Category Archives: Artigos

O Cordeiro de Elohim

O Cordeiro de Elohim

O Cordeiro de Elohim O “cordeiro de Elohim” faz referência em primeira instância ao Ungido – Messias – que somente aparece de forma plenas nas Boas Novas e somente em João. Isso é incrível, pois podemos entender que esta frase “cordeiro de Elohim” traz consigo algum segredo oculto que precisa ser bem compreendido para que saibamos do que se trata. Temos em João duas ocorrências: a primeira diz o seguinte: “Eis o Cordeiro de Elohim, que tira o pecado do mundo” (Jo 1:29). O que João poderia querer dizer com isso? Ele certamente estava falando sobre algo que os judeus já conheciam e haviam experimentado. Mas de onde vem essa conexão? A tradição judaica nos diz: Agora precisamos nos voltar para o Akedá (Sacrifício de Isaque), no qual, de acordo com uma antiga tradição judaica, Isaque foi realmente sacrificado, morto e depois ressuscitou no monte Moriá. Segundo essa tradição, “as cinzas de Itshaq” e “o sangue do Akedá de Isaque” servem para sempre como expiação e defesa de Israel. Em um dos primeiros comentários rabínicos sobre a Bíblia, é dito explicitamente que Itshaq é o cordeiro do sacrifício: “Tu és o cordeiro, meu filho“. Na Parashat Vayera (Gn 18:1–22:24), lemos sobre a Akeidat Itshaq, o Encadeamento de Iitshaq. Este pode ser o coração da Torah, pois seus ecos reverberam em toda a liturgia judaica. É recitado O Rabino Abarbanel (1437-1508 dC) escreve: “(Na

Read More

Legalismo

Legalismo

Legalismo Alguns pensamentos Parece que o destino de todos os que buscam a vida na Torah é rotulado por alguns como “legalistas”. Se não frequentemente, pelo menos ocasionalmente ouvimos o aviso (às vezes de irmãos e irmãs muito sinceros e amorosos no Senhor) que nossa visão da Torah é legalista ou leva a ele. Embora essas advertências possam inicialmente parecer incômodas, nós devemos ouvir e prestar atenção. Um uso errado da Torah, afinal, certamente não é uma honra ao Senhor ou a Seu Messias, Ieshua. Mas se devemos levar a sério (como deveríamos) os avisos que recebemos sobre legalismo, devemos antes de tudo entender o que o termo significa, e isso é um problema. É um problema antes de tudo, porque parece claro que as pessoas usam o termo de maneira diferente. E segundo, a definição de “legalismo” é difícil porque não há termo bíblico o que corresponde. Às vezes, as pessoas que me falaram sobre legalismo parecem sugerir que o que eles querem dizer com o termo é quando minhas ações fazem com que eles ou outras pessoas se sintam desconfortáveis. “Se você pretende ou não”, eles dizem, “seu estilo de vida pressiona aqueles ao seu redor, como se eles devessem fazer o que você está fazendo, e isso os faz sentir desconfortáveis”. Mas isso dificilmente pode ser uma definição válida de “legalismo”. A questão em mãos

Read More

Vaera – e eu apareci

Vaera – e eu apareci

Vaera – e eu apareci Va’era (e eu apareci) Êx 6:2-9:35; Ez 28: 25–29:21; Rm 9:14-33 “Portanto assim diz o Senhor IHVH: Agora tornarei a trazer os cativos de Ia´aqov. E me compadecerei de toda a casa de Israel: terei zelo pelo meu santo nome” (Ez 39:25). Na porção na semana passada, iniciamos nosso estudo do livro de Shemot (Êxodo). Moshe foi chamado por D-us para libertar os filhos de Israel da escravidão no Egito e revelar o nome verdadeiro, autêntico de D-us — IHVH, que geralmente é traduzido como “Senhor” em nossas Bíblias, porém nós às vezes vemos também a grafia “Jeová” ou “Iavé” e isso é fruto de uma modificação de estudiosos que tentaram adicionar sons de vogais do nome “Adonai” nestas consoantes. Esse nome – IHVH – é usado mais de 6000 vezes na Bíblia! A Porção da escritura desta semana abre com D-us revelando a Moshe a importância do seu santo nome: “Eu sou o Senhor (Ani IHVH). Eu apareci a Avraham, de Itshaq e Ia´aqov como El todo-poderoso (El Shaddai), mas pelo nome de Senhor (IHVH) Eu não me fiz totalmente conhecido a eles” (Êx 6:2-3). Hoje, os judeus não usam o nome de D-us sem reverência por saberem de sua santidade e também pelo temor de transgredir o mandamento proibindo o uso do nome de D-us em vão. Em vez disso, o

