Category Archives: Artigos

O mês de Sivan

O mês de Sivan

O mês de Sivan Segundo o Sêfer Yetzirah, cada mês do ano judaico tem uma letra do alfabeto hebraico, um signo do Zodíaco, uma das doze tribos de Israel, um sentido e um membro controlador do corpo que corresponde a ele. Sivan é o terceiro dos doze meses do calendário judaico, o mês da Outorga da Torá ao povo judeu. Letra: zayin Sivan é o terceiro mês do ano que está conectado ao terceiro dos atributos Divinos que é a misericórdia. O número três está associado aos eventos ocorridos neste mês: a outorga de uma tripla Torah [Torah, Neviim e Ketuvim] a um povo triplo [Cohanim, Leviim e Israelim] no terceiro mês [Sivan] por três [Moshê, Aharon e Miriam]” – o número que mais destacadamente aparece em toda a Torá é o número sete, o valor da letra zayin. A Torah foi outorgada no Shabat, o sétimo dia da semana. Segundo Rabi Yosi, a Torah foi entregue no sétimo dia de Sivan. Zivebulun, a tribo de Sivan, começa com a letra zayn. Nossos Sábios identificam o zayin com a palavra zeh (“isso”), significando o excepcional nível de profecia de Moshê (“a vidraça transparente”), o doador da Torah (ele próprio nasceu e faleceu a sete de Adar [o 12º mês do ano; 12 = zeh]). As porções da Torah em Sivan são do início do Livro de Bamidbar. Na

Read More

O Eterno quer uma casa?

O Eterno quer uma casa?

O Eterno quer uma Casa? Templos… qual é a sua importância para os servos do Eterno? A reposta é: muito grande, pois somente ali pode-se reunir as pessoas para que juntos possam servi-lo. Mas nem todos concordam com isso; para alguns o “templo” é desnecessário, inclusive argumentando que o Eterno nunca pediu ao seu povo que se construísse um! Mas onde está a verdade nisso? Será que isso encontra respaldo nas Escrituras? Precisamos buscar, em primeiro lugar as informações que Moshe e os demais judeus deixaram registradas no que diz respeito a isso. “Este edificará uma casa ao meu nome, e confirmarei o trono do seu reino para sempre” II Sm 7.13. “Bem sabes tu que Davi, meu pai, não pôde edificar uma casa ao nome do IHVH seu Elohim, por causa da guerra com que o cercaram, até que o IHVH os pôs debaixo das plantas dos pés” I Rs 5.3. “E eis que eu intento edificar uma casa ao nome do IHVH meu Elohim, como falou o IHVH a Davi, meu pai, dizendo: Teu filho, que porei em teu lugar no teu trono, ele edificará uma casa ao meu nome” I Rs 5.5. “Assim confirmou o IHVH a sua palavra que tinha dito: porque me levantei em lugar de Davi, meu pai, e me assentei no trono de Israel, como tem dito o IHVH; e edifiquei

Read More

A rocha no deserto

A rocha no deserto

A rocha no deserto Durante a caminhada do povo de Israel através do deserto muitos milagres aconteceram, mas um deles salta aos nossos olhos: a rocha que dava águas por onde quer que o povo judeu fosse. Mas, como isso veio a acontecer? Vejamos: Depois de todos estes acontecimentos – o maná e a água que tornou-se doce – os filhos de Israel continuam suas jornadas pelo deserto. Há algo explícito aqui: eles seguiam (ou não) viagem “segundo o mandamento do Eterno”! A viagem teve realmente um ritmo de desenvolvimento de acordo com os desejos do coração do Eterno. Mas mesmo assim, o povo continuava a se manifestar contra Moshe e o Senhor! “Então contendeu o povo com Moshe, e disse: Dá-nos água para beber. E Moshe lhes disse: Por que contendeis comigo? Por que tentais ao IHVH? Tendo pois ali o povo sede de água, o povo murmurou contra Moshe, e disse: Por que nos fizeste subir do Egito, para nos matares de sede, a nós e aos nossos filhos, e ao nosso gado?” (Êx 17:2-3). Novamente duas palavras aparecem aqui durante a caminhada: contender e murmurar! Creio que a maior razão pela qual o povo passou quarenta anos vagando foi o uso e abuso destas atitudes. Eles demonstravam ser bastante carnais. Suas atitudes eram previsíveis e seus clamores centralizavam-se sempre no mesmo aspecto: a satisfação de

