seu sogro, em 1951, Schneerson tornou-se o líder do movimento Lubavitch, até que ele morreu em 1994.

Embora ele trabalhasse para promover o judaísmo tradicional e valores morais e contribuiu grandemente para a comunidade judaica em todo o mundo e para além dele, ele nunca anunciou-se como o Messias judeu, como alguns de seus seguidores alegam. Na verdade, sobre o rabino Schneerson é dito para ele desencorajava todas essas conversas como tolas e infundadas.

Em contraste, Ieshua claramente e abertamente proclamada-se o Messias que o povo judeu estava antecipando ansiosamente, esperando pacientemente e apaixonadamente buscando.

Quando Ieshua encontrou a mulher samaritana no poço, ele falou com ela sobre a água viva do espírito que iria saciar a sua sede para sempre.

“A mulher disse-lhe: Eu sei que o Messias (que se chama o Ungido) vem; quando ele vier, nos anunciará tudo. Ieshua disse-lhe: Eu o sou, eu que falo contigo” (Jo 4:25–26).

Ieshua também publicamente proclamou sua missão messiânica na sinagoga, que habitualmente frequentou.

Quando ele foi chamado para ler os profetas na sinagoga no dia de sábado, ele leu a conhecida profecia messiânica de Isaías 61:

“O espírito do IHVH é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar aos pobres, enviou-me a sarar os quebrantados do coração, para apregoar liberdade aos cativos, e a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do IHVH” (Lc 4:18–19).

Para o espanto de todos, este simples carpinteiro, filho de Iosef, então enrolou o pergaminho e sentou-se, dizendo: “Então, começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta escritura em vossos ouvidos” (Lc 4:21).

Na verdade, o que a Bíblia tem a dizer sobre o Messias é bastante diferente do que o judaísmo tradicional acredita-se geralmente sobre o Messias.

Com tantos falsos Messias lá fora, como podemos nós reconhecemos o verdadeiro Messias? Como podemos ter certeza de que Ieshua é verdadeiramente o Mashiach ou saber que alguém como o rabino Schneerson não é?

Ieshua se alertou-nos para ter cuidado com numerosos falsos Messias e falsos profetas que surgiriam nos últimos dias, realizando sinais e maravilhas para enganar as pessoas, mesmo as eleitas.

“Então, se alguém vos disser: Eis que o Ungido está aqui ou ali, não o creias, porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios, que, se possível fora, enganariam até os escolhidos. Eis que eu vo-lo tenho predito” (Mt 24:23–25).

O povo judeu tem esperado por séculos para um libertador messiânico que traria a paz mundial, mas o fato de que muitas pessoas em Israel e em todo o mundo acreditam que o falecido rabino Schneerson é o Messias é mais um sinal que estamos realmente no fim dos tempos.

Revelando o verdadeiro Messias

“Quem subiu aos céus e desceu? quem encerrou os ventos nos seus punhos? quem amarrou as águas na sua roupa? quem estabeleceu todas as extremidades da terra? qual é o seu nome, e qual é o nome de seu filho, se é que o sabes?” (Pv 30:4).

Como nós podemos distinguir o verdadeiro Messias de todos os pseudo messias? Felizmente, não temos de adivinhar: a Bíblia fornece as respostas.

Sua ascendência inteira, nascimento, personagem, ensino, Ministério, vida, morte, enterro e ressurreição já tinham sido escritos por 25 escritores judeus 500 anos antes de seu nascimento.

Existem, pelo menos 333 profecias messiânicas que completam a descrição do verdadeiro Messias em escrituras judaicas — muito mais do que ler para o oitavo dia da Pessach (Is 10:32–12:6) revela a Haftara.

A seguir está uma lista de algumas das profecias que apontam para Ieshua como Messias e desqualificam o rabino Schneerson e outros falsos Messias.

Ele nascerá de uma virgem e será chamado El conosco (Immanu-El) (Is 7:14; Mt 1:23);

Ele iria nascer em Beit-Lechem (casa do pão — Bethlehem) (Mq 5:2; Mt 2:1);

Ele seria desprezado e rejeitado por seu próprio povo (Is 53:3; Jo 1:11; Jo 5:43);

Ele iria sofrer terrivelmente (Is 52:14);

Ele seria perfurado e ferido por nossos pecados (Is 53:5; Sl 22:16; Lc 23:33);

Ele levaria sobre si o castigo que todos nós merecemos (Is 53:5; I Pe 2:24);

Ele não iria abrir a boca em sua própria defesa (Is 53; Mt 27:12–14);

Ele iria morrer de uma morte prematura (Is 53:8, 12; Lc 23:46);

Ele iria morrer com o ímpio, mas seria enterrado com os ricos (Is 53:9; Mt 27:57–60);

Ele seria Erguido da morte para a vida (Sl 16:10; At 2:29–32; Mt 28:5–6);

Ele se sentaria no trono de seu pai, David, governaria para sempre (Is 9:6–7; Lc 1:30–33).

Todas estas profecias, exceto a última já foram cumpridas no verdadeiro Messias, Ieshua.

Seu reinado eterno no trono de David e outras profecias continuaraõ a se cumprir em sua segunda vinda, que aguardamos ansiosamente durante estes últimos dias quando tantas profecias de fim dos tempos estão sendo cumpridas.

Lembrando o cordeiro

Como esta festa de Pessach chega ao fim e especialmente no último dia quando celebra a festa do Moshiach, recordemos o cordeiro de D-us, cujo sangue salva-nos de todo pecado e julgamento.

“Porque isto é o meu sangue, o sangue da Restauração da aliança, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados” (Mt 26.28).

“E, tomando o pão e havendo dado graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim” (Lc 22:19)

Israel tem uma grande esperança de redenção, libertação e restauração na palavra de D-us.

Pessoas como os judeus ao redor do mundo estarão lendo as profecias messiânicas na leitura da Haftarah e ansiosos para uma gloriosa futura Pessach e a completa redenção espiritual que ela traz, vamos orar para que eles recebam Ieshua que é o Messias que veio como o Cordeiro pascal e virá novamente como o governante poderoso, o Rei Messias.

“Faço chegar a minha justiça, e não estará ao longe, e a minha salvação não tardará: mas estabelecerei em Sião a salvação, e em Israel a minha glória” (Is 46.13).

Tradução: Mário Moreno.