Read More

Um caso unilateral

Um caso unilateral

Um caso unilateral “Eu me lembrarei da minha aliança com Ia´aqov e também da minha aliança com Yitzchak, e também da minha aliança com Avraham, da qual me lembrarei…” (26:42) Na conclusão da “tochacha” – a admoestação que registra as punições devastadoras que o Bnei Israel receberá por abandonar o pacto com Hashem, a Torah relata que Hashem finalmente se lembrará de Seu pacto feito com os Patriarcas e em seu mérito, Bnei Israel será resgatado. Rashi cita um Midrash que questiona por que a palavra “zachor” – “lembrar” é justaposta ao Patriarca Avraham, “es brisi Avraham ezkor”, e ao Patriarca Ia´aqov, “vezocharti es brisi Ia´aqov”, ainda não há menção da palavra “zachor” em conexão com o patriarca Yitzchak? (26: 42). O Ba’al Haturim aborda a mesma questão e sugere que Hashem se lembra particularmente dos méritos de Avraham e Ia´aqov, pois eles observaram as mitsvot tanto em Eretz Israel como fora da terra de Israel, enquanto Yitzchak apenas observou as mitsvot em Eretz Israel. Portanto, continua o Ba’al Haturim, ambos Avraham e Ia´aqov são referidos por Hashem como “avadi” – “Meus servos“, enquanto esta denominação não é conferida a Yitzchak. (Ibid). Rashi na Parasha Toldot cita o Midrash que afirma que Yitzchak não foi autorizado a deixar Eretz Israel porque ele era um “olah temima” – “oferta de elevação perfeita“, tendo sido oferecido como um sacrifício por

Read More

Coma minha carne

Coma minha carne

Mashiach “Coma minha carne”. “Eu sou o pão vivo que desceu dos céus; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo. Disputavam, pois, os judeus entre si, dizendo: Como nos pode dar este a sua carne a comer? Ieshua, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim, e eu, nele” Jo 6.51-56. Como podemos interpretar estas palavras de Ieshua? De forma literal? De forma figurada? Se são figuradas, de onde vem esta figura e o que ela significa? Vamos entender isso da seguinte forma: Ieshua era um Rabino que falava a uma audiência que conhecia a Torah e a Tradição Judaica. Sendo assim suas palavras deveriam ser plenamente entendidas, mas nem sempre isso acontecia. Um detalhe interessante aqui é que Ieshua falava sobre duas coisas: o pão vivo que desceu dos céus e a carne e o sangue. Estas são

Read More

Tudo sobre o Messias

Tudo sobre o Messias

Tudo sobre o Messias A tradição judaica traça um “perfil” do Ungido – Messias e através deste perfil buscam então localizar no tempo a pessoa que poderá ser identificada como Aquele que cumpriu e cumprirá o restante das profecias concernentes à redenção da humanidade com o foco na nação de Israel. Em primeiro lugar Ele é descendente do Rei David, ele profetizará uma era de paz mundial. O Messias será um ser humano normal, nascido de pais humanos. Consequentemente, é possível que até já tenha nascido. Semelhantemente, o Messias será mortal. Finalmente, morrerá e deixará seu reino como herança para seu filho ou sucessor ou ressuscitará para retomar o governo do mundo através de Jerusalém. Alguns dizem que isso não é judaísmo e não existe nada a respeito dentro da tradição. Porém, atualmente uma facção do judaísmo que crê que o Rebe de Lubavitch é o Messias aguarda a sua ressurreição para que ele possa então reinar em todo o mundo. Isso então nos mostra que a ressurreição do Ungido foi e é uma possibilidade, o que coloca a questão num patamar de discussão totalmente novo quanto a identidade do Messias. A tradição menciona que este será um descendente direto do Rei David, filho de Jesse, como está escrito, “Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes um renovo” (Is 11:1). Da mesma forma, em

Read More

Receber seu novo nome

Receber seu novo nome

Shemot – receber seu novo nome Shemot (nomes) Êx 1:1–6:1; Is 27:6–28:13; 29:22–23; Jr 1:1–2:3; Lc 5:12–39 “Estes são os nomes [ve’eleh shemot] dos filhos de Israel que foram para o Egito com Ia´aqov, cada um com sua família” (Êx 1:1). A porção na semana passada concluiu com a morte de Ia´aqov e de seu filho, Iosef. A leitura do primeiro livro de Moshe, Gênesis (Beresheet), conclui-se também. A porção da Torah desta semana é a primeira leitura no segundo livro de Moshe, Êxodo, que é chamado de Shemot em Hebraico, significado “nomes”. Embora os 50 capítulos de Gênesis abranjam um período de cerca de 2.000 anos, em 40 capítulos Shemot essencialmente segue a vida de Moshe, desde o seu nascimento, até a glória do Senhor enchendo o Tabernáculo que Moshe construiu no deserto. Sefer Shemot (Livro de Êxodo) começa com uma introdução genealógica para a casa de Ia´aqov e seus 12 filhos. D-us abençoa este pequeno clã de 70 almas, eles aumentando exponencialmente, para que sua explosão demográfica faz com que um novo rei do Egito, que não conhecia Iosef, tornar-se apreensivo, temendo que eles poderiam afirmar sua força ou deixar o Egito por completo. Em reação aos seus próprios medos, faraó recorre à perseguição, escravidão, opressão e o trabalho forçado para suprimir os israelitas; no entanto, quanto mais eles foram afligidos, quanto mais eles se multiplicavam.