Read More

A história de Jerusalém

A história de Jerusalém

A história de Jerusalém Época antiga (3800-1000 A.C.) Jerusalém – Seu começo foi nebuloso. Arqueólogos e pesquisadores da época do bronze, encontraram restos da cidade que possuía uma muralha para a defesa, já a 3800 anos atrás. Justamente de um lugar distante, do Egito e Manobia, se encontraram restos de uma cidade egípcia antiga “Achan-Atun” que descreve a história de Jerusalém. Restos de vasos de argila e estátuas de barro egípcias chamadas “ktabei hamearot” que tem o nome de Jerusalém e seus governantes. Nestes escritos se encontram várias cidades cananeias e entre elas “Arasalem”, hoje em dia, Jerusalém. Os investigadores que se ocupam em descobrir o passado e analisam lendas antigas, encontraram neste nome duas palavras: Ieru-Shalem, e sua explicação é: “o D’us integro ensinará as bases da cidade“. Quando o patriarca Avraham chegou a terra de Israel, governava em Jerusalém, Malki Tzedek, que era sumo sacerdote ao deus supremo. Este é um testemunho bíblico de que a 3800 anos, Jerusalém já era uma cidade santa. Ioshua Bin Nun Jerusalém era uma cidade Jebuséia quando o povo de Israel a conquistou. Ao ler o livro d Josué, aprendemos que o rei de Jerusalém estava sobre o pacto dos cinco reis, que queriam castigar aos gibeonitas por terem se rendido aos israelitas. Ioshua Bin Nun e seu exército triunfou sobre os reis do pacto e a seus soldados que

Read More

O Messias – Primazia em todas as coisas

O Messias – Primazia em todas as coisas

O Messias – Primazia em todas as coisas “E Ele é antes de todas as coisas, e por Ele subsistem todas as coisas. Ele é a cabeça do corpo, a congregação… para que em todas as coisas Ele possa ter a primazia” (Cl 1:17,18). Colossos, que estava situada em uma das principais rotas de comércio do mundo antigo, tinha se tornado famosa por misturar as várias idéias religiosas as quais seus cidadãos adquiriram das caravanas e professores itinerantes que passaram por ali. Este conceito religioso era como que um “saco” de misturas, contendo elementos do politeísmo babilônio, filosofia grega, religiões misteriosas, judaísmo, e muitas outras. Agora, esses mestres sincretizadores (que encorajavam as “misturas” entre as religiões) estavam tentando incluir Ieshua como um outro elemento de sua mistura. Sha´ul escreveu para informar aos judeus messiânicos de Colossos, em termos nem um pouco indeterminados, que Ieshua não era apenas mais um ingrediente a ser acrescentado às sempre crescentes listas de objetos de culto das grandes cidades comerciais. Ele deixou claro que Ieshua era mais que apenas outro filósofo ou panteão de deidades no politeísmo. Sha´ul disse que Ieshua “é a imagem do Elohim invisível, o primogênito de toda a criação”, “pois por Ele foram criadas todas as coisas que estão nos céus, e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis… todas as coisas foram criadas por Ele, e para

Read More

Controvérsia

Controvérsia

Controvérsia A notícia que segue é antiga – 21 de abril de 2008 – mas ainda causa muito problemas entre judeus no Brasil, gentios e outras facções do judaísmo como por exemplo os “netsarim”, além de outros que nem sabem em que posição se encaixam dentro do espectro do judaísmo. Não posso afirmar que tal postura seja por puro desconhecimento – preferiria pensar assim – mas o que parece é que existem pessoas que não desejam – de forma alguma – reconhecer que os judeus messiânicos fazem parte da comunidade de Israel! E isso é legal, ou seja, foi dado a nós – judeus messiânicos – que tivéssemos nossos direitos reconhecidos em Israel – e consequentemente, em todo o mundo – e por isso podemos sim ser chamados de “judeus”! Quero salientar aqui que a Suprema Corte de Israel reconheceu os “judeus messiânicos” que muitos dizem não existir e outros afirmam que são falsos! Estas “posturas” – que podem bem ser chamados de “ataques” – ocorrem não somente nas mídias sociais – Facebook, Whatsapp, Instagram – como também via email e sempre na forma de confronto e com muita intimidação; aos que assim procedem gostaria de convidá-los a lerem a tradução da reportagem feita pelo Jerusalém Post – um veículo de comunicação com grande representatividade em Israel e também no mundo judaico – e que atesta esta questão

Read More

Ieshua e Azazel em Acharei Mot-Kedoshim

Ieshua e Azazel em Acharei Mot-Kedoshim

Ieshua e Azazel na porção Acharei Mot Kedoshim da Torah Esta semana, duas leituras da Torah, Parasha Acharei Mot (após a morte) e Kedoshim (os Santos), são combinados para acomodar o número de sábados neste ano civil. Por favor, leia junto conosco, e descubra as verdades da Torah nesta porção dupla da escritura que está sendo lido nas sinagogas ao redor do mundo este Shabbat. Acharei Mot – Kedoshim Levítico 16:1–20:27; Ezequiel 22:1–19; Amos 9:7–15; João 7:1–10:21 “O IHVH falou a Moshe após a morte dos dois filhos de Arão que morreram quando se aproximou do IHVH” (Lv 16:1). A parcela combinada da Torah da semana passada, Tazria-Metzora, discutiu as leis da tumah (impureza) e taharah pureza). A porção dupla desta semana da escritura começa com os avisos de D-us sobre a entrada no Kedosh HaKedoshim (Santo dos Santos) após a morte (acharei MOT) de Nadabe e Abiú, os filhos de Arão que pereceram quando trouxeram “fogo estranho” diante de Adonai. Nesta parasha, parece que o Senhor está tentando evitar mais “mortes acidentais” devido ao bem – significado que os israelitas chegarem muito perto da santidade de D-us. Durante este tempo, o Santo dos Santos foi colocado atrás de uma espessa, pesada cortina ou véu na frente da expiação cobrir a arca. Lá o Senhor apareceu em uma nuvem: “O IHVH disse a Moshe:” Diga a seu irmão Arão que ele não virá sempre que ele escolher o lugar mais sagrado atrás da cortina

