Mário Moreno/ novembro 10, 2020/ Artigos

Vida Sarah – Chayei Sarah

Chayei Sarah (a vida de Sarah)
Gn 23:1-25:18; I Rs 1:1-31; Mt 1:1-17

E foi a vida de Sarah cento e vinte e sete anos; estes foram os anos da vida de Sarah. E morreu Sarah em Quiriate-Arba, que é Hebrom, na terra de Canaã; e veio Avraham lamentar a Sarah e chorar por ela(Gn 23:1).
Na porção passada, na Parasha Vayeira, Abraham recebeu anjos que lhe apareceram como homens depois que ele recebeu o Pacto da circuncisão. Um dos anjos anunciou-lhe que Sarah daria à luz a um filho em um ano.

A Parasha Chayei Sarah (vida de Sarah) começa com a morte de Sarah em Quiriate-Arba (Hebron) com a idade de 127 e termina com a morte de Avraham com 175. Então a vida do patriarca da nossa fé e grande matriarca chegou ao fim.

Ambos estão enterrados na Caverna de Machpelah (caverna dos patriarcas), que Avraham comprou como um local de enterro de família dos filhos de Hete, pelo preço total de 400 siclos de prata, mesmo que ele tinha sido oferecido gratuitamente a terra.

Ouve-nos, meu senhor; príncipe de Elohim és no meio de nós; enterra o teu morto na mais escolhida de nossas sepulturas; nenhum de nós te vedará a sua sepultura, para enterrares o teu morto(Gn 23.6).

A Haftará desta semana (leitura de profetas) ecoa o tema do fim de um governante de Israel – um dos maiores homens de D-us de todos os tempos, o homem segundo o coração de D-us – Rei David. “Sendo pois o rei David já velho, e entrado em dias, cobriam-no de vestes, porém não aquecia(I Rs 1:1).

E então, nesta parte da palavra de D-us, somos confrontados com a natureza transitória da vida e da nossa própria mortalidade.

Embora D-us seja eterno e sua palavra seja para sempre, as escrituras realmente comparam nossa existência de uma flor ou uma lâmina de grama. “Toda a carne é erva e toda a sua beleza como as flores do campo. Seca-se a erva, e caem as flores, soprando nelas o hálito do IHVH. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e caem as flores, mas a palavra de nosso Elohim subsiste eternamente(Is 40:6-8; ver também I Pe 1:24).

Ele também nos compara a um vapor no vento que está aqui hoje, morto amanhã. “É um vapor que aparece por um pouco e depois se desvanece(Tg 4:14).

Chayei Sarah faz lembrar cada um de nós que nossa hora breve nesta terra chegará ao fim (Ec 3:1-2). Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios(Sl 90:12).

Morte e vida eterna

Mas D-us irá redimir a minha alma do poder da sepultura, pois me receberá(Sl 15,16).

É só quando enfrentamos a certeza da morte física, que nós podemos ser confortados pela verdade que os céus são o nosso verdadeiro lar. Nós estamos apenas de passagem neste mundo caído como estranhos e peregrinos.

Enquanto nossos antepassados comeram o maná no deserto, mas morreram ainda, Ieshua disse que ele era “Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra(Jo 6:50).

Ele corajosamente proclamou-se a ser ‘Lechem Chayim‘ (pão da vida) e prometeu que todo aquele que comer este pão iria viver para sempre (Jo 6:58)!

D-us nos prometeu que todo aquele que crê em seu filho Ieshua nunca perecerá, mas terá vida eterna (Jo 3:16). Assim como a tumba não conseguiu segurar o filho de D-us, nós também seremos gerados para a nova vida nele.

Que glorioso e libertadora revelação – que a morte perdeu seu aguilhão!

Oh morte, onde está tua vitória? Ó morte, onde está o teu aguilhão?(I Co 15:55).

Esta é nossa esperança e nossa garantia da palavra de D-us que remove de nós o medo da morte.

Uma citação de um filme apropriadamente coloca outra rodada na morte. Tuck Everlasting, um personagem incentiva outro dizendo: “Não temo a morte, mas prefiro a vida vivida”.

Apesar da realidade da morte, ou por causa disso, devemos abraçar a vida e vivê-la plenamente, significativamente e com alegria o melhor de nossa capacidade.

Noiva da Babilônia

mas o homem encoberto do coração em incorruptível enfeite de um espírito manso e pacifico, que é precioso diante de Elohim(I Pe 3:4).
Nesta porção, Abraham compromete-se a encontrar uma noiva adequada para seu filho, Itshaq. Ele envia seu servo em uma missão para encontrá-la entre seus parentes.

Avraham fez seu servo jurar pelo Senhor D-us dos céus e da terra que ele não levaria uma noiva para Isaque dentre os cananeus, que tinha sido amaldiçoado por Noé (ver Parshat Noach).

O servo de Avraham encontrou Rivkah (Hebraico para Rebeca) na Babilônia (Mesopotâmia – cidade de Naor), o lugar que D-us tinha chamado Avraham para deixar.