Read More

O plano de D-us para Israel e as nações

O plano de D-us para Israel e as nações

O plano de D-us para Israel e as nações “Nos últimos dias a montanha do templo do Senhor será estabelecida como a mais alta das montanhas; será exaltado acima dos montes e todas as nações correrão para ele” (Is 2:2). Quando D-us escolheu o povo judeu por meio de Abraão (Gn 12:2–3), Ele disse que faria de Abraão uma grande nação. Parte dessa promessa era abençoar aqueles que o abençoavam e amaldiçoar aqueles que o amaldiçoavam ou à sua descendência. Essa promessa tem funcionado ao longo dos tempos, e certamente temos evidências disso ao longo da história. Somente no último século, vimos a queda do Império Britânico, um império tão vasto que o sol nunca se pôs. E embora tenha sido fundamental para iniciar a Declaração Balfour de 1917, que iniciou o processo de Israel se tornar uma nação, foi também fundamental para afastar os judeus e dividir a terra quando o povo judeu precisava mais da ajuda da Grã-Bretanha, após a libertação dos nazistas. campos da morte em 1945. Um império que levou 300 anos para se desintegrar em 30 anos. (Palestra de John Somerville em 27 de maio de 2015, Temecula, Califórnia) As áreas vermelhas revelam a extensão do Império Britânico em 1921. Hoje, as nações árabes que se dedicaram a destruir a nação judaica estão sendo destruídas. Por exemplo, a vizinha de Israel, Síria, que

Read More

Carnaval

Carnaval

Carnaval O que é o Carnaval? É lícito aos crentes em Ieshua participarem desta festa? Vamos saber um pouco mais sobre este tema. A origem do Carnaval O Carnaval originou-se no Egito e popularizou-se através da Igreja Católica Romana que o difundiu por todo o mundo. Em meu livro “Festas Pagãs na Igreja” cito o seguinte sobre esta Festa: “As “farras” vem do inconsciente dos povos, desde os rituais da fertilidade e as festas pagãs nas colheitas. Remonta às celebrações à deusa Ísis e ao touro Ápis, no Egito, e à deusa Herta, dos teutônicos, passando pelos rituais dionísiacos gregos e pelos licenciosos Bacanais, Saturnais e Lupercais, as suntuosas orgias romanas”. Tais práticas após serem inseridas foram tornando-se “populares” e isso ocorreu a tal ponto que o Carnaval tornou-se parte da “Cultura popular”. A época em que tudo começou não é a mesma em que é celebrada esta festa hoje no Brasil. Em outro trecho do livro relato que: “Em Roma, comemoravam-se as Saturnais de 16 a 18 de dezembro, para a glória do D-us Saturno. Tribunais e escolas fechavam as portas, escravos eram alforriados, dançavam-se pelas ruas em grande e igualitária algazarra. A abertura era um cortejo de carros imitando navios, com homens e mulheres nus dançando frenética e obscenamente – os carrum navalis. Para muitos, deriva daí a expressão carnevale. No dia 15 de fevereiro, comemoravam-se

Read More

Virgem

Virgem

Virgem ou virgindade O que o conceito de “virgem ou virgindade” tem a ver com as Escrituras? Seria este um conceito importante nas Escrituras? E como ele foi e é tratado até os nossos dias? Vamos começar com o significado da palavra. Conceito: “Estado ou atributo do que é virgem (‘que não teve relação sexual’)”. A palavra virgem tem origem no latim, na forma substantiva virgo, genitivo virgin-is, que significa “mulher jovem” ou “menina”. A palavra latina provavelmente surgiu por analogia com um naipe de lexema baseado em vireo, significando “ser verde, fresca ou florescente”, principalmente com referência botânico – em particular, virga significando “tira de madeira”. Desde a etimologia da palavra podemos perceber que o conceito de “virgem ou virgindade” está relacionado a mulheres jovens, meninas que ainda não tiveram qualquer contato a nível sexual, e são comparadas aos ramos (brotos) verdes. No judaísmo existe o conceito de “tsiniut” – recato – que está ligado à modéstia em todos os sentidos e isso depreende que uma moça além de tudo precisa guardar a sua condição de virgindade para contrair o matrimônio. Por que muitas pessoas deixaram de lado a tsniut, o recato, se esta é uma parte tão importante da vida judaica, principalmente feminina? Na maioria das vezes as pessoas não cumprem esta mitsvá por pura falta de conhecimento, outras vezes por não se darem conta da

Read More