Read More

A pergunta

A pergunta

A pergunta A pergunta é: você é religioso, ou você é D-us? Bem, claro que sua na verdade não pode ser D-us, mas você age como se você fosse? Antes que a resposta seja não, sei que esta é a pergunta… você vai ser convidado no Rosh Hashanah, não pelo seu cônjuge, não pelo seu Rav e não por seu vizinho. O Celestial Bais Din solicitará esta questão, e eles vão responder a isso por como você viveu sua vida no ano anterior e com base em sua atitude durante os dez dias de arrependimento. O que significa ser religioso? A Torah responde essa pergunta através da 613 Mitzvos. O que significa para ser D-us? Isso vai para a base da discussão que se segue. Dovid HaMelech escreveu: “Quando eu vejo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e estrelas que você estabeleceu, o que é o homem que você deve se lembrar dele e o filho do homem que você deve estar atento a ele?” (Tehilim 8:4-5). O Dovid HaMelech quis dizer com isso? Vamos responder a esta pergunta com uma analogia. Um dia, um pai levou seu filho para ver o seu local de trabalho. O filho nunca tinha estado lá antes, e ele estava animado para ver onde seu pai trabalhava e ganhava seu sustento. Quando eles passou pelo portão da frente, o

Read More

Investimento de crescimento

Investimento de crescimento

Investimento de crescimento Em uma porção repleta de comandos e leis que detalham centenas dos mais diversos aspectos da vida judaica, nossos sábios olham cuidadosamente para as justaposições desses mandamentos, ganhando ainda mais sabedoria e orientação moral das palavras santas da Torah. É por isso que eles explicaram a colocação muito interessante de dois mandamentos que parecem tão diversos como as extremidades do espectro. Um versículo nos fala sobre as leis de um animal treifah, “povo de santidade você será para mim; você não deve comer carne de um animal que foi rasgado no campo; para o cão você deve jogá-lo” (Êx 22:30). O versículo seguinte diz-nos sobre a realização de relatórios falsos ou mal, “não aceite um relatório falso, não estender a mão com os ímpios para ser uma testemunha venal” (Êx 23:1). Os dois parecem bastante desarticulados; no entanto, o Talmude em Pesachim 118 cita Rav Shaishes em nome do rabino Elazar ben Azarias que liga os dois. “Quem fala ou aceita fofocas (lashn horah) é digno de ser jogado para os cães, como está escrito, para o cão que você irá jogá-lo” e imediatamente depois está escrito, “não aceite um relatório falso”. No início, a conexão, embora homilética, é difícil de entender. O que jogar carne não-kosher para um cão tem a ver com uma fofoca? Os dois parecem totalmente desconectados. De acordo com o

Read More

Quatro características únicas do Terceiro Templo

Quatro características únicas do Terceiro Templo

Quatro Características Únicas do Terceiro Templo No 25º ano do exílio da Babilônia, D’us mostrou uma visão do futuro Templo ao profeta Yechezekel (Yechezekel, cap. 40-48). Porém o Segundo Templo foi construído apenas parcialmente com base na descrição do livro de Yechezekel, pois esta descrição profética estava reservada para o Terceiro e último Templo. O Midrash nos diz que quando D’us ordenou a Yechezekel para descrever as dimensões do Templo ao povo judeu, Yechezekel perguntou: “Mestre do Universo, por que está me dizendo para ir e contar a Israel o formato da Casa; eles agora estão em exílio na terra de nossos inimigos – existe algo que eles possam fazer a respeito disso? Deixe que fiquem, até que retornem do exílio. Então irei e os informarei.” D’us respondeu: “A construção da Minha Casa deveria ser ignorada porque Meus filhos estão no exílio? O estudo do desenho do Templo Sagrado como detalhado na Torá pode ser igualado à sua real construção. Vá e diga a eles para estudarem a forma do Templo Sagrado. Como recompensa pelo seu estudo e sua ocupação com isso, Eu irei considerar se eles realmente construíram o Templo Sagrado (Midrash Tanchuma, Tsav 14; Yalkut Shimoni em Yechezekel 43:10-11 (382). Baseado no Midrash acima, o Rebe de Lubavitch incentivou fortemente o estudo sobre a construção do Templo, especialmente durante a época do ano na qual lamentamos

Read More