Ele orou a D-us que noiva de Itshaq seria revelada a ele fornecendo água para ele e também, de sua própria iniciativa, a seus camelos. Imagine o tempo e esforço que demorou para retirar bastante água do poço para saciar a sede de dez camelos!

Um homem justo se preocupa com as necessidades de seu animal, mas os atos mais bondosos dos ímpios são cruéis(Pv 12:10).
A noiva é revelada através de sua compaixão e bondade, especialmente para com os animais, os fracos e indefesos na vida e pelo empenho e vontade de “andar uma milha a mais“.

Beleza física de Rivkah reflete sua beleza interior e caráter. É este espírito gentil e quieto, que é precioso aos olhos de D-us (I Pe 3:4).
Rivkah também revela que ela é a única pela sua vontade de seguir servo de Avraham da Babilônia em território desconhecido a fim de casar-se com Itshaq. A ela é perguntado: “Você vai com este homem?” Ela responde, “Eu vou”.

Rivkah não se encolha com medo, mas ela é ousada e corajosa. Ela se esforça para trazer conforto aos outros pelo amor e bom caráter.
Cada discípulo de Ieshua deve decidir dentro de seu próprio coração se ele está dispostos a seguir o Messias e submeter-se a ir onde o Ruach Ha Codesh (Espírito o Santo) leva-lo em uma base diária.
Às vezes o Espírito o Santo vai nos tirar da nossa zona de conforto, nosso lar familiar e nos pede para segui-lo para um lugar que ele vai nos mostrar.

Nós nem sempre vemos todo o plano ou o retrato grande, e isso pode ser assustador. Mas lembre-se, nós viajamos em paz. D-us promete estar conosco aonde quer que formos; Ele nos sustenta e ele nunca vai nos deixar ou abandonar-nos.

Nós devemos esforçarmos-nos e encarnar a diligência de Rivkah, coração de servo, beleza, pureza, vontade, bondade, coragem e fé a fim de ser a noiva do Messias, que o Senhor está esperando por nós.

Vidas que contam

Melhor é o fim das cousas do que o princípio delas(Ec 7:8).
Para o povo judeu, o dia da morte é mais significativo do que o dia do nascimento.

Lembramos o aniversário de um ente querido morto com uma vela acesa e especiais orações recitadas sobre a santidade de D-us chamadas Kadish. Enquanto o Kadish é comumente chamado de “oração” das carpideiras, as palavras não são na verdade sobre a morte ou luto. Em vez disso, eles são uma proclamação pública da grandeza de D-us. Mesmo na angústia da perda de um ente querido, pode se superar essas circunstâncias, oferecendo o louvor a D-us pelo que ele é.

Quando nascemos, nossa vida está diante de nós como páginas em branco em um livro. Mas quando morremos, a história de nossas vidas tem sido escrita e chega a uma conclusão.

Na morte, vemos ou não nossas vidas contadas por nada.
É interessante perceber que, enquanto nós sabemos a hora da morte de Ieshua (Pessach / Páscoa), não temos a certeza do tempo do seu nascimento. Esta questão tem sido a fonte de alguma controvérsia.
Enquanto a maioria dos cristãos comemora o nascimento de Ieshua como 25 de dezembro, muitos eruditos bíblicos colocam o momento do nascimento de Ieshua no outono, provavelmente em Sucot (a festa dos Tabernáculos).

Deixando um legado

Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias são maus(Ef 5:5-16).
Abraham e Sarah vivem exemplificado amor e devoção a D-us, um para o outro e para seu vizinho.

A vida do rei David é exemplificada pelo amor de D-us, submissão ambiciosa e muito mais.

As histórias da morte de Sarah, Avraham e David devem levar-na considerar cuidadosamente as nossas próprias vidas.

O que vai nós deixaremos como legado? Cada um de nós quer saber se o que nós fizemos faz a diferença de alguma forma, e que nossa vida tem valido alguma coisa boa e positiva.

No entanto, muitas vezes, ficamos tão apanhados em uma infinidade de cuidados e preocupações da vida cotidiana que não conseguimos ponderar se nós estamos cumprindo nosso destino divino. Estamos vivendo intencionalmente e com propósito?

A vida não é um ensaio geral. Façamos mais do dom da vida a cada dia.

Mas não devemos deixar de ter equilíbrio, também. Alguns de nós vivemos vidas vazias, insatisfatórias, sem direção ou foco e falta completamente cumprir nosso destino dado por D-us.
Outros são tão objetivos e orientados à realização que perdem o que é verdadeiramente mais importante – amar a D-us e amar as pessoas. Tudo o que fazemos durante nossa vida, pode trazer honra e glória a D-us e seu reino.

Que possamos entender a brevidade de nossas vidas a viverms de acordo com os desejos do coração do Eterno vivendo e anunciando sua Palavra a todo mundo em nome de Ieshua.

Baruch ha Shem!

Tradução: Mário Moreno

Título original: “Chayei Sarah – Life of Sarah”.